Exposição «El Greco. Da Itália a Toledo »no Museu Thyssen

Exposição «El Greco. Da Itália a Toledo »no Museu Thyssen

O Museu Thyssen Bornemisza organizou uma exposição por ocasião do quarto centenário da morte de El Greco que apresentará as últimas pesquisas realizadas no Departamento de Restauração da Instituição.

Esses avanços no estudo da obra de El Greco quadro quatro pinturas (A Anunciação de 1576, Cristo abraçando a cruz de 1587-96, Um segundo Aviso de 1596-1600 e a Imaculada Conceição de 1608-14) que refletem a evolução da técnica e as concepções artísticas do pintor em diferentes períodos de sua carreira e nos diferentes locais onde trabalhou.

Para isso técnicas de análise de última geração têm sido utilizadas: fotografia de alta resolução que permite captar pequenos detalhes que escapam ao olho humano; reflectografia infravermelha, que revela os esboços e manchas escondidos sob as pinturas; raios-X, que mostram as modificações feitas pelo artista durante o processo de elaboração e outros procedimentos químicos que revelam informações sobre a metodologia do artista e a distribuição dos pigmentos nas diferentes camadas de tinta.

A formação técnica de El Greco é resultado de um processo contínuo de aprendizagem e adaptação que ocorre em quatro centros principais: Creta, Veneza, Roma e Toledo. As investigações dessas quatro produções estudam as mudanças formais e nos materiais pictóricos em cada uma dessas etapas, desde a primeira influenciada pela pintura veneziana da Itália até sua estada e formação de uma oficina em Toledo, quando deixou de lado o desenho e usa uma técnica mais subjetiva de pinceladas soltas, que conferem às obras aquela aparência vítrea característica. O resultado dessas influências é uma arte única e original fruto de sua maturidade intelectual e técnica.

Acompanhando a exposição estará um simpósio internacional sobre a vida e obra do artista de origem grega, dirigido por Fernando Marías, Professor de História da Arte da Universidade Complutense, que será realizada nos dias 22 e 23 de maio no museu e será encerrada em Toledo no dia 24 de maio. O evento contará com a participação de grandes especialistas espanhóis e de fora da Espanha, como Richard L. Kagan, Maria Constatoudaki-Kritomilides, Felipe Pereda, Elena de Laurentiis e Guillermo Solana.

Romântico, no sentido artístico da palavra. Na minha adolescência, tanto a família como os amigos sempre me lembravam que eu era um humanista inveterado, pois passava muito tempo fazendo o que talvez os outros nem tanto, acreditando ser Bécquer, imerso em minhas próprias fantasias artísticas, em livros e filmes, sempre com vontade de viajar explorar o mundo, admirado pelo meu passado histórico e pelas maravilhosas produções do ser humano. Por isso decidi estudar História e combiná-la com História da Arte, porque me pareceu a forma mais adequada de realizar as competências e paixões que me caracterizam: ler, escrever, viajar, pesquisar, conhecer, dar a conhecer, educar. Divulgação é outra das minhas motivações, pois entendo que não existe palavra que tenha valor real se não for porque foi transmitida de forma eficaz. E com isso, estou determinado a que tudo que faço na minha vida tenha um propósito educacional.


Vídeo: Básicos de Madrid: Colección permanente del Museo Thyssen-Bornemisza