La Belle Époque (1870-1914) e o mundo entre os séculos XIX e XX

La Belle Époque (1870-1914) e o mundo entre os séculos XIX e XX

O período estimado entre os séculos entre os anos 1870 e 1914 é conhecido como o Belle Époque. Geralmente era um período de paz e prosperidade econômica e social para as nações, daí seu nome em francês.

Imperialismo e diplomacia: características políticas da época.

Na arena política, as grandes potências se concentraram no expansão imperialista, que justificou o domínio de alguns países sobre outros com base em critérios de superioridade moral e econômica, e que foi motivada, além do esforço de expansão das fronteiras, pela busca por novos mercados e matérias-primas. Em 1898, praticamente todo o mundo estava colonizado, o que revelará suas consequências políticas e demográficas nos anos seguintes, tornando o colonialismo do século XIX uma das causas remotas que motivaram a eclosão da Primeira Guerra Mundial.

No ambiente europeu, naquele ano de 1871 o chamado Realpolitik pelo chanceler alemão Otto von Bismark (com base na abordagem da política externa para a estratégia diplomática e a busca do equilíbrio de poder entre as potências europeias) parecia ter dado certo. Com o fim da Guerra Franco-Prussiana, as relações internacionais das grandes nações da Europa consistirão basicamente em um meticulosa rede de alianças que garantiu longos anos de paz geral.

o Tripla aliança consumado em 1882 (uma série de pactos eminentemente defensivos, militares e econômicos) alinhou a Prússia, líder indiscutível da guerra e beneficiária de seus resultados, com a Áustria e a Itália. Por outro lado, o recém-nascido e derrotadoIII república francesa, que além da guerra perdeu importantes enclaves econômicos e estratégicos a favor da Prússia, buscou apoio da potência industrial da Grã-Bretanha e do poderio militar e geográfico da Rússia, que após um longo processo diplomático que culminou em 1907, acabaria unindo forças e constituindo o Triple Entente.

Desta forma, um período prolongado de estabilidade pacífica em que as grandes nações européias concentraram seus esforços na modernização de seus sistemas políticos e econômicos, melhorando as condições sociais de seus povos e estendendo suas influências em outros territórios. Mas, ao mesmo tempo, esse jogo estratégico de posições estava forjando toda uma série de mal-entendidos que culminariam no eclosão da Primeira Guerra Mundial em 1914.

Do outro lado do Pacífico, os Estados Unidos da América, da Manifesto da doutrina Monroe em 1826, orientou sua política externa para o expansionismo intercontinental, a abstenção dos assuntos europeus e a recusa da Europa em intervir na política americana, expandindo assim suas fronteiras e com ela seus recursos econômicos e humanos. FA fratricida Guerra Civil terminou em 1865 Graças em parte a esse relativo isolamento político da Europa, a nação norte-americana experimentou um desenvolvimento territorial, político e econômico sem precedentes que a tornou uma das potências mais poderosas do mundo, chegando a competir com a Grã-Bretanha para se tornar a maior força. industrial.

Quanto aos continentes de Ásia, África e Oceania, sofrer o desacordos decorrentes da colonização, mas ao mesmo tempo se nutrem em certa medida dos benefícios de ter uma metrópole. Uma vez que tudo nunca é preto ou branco, embora a colonização teve consequências negativas bem conhecidas (devastação e desdobramentos demográficos, liquidação dos recursos naturais, domínio linguístico e cultural em detrimento das identidades nacionais ...), também introduziu novos modos de produção e modos de vida que, sem dúvida, condicionaram o desenvolvimento daqueles países.

A Grã-Bretanha ganhou a corrida imperialista com a conformação do cobiçadoimperium continuum na África, criando uma rede quase ininterrupta de colônias (exceto para a África Oriental Alemã) do Delta do Nilo, no Egito, ao Cabo da Nova Esperança, na África do Sul. Suas propriedades na Ásia e na Oceania, especialmente suas colônias na Índia, Birmânia e Malásia, tornaram-se fontes de matérias-primas que alimentaram o desenvolvimento industrial e a produtividade em grande escala.

Economia industrial e a nova ordem social.

A economia mundial, em termos gerais, impulsionado pelos efeitos da Revolução Industrial, experimentou um rápido crescimento e, com ele, o boom demográfico. Isso permitiu o desenvolvimento de cidades, que agora estão focadas em se embelezar: Paris, Londres, Praga, Viena ... e outras capitais competiam para se tornarem centros mundiais de arte e cultura. Com o impulso econômico, mudanças sociais importantes também ocorreram.

o Revolução Industrial deu origem a uma nova ordem social em que oburguesia enriquecida da indústria, negócios, comércio e profissões liberais formaram uma elite e a proletariado. A velha aristocracia foi perdendo gradualmente sua influência política, ao contrário da burguesia, cujo poder financeiro lhe permitia participar facilmente das decisões. No final do século XIX, a nova classe social atomizada dos trabalhadores, o proletariado, começa a reivindicar direitos e denunciar as suas duras condições de vida e de trabalho, dando origem ao que se denomina comomovimento trabalhista.

Com isso, eles vão surgir novas ideologias políticas que tentará combater o sistema desigual do capitalismo burguês: o socialismo científico, o anarquismo eO comunismo. o Primeira internacional realizada em Londres em 1864 reuniu esta nova ideologia, surgindo assim a primeira força de ação contra as desigualdades do capitalismo, que foi posta em prática na infeliz Comuna de Paris de 1871.

Atitude otimista e estética renovada: a cultura da Belle Époque.

Ao falar sobre oBelle Époque, pode-se afirmar que mais do que um movimento cultural como o neoclassicismo, romantismo ou realismo do século XIX, é umnova atitude ambiciosa e confiança no futuro,condicionado pelas mudanças sociais e econômicas já mencionadas e pelo nascimento de uma classe média cada vez mais massiva. O termo é atribuído aotimismo geral da populaçãocomo resultado do aumento da qualidade de vida e da paz internacional.

Foi promovido alfabetização e educação superior formar trabalhadores especializados que permitissem atender às grandes demandas da produção industrial. Do mesmo modo, avanços científicos foram promovidos: a invenção do telégrafo e do telefone, a generalização no uso da eletricidade ou a teoria da relatividade de Einstein de 1905 são alguns exemplos.

No mundo cotidiano, melhorias nas condições de trabalho foram introduzidas gradualmente (aumento de salários, redução da jornada de trabalho ...) aumentou o poder de compra da sociedade e também o seu tempo livre. Cabarés, cafés, teatros, cinemas (o primeiro em Paris em 1895) e as galerias de arte faziam parte do lazer, da diversão e do espetáculo das pessoasos primeiros sinais de uma cultura popular de massa que se desenvolverá ao longo do século XX.

E com essa nova atitude otimista, um novoestética promovida da França que teve influências na arte, arquitetura, música e vida cotidiana. Paris se tornou a capital mundial da arte e da cultura e celebrou o primeira Exposição Universal em 1889, que motivou a construção da Torre Eiffel. Desde 1989, as Exposições Universais se tornarão símbolos do encontro cultural internacional.

A arte foi influenciada por esse novo ar de otimismo, que vai provocar o a reação dos artistas às convenções do século XIX, uma rejeição do academicismo e um desejo de romper com os cânones estabelecidos.Assim nasceram novos movimentos e as primeiras vanguardas artísticas como o Expressionismo, o Fauvismo, o Modernismo e o Futurismo.

Romântico, no sentido artístico da palavra. Na minha adolescência, a família e os amigos sempre me lembravam que eu era um inveterado humanista, pois passava o tempo fazendo o que talvez os outros nem tanto, acreditando ser Bécquer, imerso em minhas próprias fantasias artísticas, em livros e filmes, sempre querendo viajar e explorar o mundo, admirado pelo meu passado histórico e pelas maravilhosas produções do ser humano. Por isso resolvi estudar História e combiná-la com História da Arte, porque me pareceu a forma mais adequada de realizar as competências e paixões que me caracterizam: ler, escrever, viajar, pesquisar, conhecer, dar a conhecer, educar. Divulgação é outra das minhas motivações, pois entendo que não existe palavra que tenha valor real se não for porque foi transmitida de forma eficaz. E com isso, estou determinado a que tudo que faço na minha vida tenha um propósito educacional.


Vídeo: Le Festin de Julie à la Belle Époque - Les Carnets de Julie