Akhenaton pode ter compartilhado o trono com seu pai

Akhenaton pode ter compartilhado o trono com seu pai

Provas escritas de um poder compartilhado entre Amenophis III e seu filho homônimo Amenophis IV, que mudou seu nome para Akhenaton, abriram um debate sobre se realmente houve um momento em que ambos compartilhavam o trono. Uma série de escavações na tumba de Amenhotep-Huy, Ministro da cidade de Luxor, revelou um conjunto de cartuchos que podem provar isso.

Akhenaton realizou o reforma mais revolucionária em todo o Egito faraônico, modificando substancialmente o sistema religioso e cultural. Ele ganhou a inimizade de toda a casta sacerdotal poderosa e fez mudanças substanciais nos modos de representação artística por estabelecer um monoteísmo caracterizado pelo culto pessoal ao deus Aton e ao disco solar, e pela associação desse novo simbolismo religioso com o próprio faraó, que doravante seria chamado de Akhenaton.

Mas parece que nos primeiros dias do reinado de Amenófis IV, quando ainda mantinha o nome herdado de seu pai, ambos poderiam ter compartilhado o trono. As inscrições nos cartuchos encontrados em Luxor celebram o 30º aniversário do reinado de Amenófis III, cerca de oito anos antes de sua morte e da ascensão de seu filho ao trono em 1.300 aC. aproximadamente. Ambos os faraós são mencionados neles, então os especialistas dizem que é uma evidência conclusiva de um co-regência entre pai e filho nos últimos anos de Amenophis III.

Romântico, no sentido artístico da palavra. Na minha adolescência, a família e os amigos sempre me lembravam que eu era um inveterado humanista, pois passava muito tempo fazendo o que talvez os outros nem tanto, acreditando ser Bécquer, imerso em minhas próprias fantasias artísticas, em livros e filmes, sempre querendo viajar e explorar o mundo, admirado pelo meu passado histórico e pelas maravilhosas produções do ser humano. Por isso decidi estudar História e combiná-la com História da Arte, porque me pareceu a forma mais adequada de realizar as competências e paixões que me caracterizam: ler, escrever, viajar, pesquisar, conhecer, dar a conhecer, educar. Divulgação é outra das minhas motivações, pois entendo que não existe palavra que tenha valor real se não for porque foi transmitida de forma eficaz. E com isso, estou determinado a que tudo o que faço na minha vida tenha um propósito educacional.


Vídeo: Akhenaton e Nefertiti