Investigando impactos ambientais no antigo Camboja

Investigando impactos ambientais no antigo Camboja

Pesquisadores da Universidade de Sydney realizaram uma análise geográfica na antiga cidade cambojana de Mahendraparvata, na região do parque natural Phnom Kulen, cujos resultados revelaram erosão extensiva da terra que começou em meados do século IX e isso determinou uma série de mudanças na gestão e administração dos recursos hidráulicos para o século 12, com todo o impacto ambiental que isso acarreta.

Dan Penny, um pesquisador australiano, realizou um estudo sobre o desgaste do solo e as mudanças na vegetação nas redondezas de um antigo reservatório em Phnom Kulen que teria abastecido a cidade de Mahendraparvata e muitas outras cidades antigas do Camboja, como Angkor. Publicado em 8 de janeiro na revista digital PLOS ONE, seus resultados sugerem que o vale pode ter sofrido uma inundação no século 8, mas a idade do reservatório ainda é desconhecida.

Ao coletar e analisar amostras de solo e plantas, estudadas em conjunto com dados arqueológicos dos assentamentos da área, eles foram capazes de determinar que a barragem esteve operacional por 400 anos, o tempo suficiente para promover o desgaste do solo. Os assentamentos utilizaram extensivamente a barragem desde o início do século IX por um período de aproximadamente 250 anos, com o seu consequente enorme impacto no meio ambiente. Da mesma forma, a possível consciência deste impacto ambiental explica uma série de mudanças ocorridas na gestão dos recursos hidráulicos por volta do século XI.

Imagem: Wikipedia

Romântico, no sentido artístico da palavra. Na minha adolescência, tanto a família como os amigos sempre me lembravam que eu era um humanista inveterado, pois passava muito tempo fazendo o que talvez os outros nem tanto, acreditando ser Bécquer, imerso em minhas próprias fantasias artísticas, em livros e filmes, sempre com vontade de viajar explorar o mundo, admirado pelo meu passado histórico e pelas maravilhosas produções do ser humano. Por isso decidi estudar História e combiná-la com História da Arte, porque me pareceu a forma mais adequada de realizar as competências e paixões que me caracterizam: ler, escrever, viajar, pesquisar, conhecer, dar a conhecer, educar. Divulgação é outra das minhas motivações, pois entendo que não existe palavra que tenha valor real se não for porque foi transmitida de forma eficaz. E com isso, estou determinado a que tudo que faço na minha vida tenha um propósito educacional.


Vídeo: Os 5 Impactos Ambientais que mais caem no ENEM