Averasboro Battlefield

Averasboro Battlefield

O Campo de Batalha de Averasboro, na Carolina do Norte, foi o local da Batalha de Averasborough, durante as Campanhas de Carolina da Guerra Civil Americana.

História do campo de batalha de Averasboro

A Batalha de Averasborough ocorreu em 15 e 16 de março de 1865. Parte da Campanha Carolinas da Guerra Civil Americana, a Batalha de Averasborough foi travada entre o Exército Unionista da Geórgia liderado pelo Major General Henry W. Slocum e um exército Confederado liderado por Tenente General William J. Hardee. O exército da União, comandado pelo general Sherman, começou a marchar para o norte - os confederados agiram rapidamente para tentar atrasar e prejudicar o progresso do exército da União para o norte.

Sherman decidiu dividir suas tropas em Cape Fear River, com as do General Slocum passando por Averasboro e Bentonville. O general Hardee recebeu ordens de atrasar as tropas de Slocum para permitir que o general Joseph E. Johnston reunisse tropas nas proximidades de Bentonville: ele fez isso enfrentando-as na Batalha de Averasborough.

Há um debate se Hardee teve sucesso em atrasar o exército da União pelo tempo necessário. No geral, a Batalha de Averasborough resultou em mais de mil vítimas, com 682 do lado confederado e cerca de quinhentos sindicalistas. No entanto, considerando que as forças da União superavam em número as forças confederadas em três vezes, muitos acreditam que deveriam ter tido uma vitória esmagadora.

Muitos vêem a batalha como cenário para o grande confronto na Batalha de Bentonville, logo depois, que foi o último grande confronto no teatro de guerra da América Ocidental.

Averasboro Battlefield hoje

O campo de batalha e o museu e centro de visitantes que o acompanham são administrados pela Comissão do Campo de Batalha de Averasboro hoje - uma organização sem fins lucrativos que também restaurou o cemitério da Guerra Civil de Chicora, nas proximidades. O site está aberto de terça a sábado, normalmente 10-3, embora valha a pena verificar com antecedência. Fique atento para a história viva e as encenações de batalhas, que acontecem quase regularmente. Eles são um pouco malucos, mas muito divertidos e definitivamente dão vida ao lugar.

Chegando ao campo de batalha de Averasboro hoje

Averasboro fica a cerca de 45 minutos ao sul de Raleigh e 25 minutos ao norte de Fayetteville na I-95. Se você estiver vindo de Fayetteville, pegue a saída 65 e siga para a Highway 82 WEST, que é uma rota panorâmica pelo coração de alguns dos territórios mais importantes da Guerra Civil. Se você estiver vindo de Raleigh, pegue a saída 73 em Dunn e siga as placas para o campo de batalha e o museu.


Os aficionados por história se lembram de Averasboro, Bentonville como a última resistência da Confederação

As sangrentas batalhas de Averasboro e Bentonville perto do final da Guerra Civil não atraem a mesma atenção que as de Antietam ou Gettysburg.

Embora Averasboro tenha provado ser um prelúdio para a batalha maior de Bentonville - que é considerada a última chance para a Confederação - eles foram combates separados travados no final do inverno de 1865 na zona rural do leste da Carolina do Norte.

Parte da mesma operação confederada, as batalhas tinham como objetivo infligir golpes no exército do general William T. Sherman durante o último estágio da campanha implacável do comandante da União através das Carolinas.

"Até aquele ponto, Sherman encontrou muito pouca resistência. Da queda de Atlanta à Batalha de Averasboro, há pouco mais do que escaramuças acontecendo", disse Mark Bradley, autor de vários livros sobre a Guerra Civil na Carolina do Norte . "Acho que é justo dizer que eles estão confiantes demais, especialmente pouco antes de Bentonville. Aqui está o exército desfeito de Johnston e, de repente, há o perigo que ele pode representar para a campanha de Sherman nas Carolinas."

"Sherman é capaz de derrotar Johnston. Mas o exército de Sherman não esmagou o exército de Johnston em Bentonville", disse Bradley. "Seu exército sobreviveu e ele ficou frente a frente com um exército muito maior nos dias 20 e 21 (de março de 1865). Embora não seja uma batalha decisiva, ainda é significativa."

Tecnicamente, uma vitória tática federal, o preâmbulo Averasboro foi na verdade uma vitória estratégica confederada. O Sul, em desvantagem numérica de 3 para 1, cumpriu o objetivo principal de atrasar o avanço da ala esquerda das tropas de Sherman por pelo menos um dia.

Donny Taylor, que é gerente do local histórico do Bentonville Battleground State Historic Site, disse que os visitantes costumam se surpreender com o tamanho do confronto em Bentonville, a cerca de 40 quilômetros de Averasboro, no condado de Johnston.

"Foi uma, senão a última, em que os confederados realmente escolheram a batalha e foram os agressores", disse ele. "No que diz respeito a uma mudança em qualquer resultado da guerra, isso não aconteceu. Os homens nas fileiras não sabiam que a guerra estava acabando. Ainda mostrava os esforços que os confederados estavam fazendo para cumprir seu dever de soldados e impedir a presença do que consideravam um exército invasor. "

Este mês, os 150 anos desses dois conflitos da Guerra Civil estão sendo reconhecidos.

Parece que poucos descendentes das famílias originais que viveram nas proximidades dos campos de batalha de Averasboro e Bentonville ainda estão por aí. Mas há alguns, incluindo Gene Smith e Nelson Rose, que contaram histórias da guerra e suas consequências para compartilhar.

Depois, há os reencenadores que anseiam pelos fins de semana e pela oportunidade de vestir os uniformes do exército de lã da época, desempenhando papéis nas batalhas de campo recriadas da década de 1860.

"Só acho que é um dos tempos mais interessantes da nossa história", disse W.S. Jackson, um reencenador de 57 anos que mora perto de Spivey's Corner. "Não é ensinado e estudado muito na escola, e muitas pessoas não se importam."

Enquanto ele pode retratar os dois lados, Jackson se vestirá como um confederado durante a comemoração do aniversário em Bentonville, onde cerca de 3.000 reencenadores são esperados.

"Eles estão interessados ​​em história. A Guerra Civil foi um momento decisivo na história deste país", disse Taylor. “Muitos deles tinham ancestrais lutando em ambos os lados, que era irmão contra irmão. Há uma camaradagem definitiva aí. Você faz muitos amigos de todo o país.

"Você se relaciona com a história daquela época - modos, roupas. Você relaciona isso com o público de hoje."

Os tempos mudaram desde que as reverberações da artilharia e dos tiros sacudiram o solo durante a Batalha de Averasboro.

Apenas uma das três casas pré-guerra da outrora plantação Smithville de 8.300 acres - Líbano - permanece como propriedade da família original. Uma bandeira dos EUA está hasteada do lado de fora de uma casa contemporânea construída em parte do campo de batalha, em frente de onde a casa da fazenda Oak Grove ficava originalmente na Burnett Road.

"Turistas e pessoas vêm o tempo todo. Se eu não os impedisse, eles entrariam direto pela porta da frente", disse Ron Lewis, que comprou a casa em Oak Grove cerca de seis anos atrás, antes de transferi-la para a Burnett Road.

Este bolsão rural na linha do condado de Cumberland-Harnett permanece bem preservado e bem afastado do desenvolvimento.

“É um lugar maravilhoso”, disse Wade Sokolosky, que co-escreveu o livro “Nenhum Exército desde os Dias de Júlio César - Campanha de Sherman na Carolina: De Fayetteville a Averasboro”.

"As pessoas podem sair em uma manhã calma e você pode sentir a batalha", disse ele.

Restos do confronto permanecem.

Não muito longe do museu do campo de batalha fica o cemitério de Chicora, o local de descanso final para 56 soldados confederados.

Buracos de balas de canhão e locais onde balas perdidas perfuraram o pinheiro coração da casa de plantação de Oak Grove ainda são visíveis. Os danos estruturais - incluindo parte de uma viga cortada à mão no lambris do sótão que foi cortada por uma bala de canhão e um círculo quase perfeito de uma segunda bala de canhão em uma parede oposta - permanece da Batalha de Averasboro em 15 e 16 de março , 1865.

A batalha foi travada em três linhas no norte do condado de Cumberland e no sul do condado de Harnett, em um gargalo formado pelos rios Cape Fear e Black. As contas variam, mas o Norte sofreu 682 perdas em Averasboro, incluindo 533 soldados feridos, o Sul contabilizou 500 perdas, sem registro de quantos foram feridos.

Em uma carta datada de 12 de abril de 1865, quase um mês após o conflito, Jamie Smith, de 18 anos, escreveu a um colega de escola: "Toda a natureza é alegre e bela, mas cada brisa do sul está carregada com um cheiro terrível do campo de batalha , o que às vezes torna minha casa muito desagradável. "

A jovem morava na plantação de Smithville, mais conhecida hoje como Líbano.

Gene Smith, redator editorial sênior aposentado do The Fayetteville Observer, viveu grande parte de sua vida na casa do Líbano. É um dos primeiros exemplos da arquitetura renascentista grega e a primeira propriedade do condado de Harnett incluída no Registro Nacional de Locais Históricos.

A família Smith foi proprietária e ocupou a casa desde a sua construção em 1824 como presente de casamento.

Alguns dos ancestrais de Gene Smith foram testemunhas dos horrores do conflito da Guerra Civil, enquanto a família extensa de Smith se amontoava em um quarto no andar de cima da casa depois que ela foi transformada em um hospital para os confederados feridos. Celeiros, anexos e galpões foram usados ​​para os feridos.

Mesas montadas sob a sombra das árvores foram usadas para amputar membros.

"Muitas pessoas morreram aqui", disse Smith, 67, e um guardião da história de sua família. "Era uma enfermaria, e eles fizeram a cirurgia ao ar livre, sob os prédios anexos. Eles colocaram os doentes dentro de casa."

Lewis se lembra de ter dirigido ao longo da N.C. 82 nos arredores de Godwin e visto o imponente Oak Grove, na época a cerca de 200 metros da estrada. Ele adora história e se apaixonou por esta área remota e sua ligação com a história dos Estados Unidos.

"Ter uma casa que foi uma parte importante da Guerra Civil - na verdade é uma honra possuir algo assim", disse Lewis, 49, que mora nas proximidades de Eastover e planeja transformar Oak Grove vazio em um museu. "Esta casa era uma sala de cirurgia durante a Guerra Civil. O sangue das pessoas estava espalhado por todo o piso de madeira."

As manchas permanecem no piso de madeira tosco do andar de baixo em um dos doze quartos de Oak Grove. Duas salas foram usadas para realizar cirurgias durante a batalha, e as manchas são do sangue de feridos e moribundos, disse Lewis.

Enquanto o Líbano foi transformado em um hospital de campanha da Confederação e a casa de William T. Smith em 1865 serviu como um hospital de campanha federal, Oak Grove foi usado como um hospital da Confederação, onde os feridos de ambos os lados foram tratados brevemente, de acordo com fontes registradas.

"Sherman e suas tropas foram a esta casa", disse Lewis. "A família foi expulsa e ficou em uma ravina antes de ir (para o Líbano). Eles saquearam tudo. Depois queimaram os móveis."

A Batalha de Averasboro, como Smith apontou, não foi travada em Averasboro.

A batalha aconteceu na plantação de Smithville, que era composta de três plantações menores, todas de propriedade de John Smith.

Averasboro (muitas vezes soletrado Averasborough), que já foi a terceira maior cidade no rio Cape Fear, atrás de Wilmington e Fayetteville, não existe mais. Fundada antes da Guerra Revolucionária, ela serviu como um ponto de parada importante para os viajantes e barqueiros da Stage Road.

Chicora Golf Course foi construído onde a cidade uma vez prosperou.

"Era grande o suficiente para ter sido considerada para um possível local como a capital (do estado)", disse Smith.

Os confederados encenaram a Batalha de Averasboro para paralisar as tropas da União, e ela provou ser bem planejada e executada. No entanto, alguns relatos antigos questionam se o conflito pode ser considerado uma batalha. Foi descartado como uma escaramuça tática, uma ação retardadora.

Ele também tem vários nomes, como Batalha de Black River e Batalha por Smithville.

"Não é bem compreendido", disse Smith, que mora com sua esposa, Sherry, na casa do Líbano, no extremo norte do campo de batalha. "Se você julgar uma batalha pelo que eles estavam tentando fazer, os Rebs fizeram isso. Se for julgado pelo número de vítimas, esta certamente foi uma batalha. Houve bem mais de 1.000 mortos aqui, sem incluir os feridos e desaparecidos em combate . "

A luta em Averasboro levou, três dias depois, à Batalha de Bentonville, uma das últimas grandes batalhas da Guerra Civil e a maior batalha já travada em solo da Carolina do Norte.

"A Batalha de Averasboro foi um jogo significativo nisso. Não foi simplesmente algum tipo de ocorrência acidental quando as tropas da União surgiram", disse Walt Smith, ex-vice-presidente da Comissão do Campo de Batalha de Averasboro cujos ancestrais viveram no William T. Casa da plantação de Smith.

Tecnicamente, contou Smith, a luta começou em torno da casa de William T. Smith, no extremo sul do campo de batalha. Fica a mais de três quilômetros ao sul da propriedade do Líbano.

"Estava úmido, frio e chuvoso", disse ele. "Eles estavam atolados na lama."

As tropas do sul lideradas pelo general William G. Hardee - soldados da Carolina do Sul, Geórgia e Flórida - caíram sob o comando geral do general Joseph Johnston na época do conflito de Averasboro. Johnston estava procurando um lugar para atacar o exército de Sherman durante a campanha do general da União nas Carolinas.

Após a escaramuça em Monroe's Crossroads no que hoje é Fort Bragg, e após a queda de Fayetteville para as tropas de Sherman, os confederados de Hardee queimaram a ponte Clarendon na saída de Fayetteville antes de estabelecer um arranjo defensivo na plantação de Smithville.

Foi lá, ao sul de Averasboro, que Johnston viu uma oportunidade.

Ele soube que o exército de 60.000 soldados de Sherman estava viajando em duas alas, com um bom dia de marcha entre eles. E ele viu que poderia atrasar a ala esquerda em Averasboro. Johnston queria que as tropas de Hardee impedissem o avanço de Sherman para que ele pudesse concentrar seu total de forças disponíveis de cerca de 20.000 homens e meninos em Bentonville.

Da perspectiva dos confederados, Averasboro é importante por onde Hardee decidiu se posicionar, disse Sokolosky, o escritor e especialista.

"Seu exército basicamente estava seguindo o exército de Sherman que vinha pela Carolina do Sul", disse ele. "Originalmente, o exército de Hardee começou com cerca de 12.000 soldados. Quando Hardee chega a Fayetteville, seu exército caiu para cerca de 6.500 a 7.000."

Apesar das probabilidades, Averasboro deu a Johnston tempo para organizar seu ataque estratégico para a batalha em Bentonville, onde surpreendeu o 14º Corpo de exército de Sherman.

Isso deu aos confederados "uma espécie de impulso moral", disse Sokolosky, enquanto - mais importante - deu às forças combinadas de Johnston e Hardee uma chance de lutar em Bentonville.

"Sem Averasboro", disse o escritor e historiador da Guerra Civil Bradley, "Bentonville realmente não será possível."

Os exércitos de Sherman e Johnston já haviam se encontrado antes no campo de batalha - em Shiloh, Vicksburg e Atlanta.

Os veteranos da Batalha de Bentonville diriam mais tarde que a luta foi tão intensa, feroz e devastadora quanto as batalhas em Gettysburg ou nos arredores de Atlanta, de acordo com informações publicadas no Bentonville Battlefield State Historic Site.

Cerca de 4.100 homens foram mortos, feridos ou desapareceram durante a batalha, encenada de 19 a 21 de março de 1865. Dizia-se que o tiroteio era tão intenso que arrancou vários pés de casca dos pinheiros. Os sobreviventes abriram mochilas para encontrar sua farinha salgada com estilhaços.

Em Bentonville, os rebeldes sofreram as maiores baixas enquanto a Confederação entrava em colapso e a guerra estava chegando ao fim. Historicamente, foi a única grande tentativa de deter o progresso do exército de Sherman após a queda de Savannah.

“Aqui estamos nós três semanas antes da rendição do Sul e temos homens lutando por suas vidas em Bentonville”, disse Bradley, autor de “Última Resistência nas Carolinas: A Batalha de Bentonville”.

"Como se o jogo ainda não tivesse terminado. Como se os confederados não tivessem perdido", disse ele. "É incrível para mim que os homens ainda estejam lutando como se a guerra ainda estivesse em dúvida. Isso é o que eu acho tão fascinante nessa batalha. Eles ainda lutaram com a mesma determinação e dedicação como se esta fosse uma batalha inicial que pudesse determinar o resultado de a guerra.

"Appomattox Court House acontece apenas três semanas depois."

Nelson Rose e sua esposa, Ann, vivem em uma casa de fazenda de dois andares no campo de batalha de Bentonville. O primeiro dia da batalha aconteceu em suas terras, e o que restou de uma linha de terraplenagens confederadas crescidas ainda está na propriedade.

"Quando nos casamos, ele costumava me carregar pelo galho", disse Ann Rose da sala de estar. "Essa era a trincheira real. Eram os parapeitos originais, intocados da Guerra Civil."

Ela se lembrou de como o pai de Rose, Charlie Nelson Rose, contava a seu filho mais velho, o falecido Barrett Rose, que quando você ia para aquele terreno sagrado, dava para ouvir os soldados conversando.

"Ele estava apenas brincando com ele", disse Nelson Rose.

Rose atingiu a maioridade no campo de batalha, conhecedora do que acontecera em Bentonville durante a guerra. Dois de seus ancestrais, William Bright Cole e William Nicholas Rose, lutaram pelo sul.

Ao lado de seu pai, este gerente aposentado da Comissão de Segurança de Emprego está diretamente ligado à plantação de Willis Cole, que o general confederado Wade Hampton selecionou como o local ideal para deter o avanço do sindicato.

Cole é seu tataravô.

"Crescendo no campo de batalha nos anos 50 e 60, quando você estava capinando e capinando, você encontrava artefatos no topo do solo", disse ele. "À medida que o solo era cultivado e chovia, eles se preparavam e ficavam sentados lá."

Ao longo dos anos, o velho Rose acumulou uma pequena vitrine de artefatos de guerra de suas terras agrícolas, incluindo fivelas, balas, bolas Minie, botões, moedas e cacos de rifles dos Estados Unidos e da Confederação.

Sua família vendeu cerca de 250 acres para a Civil War Preservation Trust, uma organização sem fins lucrativos dedicada a salvar os lugares onde Norte lutou contra o Sul. Por sua vez, a propriedade é transferida para o estado.

"A terra nunca será vendida. Isso é história", disse sua esposa. "Estamos sentados na história."

A Batalha de Bentonville durou três dias, após os quais Johnston cedeu ao exército de Sherman. Ele retirou suas tropas oprimidas e retirou-se para Smithfield.

"A maioria disse que foi um último esforço de Johnston para reunir todos os confederados e tentar impedir Sherman", disse Rose. "Reunir um exército exaurido como aquele contra uma força de logística experiente e bem fornecida como a de Sherman foi uma espécie de último esforço. É por isso que eles foram para Smithfield, Raleigh, Bennett Place e se renderam logo após Lee se render a Grant. "


História

Tive um bom tempo caminhando ao redor do terreno, também o museu foi ótimo. Muito mais história ao redor, cemitérios, a Igreja de Old Bluff, um monte de coisas para ver.

O que é uma área bonita e um museu muito bem fechado. Nós amamos isto! Veio em um dia chuvoso que a maior parte está dentro. A equipe de voluntários é muito experiente e ficará feliz em responder a perguntas.

Museu gratuito com uma grande loja de presentes. A loja oferece um desconto militar de 10%. O campo de batalha está localizado a cerca de 4 milhas da interestadual.

A caminho de Lillington e decidi parar .. ótimas informações e as pessoas eram muito legais. Bom lugar para parar a história.

Passamos um tempo no museu em Averasboro conversando com a equipe. Embora o pessoal fosse voluntário, eles sabiam muito sobre a batalha, bem como sobre a batalha de Bentonville. A coleção do museu era muito boa. Bem, valeu a parada


História e cultura

Pessoas Os homens uniformizados que serviram na Batalha de Gettysburg e os civis cujas vidas foram mudadas para sempre por este terrível evento.

Coleções Uma olhada em alguns dos itens em nossa coleção relacionados à Batalha de Gettysburg.

Pesquisa Os escritórios no Parque Militar Nacional de Gettysburg, onde os registros históricos são mantidos.

A BATALHA DE GETTYSBURG

Lutada nos primeiros três dias de julho de 1863, a Batalha de Gettysburg foi uma das batalhas mais cruciais da Guerra Civil. O destino da nação estava literalmente em jogo naquele verão de 1863, quando o general Robert E. Lee, comandando o & quotExército da Virgínia do Norte & quot, liderou seu exército para o norte, para Maryland e Pensilvânia, levando a guerra diretamente para o território do norte. A União & quotArmy of the Potomac & quot, comandada pelo major-general George Gordon Meade, enfrentou a invasão confederada perto da cidade de Gettysburg, na encruzilhada da Pensilvânia, e o que começou como um encontro casual rapidamente se transformou em uma batalha feroz e desesperada. Apesar dos sucessos iniciais dos confederados, a batalha se voltou contra Lee em 3 de julho e, com poucas opções restantes, ele ordenou que seu exército retornasse à Virgínia. A vitória da União na Batalha de Gettysburg, às vezes chamada de & quot Marca d'água alta da rebelião & quot, resultou não apenas na retirada de Lee para a Virgínia, mas no fim das esperanças de independência dos Estados Confederados da América.

Cirurgia no Camp Letterman.

A batalha trouxe devastação para os residentes de Gettysburg. Cada campo agrícola ou jardim era um cemitério. Igrejas, prédios públicos e até residências particulares eram hospitais cheios de soldados feridos. A equipe médica da União que restou foi forçada a tratar de tantos feridos espalhados pelo condado. Para atender à demanda, o Hospital Geral Camp Letterman foi estabelecido a leste de Gettysburg, para onde todos os feridos foram levados para antes do transporte para hospitais permanentes na Filadélfia, Baltimore e Washington. Cirurgiões sindicais trabalharam com membros da Comissão Sanitária dos EUA e da Comissão Cristã para tratar e cuidar dos mais de 20.000 soldados feridos da União e Confederados que passaram pelas enfermarias do hospital, alojados sob grandes tendas. Em janeiro de 1864, os últimos pacientes haviam partido, assim como os cirurgiões, guardas, enfermeiras, tendas e cozinhas. Apenas um cemitério temporário na encosta permaneceu como um testemunho da batalha corajosa para salvar vidas que ocorreu em Camp Letterman.

O Monumento dos Soldados no centro do Cemitério Nacional dos Soldados em Gettysburg.

Residentes proeminentes de Gettysburg ficaram preocupados com as más condições dos túmulos dos soldados espalhados pelo campo de batalha e em locais de hospitais, e imploraram ao governador da Pensilvânia, Andrew Curtin, o apoio do estado para comprar uma parte do campo de batalha a ser reservada como local de descanso final para o defensores da causa sindical. O advogado de Gettysburg, David Wills, foi nomeado agente do Estado para coordenar o estabelecimento do novo "Cemitério Nacional dos Soldados", projetado pelo famoso arquiteto paisagista William Saunders. A remoção dos mortos da União para o cemitério começou no outono de 1863, mas não seria concluída até muito depois que os terrenos do cemitério foram dedicados em 19 de novembro de 1863. A cerimônia de dedicação contou com o orador Edward Everett e incluiu orações solenes, canções, cânticos para honrar os homens que morreram em Gettysburg. No entanto, foi o presidente Abraham Lincoln quem proferiu as palavras mais notáveis ​​em seu discurso de dois minutos, elogiando os soldados da União enterrados em Gettysburg e lembrando aos presentes de seu sacrifício pela causa da União, que eles deveriam renovar sua devoção "ao causa pela qual eles deram a última medida completa de devoção. "

A entrada do parque em 1900.

Em 1864, um grupo de cidadãos preocupados fundou a Gettysburg Battlefield Memorial Association, cujo objetivo era preservar partes do campo de batalha como um memorial ao Exército da União que lutou aqui. O GBMA transferiu suas propriedades de terras para o governo federal em 1895, que designou Gettysburg como Parque Nacional Militar. Uma comissão de veteranos da Guerra Civil nomeada pelo governo federal supervisionou o desenvolvimento do parque como um memorial para ambos os exércitos, identificando e marcando as linhas de batalha. A administração do parque foi transferida para o Departamento do Interior, National Park Service em 1933, que continua em sua missão de proteger, preservar e interpretar a Batalha de Gettysburg e o Discurso de Gettysburg aos visitantes do parque.

UMA LINHA DO TEMPO DE GUERRA CIVIL - Principais eventos da Guerra Civil de 1861 a 1865.

Finding Your Civil War Ancestor - Nossas sugestões sobre como pesquisar a história de um ancestral que pode ter servido durante a Guerra Civil.

VIAGEM ATRAVÉS DO TERRENO SEMELHANTE - Explore paisagens vibrantes e locais históricos no corredor histórico de Gettysburg, Pensilvânia, a Monticello, Virgínia!


Relíquias incríveis do campo de batalha da Frente Oriental

A Alemanha e a Rússia perderam grande parte de seu território como resultado da Primeira Guerra Mundial, embora a Rússia tenha sofrido mais. A Rússia fez as pazes com a Alemanha em 1918, às custas da Polônia, Lituânia, Estônia, Letônia e Finlândia. Após a guerra, essas terras se tornaram nações independentes. Quando a Alemanha foi derrotada pelos Aliados, foi forçada a dar partes da Prússia à recém-criada República da Polônia.

Depois da guerra, tanto a Alemanha nazista quanto o governo da Rússia queriam suas terras de volta, o que significava destruir a Polônia. Embora os governos fascista alemão e comunista russo se odiassem, eles chegaram a um acordo sobre a Polônia em agosto de 1939. O Pacto Molotov-Ribbentrop, batizado em homenagem aos diplomatas que o negociaram, concordou que nenhum país atacaria o outro por dez anos. Havia também uma cláusula secreta no acordo que dividia a Polônia entre a Rússia e a Alemanha. A Alemanha concordou que a Rússia deveria ficar com todo o território que havia perdido na Primeira Guerra Mundial

Em setembro de 1939, Hitler invadiu a Polônia. Enquanto a Alemanha avançava para a Polônia pelo oeste, a Rússia invadia pelo leste.

Em junho de 1941, a Alemanha quebrou o Pacto Molotov-Ribbentrop e invadiu a Rússia. A luta colossal entre essas duas grandes potências durou até maio de 1945. Foi um dos maiores, mais sangrentos e destrutivos eventos da história. Embora parecesse por um tempo que os russos seriam derrotados, eles acabaram empurrando os alemães para trás, até Berlim.

É de se perguntar se todo esse horror poderia ter sido evitado se os líderes do mundo tivessem prestado atenção às palavras de Adolf Hitler. Ele foi bastante aberto sobre suas intenções. Em 11 de agosto de 1939, ele disse a Carl Burkhardt, um comissário da Liga das Nações & # 8216Tudo o que eu empreendo é dirigido contra os russos. Se o Ocidente for estúpido e cego demais para entender isso, serei compelido a chegar a um acordo com os russos, derrotar o Ocidente e, depois de sua derrota, voltar-me contra a União Soviética com todas as minhas forças. Preciso da Ucrânia para que eles não possam nos matar de fome, como aconteceu na última guerra. & # 8217

Como todos sabemos, a Frente Oriental foi um campo de batalha gigantesco e não é nenhuma surpresa quanto à quantidade de relíquias perdidas e enterradas neste campo de batalha. As imagens abaixo são apenas & # 8216poucos & # 8217 da página do Facebook The Ghosts of the Eastern Front. Sempre há um debate sobre a escavação de campos de batalha e isso continuará para sempre. Se você é um colecionador, pode comprar relíquias no site www.kurlandmilitaria.com

Não há legendas nas imagens, pois achamos que elas não precisam de nenhuma. Uma imagem vale mais que mil palavras & # 8230 & # 8230 & # 8230 ..

As duas potências invadiram e dividiram a Polônia em 1939. Depois que a Finlândia recusou os termos de um pacto soviético de assistência mútua, a União Soviética atacou a Finlândia em 30 de novembro de 1939 no que ficou conhecido como Guerra de Inverno - um conflito amargo que resultou em um tratado de paz em 13 de março de 1940, com a Finlândia mantendo sua independência, mas perdendo partes da Carélia oriental. Em junho de 1940, a União Soviética ocupou e anexou ilegalmente os três Estados Bálticos - uma ação em violação das Convenções de Haia (1899 e 1907) e numerosas convenções bilaterais e tratados assinados entre a União Soviética e o Báltico. As anexações nunca foram reconhecidas pela maioria dos estados ocidentais.

O Pacto Molotov-Ribbentrop ostensivamente forneceu segurança aos soviéticos na ocupação tanto do Báltico quanto das regiões norte e nordeste da Romênia (Bukovina do Norte e Bessarábia), embora Hitler, ao anunciar a invasão da União Soviética, citasse as anexações soviéticas do Báltico e o território romeno por ter violado o entendimento da Alemanha sobre o Pacto. O território romeno anexado foi dividido entre as repúblicas soviéticas da Ucrânia e da Moldávia.

Fim da guerra: abril a maio de 1945

Tudo o que restou aos soviéticos foi lançar uma ofensiva para capturar a Alemanha central (que eventualmente se tornaria a Alemanha Oriental após a guerra). A ofensiva soviética tinha dois objetivos. Por causa das suspeitas de Stalin & # 8217 sobre as intenções dos Aliados ocidentais de entregar o território ocupado por eles na zona de ocupação soviética do pós-guerra, a ofensiva deveria ser em uma frente ampla e mover-se o mais rápido possível para o oeste , para encontrar os Aliados Ocidentais o mais a oeste possível. Mas o objetivo principal era capturar Berlim. Os dois eram complementares porque a posse da zona não poderia ser conquistada rapidamente a menos que Berlim fosse tomada. Outra consideração era que a própria Berlim possuía ativos estratégicos, incluindo Adolf Hitler e parte do programa da bomba atômica alemão.

A ofensiva para capturar o centro da Alemanha e Berlim começou em 16 de abril com um ataque às linhas de frente alemãs nos rios Oder e Neisse. Após vários dias de combates intensos, o 1BF e o 1UF soviéticos abriram buracos na linha de frente alemã e se espalharam pelo centro da Alemanha. Em 24 de abril, elementos do 1BF e 1UF concluíram o cerco da capital alemã e a Batalha de Berlim entrou em seus estágios finais. Em 25 de abril, o 2BF rompeu a linha do 3º Exército Panzer alemão & # 8217s ao sul de Stettin. Eles agora estavam livres para mover-se para o oeste em direção ao Grupo de Exércitos do 21º Exército Britânico e para o norte em direção ao porto báltico de Stralsund. A 58ª Divisão de Rifles de Guardas do 5º Exército de Guardas fez contato com a 69ª Divisão de Infantaria do Primeiro Exército dos EUA perto de Torgau, Alemanha, no rio Elba.

Em 29 e 30 de abril, enquanto as forças soviéticas abriam caminho para o centro de Berlim, Adolf Hitler casou-se com Eva Braun e depois cometeu suicídio tomando cianeto e atirando em si mesmo. Helmuth Weidling, comandante da defesa de Berlim, entregou a cidade aos soviéticos em 2 de maio. Ao todo, a operação de Berlim (16 de abril a 2 de maio) custou ao Exército Vermelho 361.367 vítimas (mortos, feridos, desaparecidos e doentes) e 1.997 tanques e armas de assalto. As perdas alemãs neste período da guerra permanecem impossíveis de determinar com qualquer confiabilidade.


Averasboro

Em meados de março de 1865, o major-general William T. Sherman moveu seu exército para a Carolina do Norte em busca dos confederados do general Joseph E. Johnston. Desde que virou para o norte de sua marcha para o mar, Sherman encontrou pouca resistência dos confederados enquanto se movia para impedir o exército de Johnston de se juntar ao exército de Robert E. Lee na Virgínia. As duas alas do exército de Sherman viajaram para o norte em rotas paralelas, a esquerda em direção à capital do estado em Raleigh e a direita em direção ao entroncamento rodoviário em Goldsboro.

Na tarde de 15 de março, a tela de cavalaria de Sherman sob o Brig. O general Judson Kilpatrick enfrentou o tenente. Corpo do general William Hardee, consistindo do Brig. Gen. William B. Taliaferro e Mag. Divisões de infantaria do general Lafayette McLaw e cavalaria do major general Joseph Wheeler. The Confederates were deployed across the Raleigh Road near Averasboro, 40 miles south of Raleigh. Hardee was the pre-war Commandant of Cadets at West Point and author of "Rifle and Light Infantry Tactics," the definitive combat manual carried by soldiers in both armies. His orders were to delay Sherman’s 25,000-man left wing under Maj. Gen. Henry W. Slocum so that Johnston could consolidate his remaining forces to defend the road networks connecting Raleigh and Goldsboro. Hardee posted his 6,000-man corps in a well-chosen position astride the road, with the Cape Fear River anchoring his right flank and the Black River swamps to the east anchoring his left.

After feeling out the Confederate defenses, Kilpatrick withdrew and called for infantry support. During the night, two divisions of the XX Corps under Brig. Gen. Alpheus S. Williams from Slocum's wing arrived to confront Hardee’s men arrayed across the plantation of the John C. Smith family. At dawn on March 16, Williams’ infantry advanced against McLaws’ division on the Confederate left and drove back the rebel skirmishers, but was stopped by the main Confederate line and a sharp counterattack. Around mid-morning, Williams renewed his advance with reinforcements on his left and drove Taliaferro’s Confederates from two lines of works, but was repulsed at a third line of defenders. Late that afternoon, two divisions from the Union XIV Corps under Maj. Gen. Jefferson C. Davis, also from Slocum’s army wing, arrived on the field and attempted to flank the Confederate right where they were stopped with significant casualties by Wheeler's dismounted cavalry. Sporadic fighting continued into the evening with little result. Around 8:30 pm, Hardee withdrew from the battlefield and retreated north toward Smithfield, leaving his campfires burning to conceal his departure.

Despite being outnumbered nearly four to one, Hardee’s one-day delay of Sherman’s force was successful. Losses for both sides were about even. Hardee bought time for Johnston to consolidate his army near Bentonville where both sides would fight again three days later.


Averasboro Battlefield - History

On March 15th the left wing of General Sherman’s Union army, commanded by General H. W. Slocum, was advancing from Fayetteville to Averasboro. General H. J. Kilpatrick’s cavalry division was in the lead, skirmishing with General Joseph Wheeler’s Confederate cavalry which contested the Union advance. (See also Battle of Averasboro: A History .)

At 3:00 P.M. the Union forces struck a heavy Confederate skirmish line. General Smith Atkins’ 9th Michigan cavalry drove the skirmishers back into the first of three lines of breastworks erected across the road. The Union cavalry then constructed heavy barricades in front of the Confederate works.

At 6:00 P.M. Confederate General W. B. Taliaferro, whose division was holding position, ordered an attack along his line. The Union forces, though hard-pressed, were able to hold their position due to the arrival of reinforcements from the 14th Corps. Nightfall found the two armies in nearly the same positions they had held throughout the afternoon. General W. T. Sherman, Union commander, arrived on the field during the night.

At 11:00 A.M. two newly-arrived Union brigades engaged the Confederates in front, while the brigade of Colonel Henry Case assaulted the Confederate right flank. This attack forced the Confederates to withdraw into their second line of works.

Civil War Battle of Averasboro

(Marcador histórico)

General W. B. Taliaferro decided to abandon the Confederate second position after finding his men in danger of being flanked. At 1:00 P.M. he withdrew to the third and final line of earthworks, where he was assisted by McLaw’s division on his left and Wheeler’s dismounted cavalry on his right. Rhett’s disorganized brigade was held in general reserve.

The Union forces soon advanced and established a strong line immediately in front of the Confederate third line. From this new position they pressed the Confederates all afternoon and part of the evening, but were unable to break the line. At 8:00 P.M. General W. J. Hardee, commanding the Confederate forces at Averasboro, having accomplished his objectives, began withdrawing his corps along the Smithfield road. Wheeler’s cavalry was left behind to cover the retreat. By 4:00 A.M. on March 17th, all Confederate units had been withdrawn leaving the Union forces in control.

John Smith House at Oak Grove (present-day)

Present-day John Smith House at Oak Grove

Recommended Reading : NO SUCH ARMY SINCE THE DAYS OF JULIUS CAESAR: Sherman 's Carolinas Campaign from Fayetteville to Averasboro (Discovering Civil War America ). Description: General William T. Sherman's 1865 Carolinas Campaign receives scant attention from most Civil War historians, largely because it was overshadowed by the Army of Northern Virginia's final campaign against the Army of the Potomac . However, a careful examination of this campaign indicates that few armies in all of military history accomplished more under more adverse conditions than did Sherman 's. Continua abaixo & # 8230

Mark A. Smith and Wade Sokolosky, both career military officers, lend their professional eye to the critical but often overlooked run-up to the seminal Battle of Bentonville, covering March 11-16, 1865. Beginning with the capture of Fayetteville and the demolition of its Arsenal, Smith and Sokolosky chronicle the Battle of Averasboro in greater detail than ever tackled before in this, the third volume of Ironclad's "The Discovering Civil War America Series." In the two-day fight at Averasboro, Lt. Gen. William J. Hardee's Corps conducted a brilliantly planned and well-executed defense in depth that held Sherman 's juggernaut in check for two full days. Having accomplished his objective, Hardee then broke off and disengaged. This delay permitted General Joseph E. Johnston to concentrate his forces in preparation for what became the Battle of Bentonville. The book includes new maps, abundant illustrations, and a detailed driving and walking tour for dedicated battlefield stompers.

Recommended Reading : On Sherman 's Trail: The Civil War's North Carolina Climax. Description: Join journalist and historian Jim Wise as he follows Sherman 's last march through the Tar Heel State from Wilson 's Store to the surrender at Bennett Place . Retrace the steps of the soldiers at Averasboro and Bentonville. Learn about what the civilians faced as the Northern army approached and view the modern landscape through their eyes. Whether you are on the road or in a comfortable armchair, you will enjoy this memorable, well-researched account of General Sherman's North Carolina campaign and the brave men and women who stood in his path.

Recommended Reading : Sherman 's March Through the Carolinas . Description: In retrospect, General William Tecumseh Sherman considered his march through the Carolinas the greatest of his military feats, greater even than the Georgia campaign. When he set out northward from Savannah with 60,000 veteran soldiers in January 1865, he was more convinced than ever that the bold application of his ideas of total war could speedily end the conflict. Continua abaixo & # 8230

John Barrett's story of what happened in the three months that followed is based on printed memoirs and documentary records of those who fought and of the civilians who lived in the path of Sherman 's onslaught. The burning of Columbia, the battle of Bentonville, and Joseph E. Johnston's surrender nine days after Appomattox are at the center of the story, but Barrett also focuses on other aspects of the campaign, such as the undisciplined pillaging of the 'bummers,' and on its effects on local populations. About the Author: John G. Barrett is professor emeritus of history at the Virginia Military Institute. He is author of several books, including The Civil War in North Carolina , and coeditor of North Carolina Civil War Documentary.

Recommended Reading : The Battle Of Bentonville: Last Stand In The Carolinas , by Mark L. Bradley (Hardcover). Description: Mark L. Bradley's book could not have come at a more proper time. The terrible fighting that took place in the fields of North Carolina in March of 1865 has been long forgotten thankfully, Mr. Bradley has reminded us of the sacrifices that our ancestors endured on that sacred ground. Bentonville is a stirring reminder of the American spirit. something that was exhibited on both sides of the lines during those fateful three days in March. Mr. Bradley has written a stirring tribute to the two armies that fought in this last great battle that pitted the forces of "Uncle Billy" Sherman , against his old nemesis "Old Joe" Johnston . Continua abaixo & # 8230

Mr. Bradley has written an outstanding account of the soldiers who fought this landmark battle in the waning days of the war, and he has given us a thorough look at what was going on in the minds of the Generals who led their soldiers to the killing fields of Bentonville. Bradley has also included an outstanding photo collection of the battlefield as it appears today, something that is rarely added to most of the narratives on Civil War battles. These photos give us an understanding of the terrain that each man, Union or Confederate, faced on those days in March 1865. I heartily recommend this narrative to all students of the Civil War. The Battle of Bentonville has been neglected too long. Thankfully, Mr. Bradley has corrected that mistake, and he has provided us buffs with a truly compelling story. Special appreciation is due to Mark A. Moore. Mr. Moore's maps of the campaign are outstanding, and they help the reader understand and comprehend the many troop movements of this last major battle of the Civil War in the Eastern Theater.

Recommended Reading : Sherman 's March: The First Full-Length Narrative of General William T. Sherman's Devastating March through Georgia and the Carolinas . Description: Sherman 's March is the vivid narrative of General William T. Sherman's devastating sweep through Georgia and the Carolinas in the closing days of the Civil War. Weaving together hundreds of eyewitness stories, Burke Davis graphically brings to life the dramatic experiences of the 65,000 Federal troops who plundered their way through the South and those of the anguished -- and often defiant -- Confederate women and men who sought to protect themselves and their family treasures, usually in vain. Dominating these events is the general himself -- "Uncle Billy" to his troops, the devil incarnate to the Southerners he encountered.


Averasboro Battlefield & Museum

Under his most recent executive order, Governor Roy Cooper has lifted all capacity limits, social distancing requirements and most mask mandates for the entire state. However, the North Carolina Department of Health and Human Services recommends that people still wear a mask if they are in a large crowd or not vaccinated.

If traveling, individuals are encouraged to check with local tourism organizations to determine if any limitations are still in place (e.g., visitor center closures), and to contact lodging establishments directly for their most up-to-date information.

More information about local restaurant resources specific to North Carolina destinations can be found via their local tourism organization, which can be found here. Visit Count On Me NC to see a list of businesses – restaurants, lodging, attractions and others – that have completed the Count On Me NC training, as these businesses are making a concerted effort to help keep everyone safe and healthy. As a guest, you can take your own pledge, too, to show you're doing your part.

In March 1865, the Battle of Averasboro was the first deliberate, tactical resistance to the infamous march of Federal forces through the Carolinas and Georgia. Come experience history through our displays of artifacts, facts, maps and much more. Explore the grounds to learn more about what took place on this hallowed ground.
Outside, historic markers outline the events of March 1865 military action, the prelude to Bentonville. The museum outlines the conflict and contains artifacts from the battle found on the battlefield.

Annual living history events and reenactments are held here, too, so please check our website for upcoming events.


William T. Smith House

ARCHITECTURAL DREAM STEEPED IN HISTORY! Stately 1835 Federal house with exquisite woodwork once served as a Civil War field hospital. Rural two-acre setting belies its close proximity to Fayetteville, Research Triangle, and RDU International Airport in the 5th most populated county in North Carolina.

Virtual Tour available here.

The William T. Smith House is one of three Smith family plantations that all served as field hospitals during the 1865 Battle of Averasboro. The substantial 4,000+ square foot house features numerous high-style architectural elements. The exquisite woodwork throughout is an architectural lover’s dream. The house requires complete rehabilitation, but qualifies for historic preservation tax credits. Excellent location minutes from I-95 provides the best of rural living with city amenities close-by. Nearby access to the Cape Fear River Trail offers exceptional water-related outdoor activities.






Chimney which collapsed Prior to chimney collapse Prior to chimney collapse Prior to chimney collapse

Architectural and Historical Information

In a rural pocket at the Cumberland-Harnett county line once known as Smithville, three Smith family plantations still remain: Oak Grove (1789) in the center Lebanon (1824) to the north and the William T. Smith House (1835) to the south. The Battle of Averasboro occurred in this community of Smithville, a strategic location because of its setting between the Cape Fear River and the Black River. All three houses were used as field hospitals during the battle. This impressive house was built for William Turner Smith (1810-1855) and his wife Mary Campbell Smith (1814-1886) around 1835 shortly after their marriage.

Extensive archaeological studies have revealed the rich architectural history of this elegant home. The floor plan retains its Federal two-over-two-room hall-and-parlor plan. The interior is a feast for your eyes with its exquisite woodwork including Federal and Greek Revival mantels, extensive paneled wainscot with crotch mahogany faux finish, winder stair with Chinese Chippendale railing, paneled doors with original hardware, bold door and window moldings, and antique built-in cabinets. They just don’t build them like this anymore!

On the exterior, the two-story, single-pile frame house with a side-gable asphalt shingle roof is flanked by two large Flemish bond chimneys with diamond-pattern brickwork. The east chimney sadly collapsed in September 2018 as a result of Hurricane Florence but photos could be utilized to reconstruct it. A two-story pedimented portico dominates the front façade and is accented by a decorative sheaf-of-wheat balustrade. The striking first floor entrance is marked by the unusual two-door configuration, each door capped with a wide two-light transom. A wide fluted pilaster door surround adorns the entrance. The central entrance on the second floor is flanked by sidelights and a transom. Fluted pilasters on either side further accent the porch bay. A substantial Greek Revival two-story wing with a two-story side porch was added to the rear just prior to Smith’s death in 1855.

RENOVATION WORK NEEDED

Though it retains its historic form and much of its excellent early woodwork, the William T. Smith House has undergone some alterations including the installation of replacement windows (the original windows were 9-over-9 sash), a bathroom addition that covers the west end chimney, and enclosure of the two-story rear wing porch.

Some structural work has been performed including restoration of siding, and construction of 22 additional foundation piers. The house requires complete rehabilitation including some remaining foundation repairs, restoration of key architectural features and form, installation of mechanical systems, bathrooms, and a kitchen, and restoration of the front porch. Located just inside the southern boundary of the Averasboro Battlefield Historic District, it qualifies for historic preservation tax credits.

Area Information

Located in Cumberland County in the town of Averasboro, the historic town’s landscape retains its rural character: vast fields give way to thick forests, shallow and deep ravines, and meandering creeks. And yet, its close proximity to nearby Campbell University and the City of Fayetteville provides plenty of city amenities. Just minutes from I-95, it is an hour’s drive to the Research Triangle area and RDU Airport.

Close to the Cape Fear River, nearby access to the Cape Fear River Trail offers exceptional water-related outdoor activities. Also located within a few miles of the William T. Smith House are the other two restored Smith family plantations (privately owned), a Civil War museum and cemetery, and several monuments. Legend has it that this former port town might have become the capital of North Carolina, with the measure failing by just one vote.


Averasboro Battlefield - History

Battle of Averasborough

Other Names: Averasboro, Taylor’s Hole Creek, Smithville, Smiths Ferry, Black River

Location: Harnett County and Cumberland County

Principal Commanders: Maj. Gen. Henry Slocum [US] Lt. Gen. William Hardee [CS]

Forces Engaged: XX Corps and XIV Corps (25,992) [US] Hardee’s Corps (5,400) [CS]

Estimated Casualties: 1,419 total

Averasborough Historical Marker

(The Battle of Averasboro)

Summary: On the afternoon of March 15, Judson Kilpatrick’s cavalry came up against Lt. Gen. William Hardee’s corps—consisting of Taliaferro’s and McLaw’s infantry divisions and Wheeler’s dismounted cavalry—deployed across the Raleigh Road near Smithville. After feeling out the Confederate defenses, Kilpatrick withdrew and called for infantry support. During the night, four divisions of the XX Corps arrived to confront the Confederates. At dawn, March 16, the Federals advanced on a division front, driving back skirmishers, but they were stopped by the main Confederate line and a counterattack. Mid-morning, the Federals renewed their advance with strong reinforcements and drove the Confederates from two lines of wor ks, but were repulsed at a third line. Late afternoon, the Union XIV Corps began to arrive on the field but was unable to deploy before dark due to the swampy ground. Hardee retreated during the night after holding up the Union advance for nearly two days. (See: Battle of Averasboro: A History and Battle of Averasborough: Chronology .)

Battle of Averasborough Map

Civil War Battle of Averasboro Map

Sources: National Park Service Official Records of the Union and Confederate Armies.

Recommended Reading : On Sherman 's Trail: The Civil War's North Carolina Climax. Description: Join journalist and historian Jim Wise as he follows Sherman 's last march through the Tar Heel State from Wilson 's Store to the surrender at Bennett Place . Retrace the steps of the soldiers at Averasboro and Bentonville. Learn about what the civilians faced as the Northern army approached and view the modern landscape through their eyes. Whether you are on the road or in a comfortable armchair, you will enjoy this memorable, well-researched account of General Sherman's North Carolina campaign and the brave men and women who stood in his path.

Recommended Reading : NO SUCH ARMY SINCE THE DAYS OF JULIUS CAESAR: Sherman 's Carolinas Campaign from Fayetteville to Averasboro (Discovering Civil War America ). Description: General William T. Sherman's 1865 Carolinas Campaign receives scant attention from most Civil War historians, largely because it was overshadowed by the Army of Northern Virginia's final campaign against the Army of the Potomac . However, a careful examination of this campaign indicates that few armies in all of military history accomplished more under more adverse conditions than did Sherman 's. Continua abaixo & # 8230

Mark A. Smith and Wade Sokolosky, both career military officers, lend their professional eye to the critical but often overlooked run-up to the seminal Battle of Bentonville, covering March 11-16, 1865. Beginning with the capture of Fayetteville and the demolition of its Arsenal, Smith and Sokolosky chronicle the Battle of Averasboro in greater detail than ever tackled before in this, the third volume of Ironclad's, "The Discovering Civil War America Series." In the two-day fight at Averasboro, Lt. Gen. William J. Hardee's Corps conducted a brilliantly planned and well-executed defense in depth that held Sherman 's juggernaut in check for two full days. Having accomplished his objective, Hardee then broke off and disengaged. This delay permitted General Joseph E. Johnston to concentrate his forces in preparation for what became the Battle of Bentonville. The book includes new maps, abundant illustrations, and a detailed driving and walking tour for dedicated battlefield stompers.

Recommended Reading : Sherman 's March Through the Carolinas . Description: In retrospect, General William Tecumseh Sherman considered his march through the Carolinas the greatest of his military feats, greater even than the Georgia campaign. When he set out northward from Savannah with 60,000 veteran soldiers in January 1865, he was more convinced than ever that the bold application of his ideas of total war could speedily end the conflict. Continua abaixo & # 8230

John Barrett's story of what happened in the three months that followed is based on printed memoirs and documentary records of those who fought and of the civilians who lived in the path of Sherman 's onslaught. The burning of Columbia, the battle of Bentonville, and Joseph E. Johnston's surrender nine days after Appomattox are at the center of the story, but Barrett also focuses on other aspects of the campaign, such as the undisciplined pillaging of the 'bummers,' and on its effects on local populations. About the Author: John G. Barrett is professor emeritus of history at the Virginia Military Institute. He is author of several books, including The Civil War in North Carolina , and coeditor of North Carolina Civil War Documentary.

Recommended Reading : Sherman 's March: The First Full-Length Narrative of General William T. Sherman's Devastating March through Georgia and the Carolinas . Description: Sherman 's March is the vivid narrative of General William T. Sherman's devastating sweep through Georgia and the Carolinas in the closing days of the Civil War. Weaving together hundreds of eyewitness stories, Burke Davis graphically brings to life the dramatic experiences of the 65,000 Federal troops who plundered their way through the South and those of the anguished -- and often defiant -- Confederate women and men who sought to protect themselves and their family treasures, usually in vain. Dominating these events is the general himself -- "Uncle Billy" to his troops, the devil incarnate to the Southerners he encountered.

Recommended Reading : Southern Storm: Sherman 's March to the Sea , by Noah Andre Trudeau (Hardcover). From Publishers Weekly: Starred Review. Trudeau, a prize-winning Civil War historian ( Gettysburg ), addresses William T. Sherman's march to the sea in the autumn of 1864. Sherman 's inclusion of civilian and commercial property on the list of military objectives was not a harbinger of total war, says Trudeau. Rather, its purpose was to demonstrate to the Confederacy that there was no place in the South safe from Union troops. Continua abaixo & # 8230


Assista o vídeo: Battle of Averasboro: North Carolina Civil War Tour!