Globalização, uniformidade relativa

Globalização, uniformidade relativa

Você certamente viajou para o exterior e observou que muitas cidades são muito parecidas, mesmo que sejam de países diferentes. Por um lado as lojas e as marcas, por outro a forma como as pessoas agem, que música ouvem, como se vestem.

Não é realmente necessário viajar para vivenciar esse fenômeno. Na televisão, na internet ou no cinema podemos constatar que o mundo atual sofre com uma padronização da sociedade. Isso é devido à globalização.

Por globalização entendemos as mudanças que ocorrem desde que o mundo se transformou em uma aldeia. Sua definição mais aceita é que A globalização é um processo cultural, social, econômico e tecnológico pelo qual a interdependência entre os diferentes países do mundo está em constante crescimento, unindo sociedades, culturas e mercados por meio de profundas transformações. Este é um processo dinâmico muitas vezes identificado com países que aplicam o capitalismo democrático e que aceitaram a revolução da informação.

Algumas pessoas discordam desse processo inevitável, argumentando que no passado viajar significava descobrir lugares novos e diferentes. Para eles, por onde passam, tudo é igual, com o mesmo tipo de lojas e marcas nas ruas principais.

Possivelmente o fator que mais apóia este argumento é linguístico. Ninguém duvida que a influência do inglês é enorme em todo o mundo. Portanto, alguns turistas que se esforçam para se comunicar com os habitantes locais em sua língua nativa não conseguem porque respondem diretamente a eles em inglês. Às vezes, essa situação se deve ao fato de que os nativos não aceitam que um estrangeiro divida sua língua, por isso usam diretamente o inglês como o meio de comunicação mais eficaz.

Eles pensam que identidade nacional desapareceu. Na verdade, existem pessoas que se consideram mais legal para introduzir palavras em inglês em seu discurso.

Porém, há uma posição que defende o contrário e que encontra muita diversidade na sociedade global. Além do mais, eles acham que anos atrás éramos mais estereotipados. É por isso que as pessoas se comportaram conforme o esperado de seu país e cultura. Agora, graças à globalização, somos habitantes de uma aldeia global e todos podemos desfrutar do que outras culturas nos trazem. É verdade que existem marcas reconhecíveis em todos os lugares, mas oferecem mais variedade cultural do que anos atrás, quando apenas o local estava disponível. Isso se aplica à música, uma vez que hoje muitos tipos de música podem ser conhecidos e gozam de muita aceitação independente do país de origem; não há fronteiras. Nesse caso, o ponto forte a favor da globalização é a possibilidade de escolha entre um leque mais amplo e variado.

Em relação a poder excessivo do inglês, você tem que ver o lado positivo que contribui para a comunicação interpessoal, negócios ou pesquisa científica. Isso também afeta positivamente o turismo porque o idioma não é mais uma barreira para a saída do país.

Como podemos ver, os dois lados representam pontos de vista muito diferentes da mesma realidade. Depende de nós qual escolheremos. Enfim, a coisa mais sábia é saber aproveitar a diversidade cultural para conhecer um pouco mais sobre o nosso.

Atualmente estou estudando Jornalismo e Comunicação Audiovisual na Universidade Rey Juan Carlos, o que me tem inclinado para a seção internacional, incluindo o estudo de línguas. Por isso, não descarto a dedicar-me ao ensino. Também gosto de praticar exercício físico e passar momentos agradáveis ​​a conversar com os meus conhecidos e com gente nova. Por último, gosto de viajar para conhecer a autêntica cultura de cada região do mundo, embora reconheça que antes Preciso descobrir o máximo possível sobre o lugar que vou visitar, para aproveitar ao máximo a experiência.


Vídeo: Pandemias no mundo globalizado