Um relevo egípcio mostra o imperador Claudius como Faraó

Um relevo egípcio mostra o imperador Claudius como Faraó

No templo de Shanhur, cerca de 12 quilômetros ao norte de Luxor, foram encontrados relevos em que o imperador Cláudio aparece representado como rei do Alto e Baixo Egito. Foi um grupo de pesquisadores da Universidade de Swansea no País de Gales e da Universidade de Leuven, na Bélgica, que conseguiu identificar o imperador romano.

Claudio usa uma coroa composta por quatro copos-de-leite repousando sobre chifres de carneiro, nos quais repousam três falcões. Na frente de Claudio está Min, deus da fertilidade. Possui chicote e coroa de penas com disco solar duplo. Ele também ostenta um pênis ereto, o que é normal para este deus. Atrás dele está sua capela de culto, e entre ele e Claudio oito homens que representam aqueles que devem cumprir o ritual. Inscrições e iconografia sugerem que, ao realizar este ritual, Claudio assume as formidáveis ​​características do Min.

O próprio templo data da época romana e Foi originalmente construído como um templo para Ísis na época de Augusto. No entanto, as esculturas nas paredes externas leste e oeste foram feitas durante o reinado do imperador Cláudio.

As esculturas encontradas foram expostas pela primeira vez nos anos de 2000 a 2001. Elas haviam sido cobertas por um monte de terra que protegeu as paredes externas do templo deixando assim os tamanhos em perfeitas condições. Nos anos posteriores à proteção conferida pelo monte, as esculturas, feitas em calcário de menor grau e, portanto, suscetíveis à erosão; eles foram um tanto afetados.

O aparecimento de uma data indica que este ritual realmente aconteceu, apesar do próprio imperador Claudius não estar presente em pessoa e de fato, nunca fui para o egito. Provavelmente um padre atuou como seu representante, algo comum na época, pois o rei não podia aparecer em cada ritual.

Madrilena ou Cantábrica. Calculadora ou impulsiva. Sonhador ou realista. 23 ou 12 anos. Futebol ou lojas. Jornalismo verdadeiro: é preciso conhecer a fundo a história, é a única maneira de não cometer os mesmos erros do passado


Vídeo: MKT Político - Aula 01