Vestígios arqueológicos são encontrados na Cova Eirós em Lugo

Vestígios arqueológicos são encontrados na Cova Eirós em Lugo

No Cova Eirós, em Lugo foram encontrados restos de ferramentas líticas, fauna e até mesmo os chamados "Cave Lion”. O trabalho arqueológico das últimas semanas deu frutos com a descoberta de um grande número de vestígios. Entre eles, o conhecido como “Leão da caverna”, Um animal desconhecido e raro na área noroeste.

De acordo com os pesquisadores essas ferramentas encontradas não estão na área, que é uma amostra dos movimentos realizados por neandertais por vários quilômetros em busca de materiais adequados para suas tarefas.

Um dos coordenadores da escavação destacou a importância dos achados ao oferecer informações sobre o Paleolítico. Nessas obras, os especialistas atingiram os níveis do Paleolítico Superior, remontando aos 30.000 anos e, no meio, aos 80.000 anos.

Graças a essas descobertas, os pesquisadores estimam que “os animais encontrados foram caçados e consumidos por humanos”.

Essas escavações arqueológicas e suas investigações correspondentes pertencem a um projeto chamado "Ocupações humanas durante o Pleistoceno na bacia do Médio Minho”, Em que participam a Universidade de Santiago de Compostela e Rovira e Virgill, em Tarragona, contribuindo com arqueólogos.

Este programa é liderado pelo historiador Ramon Fabregas, e coordenado por Arturo Lombera e Xosé Pedro Rodríguez.

o materiais encontrados Eles devem ser transportados para Santiago para continuar com as análises, segundo Arturo Lombera. "Desta forma, podem ser produzidas publicações em várias revistas internacionais.”Adicionou o especialista.

o Cova Eirós Situa-se no concelho de Triacastela, em Lugo, onde no ano passado foram encontradas pinturas rupestres e gravuras, uma amostra dos primeiros vestígios da arte parietal paleolítica, mas as escavações têm sido realizadas desde 2008. Também contribuiu com vestígios da Idade Bronze e a Idade Média.

Imagem: IPHES

Atualmente estou estudando Jornalismo e Comunicação Audiovisual na Universidade Rey Juan Carlos, o que me tem inclinado para a seção internacional, incluindo o estudo de línguas. Portanto, não descarto o ensino a mim mesmo.Também gosto de praticar exercícios físicos e passar momentos agradáveis ​​conversando com meus conhecidos e com gente nova.Por fim, gosto de viajar para conhecer a autêntica cultura de cada região do mundo, embora reconheça que antes Preciso saber o máximo possível sobre o lugar que vou visitar, para aproveitar ao máximo a experiência.


Vídeo: O fóssil de Luzia, Lagoa Santa e curiosidades da pré-história brasileira OrigensBR #2