Castelo de Hammershus

Castelo de Hammershus

O Castelo de Hammershus ou Hammershus Slot era um imponente castelo e fortaleza, cujas ruínas se encontram na ilha de Bornholm, na Dinamarca.

A mais antiga das ruínas do Castelo de Hammershus data do século XIII e acredita-se que tenha sido construída sob a responsabilidade do Arcebispo de Lund. Hoje é a maior ruína desse tipo no norte da Europa.

Uma importante fortaleza ao longo da história medieval de Bornholm, no século XVII, o Castelo de Hammershus serviu como prisão. Especificamente, foi onde Leonora Christine, filha do rei Christian IV, foi presa por traição com seu marido Corfitz Ulfeldt em 1660.

No final do século XVIII e no início do século XIX, a estrutura do Castelo de Hammershus foi erodida por pessoas que o exploravam como materiais de construção.

Hoje, o Castelo de Hammershus é uma atração turística popular e os visitantes podem ver seus muitos quartos e características preservadas. À noite, é iluminado por um show de luzes.

Hammershus também figura como uma de nossas 10 principais atrações Vistor na Dinamarca.


Centro de Visitantes Hammershus

Você imediatamente reconhece a importância da ruína de casta mais bem preservada do Norte da Europa como uma importante instalação de defesa há muitos anos e, hoje, como a atração mais importante da ilha e um marco que é muito querido por muitos dos residentes de Bornholm.

Com o novo centro de visitantes, este importante edifício histórico ganhou uma posição ainda mais forte na ilha e nos corações das pessoas, uma vez que o centro de visitantes apresenta a grande ruína histórica da casta. Como uma parte natural da falésia, o centro de visitantes é colocado como um edifício discreto, onde o caminho à frente em direção à ruína termina no telhado do centro de visitantes. Se você decidir descer ao longo da encosta do penhasco e entrar no centro de visitantes, a história é recontada com uma vista panorâmica da ruína. Como visitante, você experimenta uma forte sensação de paisagem, ruínas do castelo e arquitetura que se fundem.

No interior, pisos de concreto bruto são distribuídos por todo o edifício e são complementados por tectos quentes e caixilharia de madeira. Aqui, você vê a lã macia das ovelhas na paisagem circundante na arte da cortina integrada da dupla de artistas AVPD. A cortina plissada funciona como uma divisória de redução de ruído ao lado das instalações da escola. Na exposição permanente, você pode aprender mais sobre as ruínas do castelo enquanto os visitantes podem comprar livros relevantes na loja ou desfrutar de comidas e bebidas locais no café, que também oferece uma vista das ruínas do castelo.

Do centro de visitantes, o caminho continua por uma ponte que, apoiada em estacas delgadas, leva os visitantes ao longo do desfiladeiro que separa o centro do castelo. Da ruína do castelo, você pode olhar para trás, para o centro de visitantes, que se funde na paisagem com uma calma e elegância suaves.


Conteúdo

Hammershus foi a maior fortificação medieval da Escandinávia e é uma das maiores fortificações medievais do norte da Europa. [3] Ele está situado no Mar Báltico, 74 metros (243 pés) acima do nível do mar. A fortificação foi erguida no século 13 e consiste na residência base do castelo e apresenta uma grande torre chamada torre da lareira. A Fortaleza de Hammershus apresenta uma parede perimetral de 750 metros de comprimento (2.460 pés) ao redor do terreno do castelo. [1]

Durante uma série de lutas sucessivas entre os reis da Dinamarca e o arcebispado, a fortaleza serviu de refúgio para os arcebispos, incluindo o bispo Jens Grand. Foi conquistado pelo exército do rei em várias ocasiões, por ex. 1259, 1265, 1319 e 1325. Em 1521, foi tomada pelo rei Christian II, que a usou para prender o bispo Jens Andersen Beldenak de Funen. A fortaleza foi conquistada pelas forças de Lübeck no mesmo ano. [4] [5]

Em 1658, Hammershus foi ocupada pelas forças suecas, mas uma rebelião na ilha pôs fim ao domínio sueco. Os rebeldes, liderados por Jens Pedersen Kofoed, atiraram no comandante sueco Johan Printzenskiöld, e os camponeses dinamarqueses viajaram para Copenhague para devolver a ilha ao rei da Dinamarca. Corfitz Ulfeldt e sua esposa Leonora Christina foram presos em Hammershus 1660–1661. Em 1743 Hammershus foi abandonado como uma fortaleza. Os restos mortais foram preservados em 1822. Desde os principais trabalhos de escavação e restauração no final de 1800, tem havido uma manutenção contínua das ruínas. [6] [7] [8]

Os visitantes de Hammershus têm vista para o litoral e o mar ao redor de Bornholm. Ao sul do castelo há um vale profundo, cavidades cheias de água e uma floresta densa. Existem vários pontos antes de chegar ao castelo, onde os inimigos podem ser interrompidos. O castelo foi construído com quartos em forma de caixa rodeados por anéis de fortificações. Cada um forneceu uma camada adicional de proteção contra invasores. Duas lagoas de nascentes naturais forneciam água potável na lateral do castelo.

Por causa da luz incomum em Bornholm, e porque tem apenas quatro horas de escuridão no verão, muitos dos primeiros artistas da Dinamarca escolheram pintar vistas de Hammerhus. Uma das mais notáveis ​​é a de Anton Eduard Kieldrup de 1848, que está em exibição no Museu de Arte de Bornholm. [9]


História Hammershus

1149 gav den danske konge det meste af BornhOlm to ærkebispen af ​​Lund. Middelalderens kirke var en stærk politisk magt e rådede sobre store landområder. På Bornholm blev Hammershus ærkebispens faste borg og kom dermed i begivenhedernes centrum.

Primeira gangue, homem morador de Hammershus, é 1260 & # 8217erne. Da anklagede kongen ærkebisp J.akob Erlandsen para uretmæssigt em have opført borgen. Jakob Erlandsen forsvarede sig med, em han kun havde udbygget em ældre borg. I de følgende & # 8220100 år blev Hammershus gentagne gange erobret af kongen, som dog hver gang måtte give borgen tilbage. I 1361 overlod

Valdemar Atterdag Hammershus til ærkebispesædet på den betingelse, em kongemagten kunne kræve borgen, tilbage.
Christian II krævede e fik Hammershus em 1522. Kort efter blev Bornholm encontrou o kampen on magten i Østersøen. En af de stærke magter her var byen Lybeck, og i 1526 fik lybeckerne Hammershus som len af ​​den danske konge.

1571 måtte de atter forlade Bornholm. Sob svenskekrigene i 1600-årene kom Hammershus igen i brændpunktet. Svenske besættelser e erobringer vekslede med tilbagegivelse to den danske konge.

1660 blev forholdene afklaret. Bornholm var dansk, og der lå en dansk garnison på Hammershus indtil 1743.

Hammershus var allerede forfaldent, da garnisonen blev flyttet il 743, men derefter kom borgen to at henligge som et gigantisk stenbrud. 11822 indstillede »Den kongelige Commission for Oldsagers Opbevaring«, em ruinen blev fredlyst som nationalt mindesmærke, og dette blev tiltrådt ved kongelig resolusion. Hammershus er Nordeuropas største borgruin. Som borgen ser ud i dag, er den et resultat af århundrederstilbygninger, ombygninger, nedrininger og endelig forfald.

Tiden omkring midten af ​​1500 tallet var borgens velmagtsdage. Dengang var borgen et vidtstrakt kompleks, med en Centralborg omgivet af en ringmur e med tre Forborge. Inden for murene fandtes en mængde bygninger med forskellige funktioner. Der var magasiner, stalde, værksteder, køkkener, bryggeri og bageri, kirke og boliger para soldater, tjenestefolk og herskab. Tilsammen udgjorde dette en selvforsynende enhed.


Referências

  • Guia turístico de Bornholm visitas pessoais do autor a Hammershus e ao "Kunstmuseum".
  • Este artigo é parcialmente baseado nos artigos correspondentes nas WorldHeritages sueco e alemão, acessados ​​em 20 de julho de 2006.

  • Aakirkeby
  • Aarsdale
  • Allinge-Sandvig
  • Balka
  • Gudhjem
  • Hasle
  • Klemensker
  • Listados
  • Lobbæk
  • Nexø
  • Nyker
  • Østerlars
  • Østermarie
  • Pedersker
  • Rønne(assento)
  • Snogebæk
  • Sorthat-Muleby
  • Svaneke
  • Tejn
  • Vestermarie
  • Igreja Aa
  • Allinge Church
  • St Bodil's
  • Igreja de Christiansø
  • São Clemente
  • Igreja Gudhjem
  • Igreja Hasle
  • St Ib's
  • St. Knud's
  • Igreja Nexø
  • São Nicolau
  • Igreja Nyker
  • Igreja Nylars
  • Igreja Østerlars
  • Igreja Østermarie
  • St. Ol's
  • Igreja Tejn
  • São Pedro
  • Igreja Rø
  • Ruth's
  • Igreja Svaneke
  • Igreja Vestermarie
  • Almindingen
  • Døndalen
  • Dueodde
  • Ertholmene (Christiansø)
  • Ekkodalen
  • Gryet (megálitos)
  • Hammeren
  • Hammerknuden (rocha redonda)
  • Hammersø
  • Helligdomsklipperne
  • Jons Kapel
  • Louisenlund (megálitos)
  • Paradisbakkerne
  • Rispebjerg (sepulturas da idade da pedra)
  • Rytterknægten
  • Artigos que precisam de referências adicionais de novembro de 2008
  • Todos os artigos que precisam de referências adicionais
  • Todos os artigos com declarações sem fontes
  • Artigos com declarações sem fontes de julho de 2014
  • Artigos com declarações sem fontes de junho de 2014
  • Categoria Commons sem um link no Wikidata
  • Coordenadas que não estão no Wikidata
  • Edifícios e estruturas concluídas no século 13
  • Ruínas na Dinamarca
  • Castelos em ruínas na Dinamarca
  • Antigos castelos na Dinamarca
  • Fortes na Dinamarca
  • Edifícios e estruturas em Bornholm
  • Atrações turísticas na Região da Capital da Dinamarca
Ajude a melhorar este artigo

Copyright e cópia da World Library Foundation. Todos os direitos reservados. eBooks do Project Gutenberg são patrocinados pela World Library Foundation,
uma organização sem fins lucrativos de apoio ao membro 501c (4) e NÃO é afiliada a nenhuma agência ou departamento governamental.


Pesquisadores estão tentando resolver um mistério de castelo dinamarquês

Hammershus, situado nas falésias do noroeste de Bornholm, no Báltico, é talvez a ruína mais conhecida da Dinamarca e do rsquos. Ele foi escavado e reformado no final de 1800 até 1940, mas o castelo em ruínas ainda está envolto em um mistério significativo para a história da Dinamarca: quem realmente construiu Hammershus e por quê?

Por esse motivo, foi crucial datar a estrutura de quase mil anos, algo que os arqueólogos esperam poder fazer agora, enquanto as ruínas são colocadas para receber sua primeira escavação arqueológica adequada.

"Sabemos que as partes de Hammershus que conhecemos datam da Idade Média, mas a questão candente é precisamente quando", diz Nils Engberg, arqueólogo do Museu Nacional da Dinamarca e líder da escavação. & ldquoExatamente quando foi construído é de grande importância para o papel e significado que o castelo teve, por isso é incrivelmente emocionante descobrir o que os estudos revelarão. & rdquo

A lenda pode ser mais precisa do que os antigos arqueólogos

De acordo com a lenda do agente, Hammershus foi construído por Valdemar, o Grande, em 1159.

A teoria sustentada por pesquisadores por muitos anos, no entanto, era que o castelo foi construído em 1260 pelo arcebispo local Jakob Erlandsen.
De acordo com essa teoria, o arcebispo construiu a fortaleza porque seu antigo castelo, Lilleborg, foi conquistado e incendiado pelo conde Wend Jaromar de R & uumlgen em 1259. Hammershus foi então construído para proteger os interesses do arcebispo & rsquos em Bornholm.

Mas essa teoria foi posta de lado na década de 1990 por outra teoria: que Hammershus foi construído no início do século 13 em uma aliança entre o rei Valdemar Sejr e o arcebispo Anders Sunesen como parte de sua cruzada conjunta contra os Wends.

O líder da escavação, Engberg, diz, no entanto, que a escavação arqueológica em Hammershus poderia muito bem sustentar a antiga lenda.

& ldquoMas talvez Hammershus tenha sido construído já no início do período Valdemar (1157-1241), quando as cruzadas começaram sob a liderança de Valdemar, o Grande, e do Arcebispo Absalon. O que significa que simplesmente devem ter sido os reis que tomaram a iniciativa de construir a fortaleza ”, diz Engberg.

Ele espera que eles encontrem fragmentos das velhas vigas de carvalho sob Hammershus. O carvalho é um dos melhores materiais quando se trata de datação por radiocarbono. Se isso não for bem-sucedido, os pesquisadores terão que juntar as peças de uma imagem usando moedas antigas e fragmentos de panela ou similares.

Por que o namoro tem que ser feito sob a terra

Segundo Engberg, é necessário fazer uma escavação propriamente dita porque é muito difícil datar uma construção simplesmente olhando suas paredes.

& ldquoMas você pode pegar amostras da argamassa mais antiga e tentar datar as partículas de carbono na argamassa. No entanto, esse método ainda não foi totalmente desenvolvido e ainda é muito incerto & rdquo, diz Engberg.

Os pesquisadores também não podem usar o conhecimento obtido do castelo no século 19 como base para datação.

A explicação para isso está na forma como as ruínas do castelo foram escavadas naquela época.

Quando eles começaram a escavar as ruínas no final do século 19, a abordagem era mais para arrumar do que escavar: eles simplesmente cavaram, coletando tudo o que encontraram, Engberg explica:

& ldquoNum contexto arqueológico, chegamos a uma data com base nos objetos que encontramos e em todos os tipos de coisas encontradas em Hammershus - chaves, moedas, cantis. As moedas geralmente são úteis quando se trata de datação, mas neste caso a propagação foi a partir do século 13 em diante. Os objetos vieram do castelo durante toda a vida, então essa miscelânea não revelou quando o castelo foi construído, ”ele diz, acrescentando que a nova escavação será totalmente diferente e sistemática.

Entre outras coisas, os pesquisadores removerão camadas de cinco centímetros de cada vez para acompanhar a cronologia e o que encontram, para que possam comparar os objetos encontrados na mesma camada. Nossos antepassados ​​também usavam potes antigos da vovó e rsquos, assim como fazemos hoje.

Se os pesquisadores pretendem formar algum tipo de imagem para datação, eles precisam manter o controle sobre a camada em que os restos são encontrados.

A lenda antiga pode conter um pouco de verdade

Engberg não tem dúvidas sobre o que ele espera que o resultado seja:

& ldquoAcredito que Hammershus foi construído no século 12 ou início do século 13 por um dos Valdemars como uma instalação real onde a frota expedicionária se reunia, os cruzados se reuniam antes de seguir para a Estônia, onde, segundo a lenda, a bandeira padrão dinamarquesa Dannebrog caiu do céu. Essa é a melhor história na minha opinião. E se também estiver certo, então realmente havia um grão de verdade na lenda sobre os Hammershus. Devo dizer, porém, que devemos manter nossas opções em aberto ”, diz Engberg.

Traduzido por: Hugh Matthews

Conteúdo Relacionado


Miladysboudoir

The Coast South of Hammershus, 1870, por Holger Drachmann (1846-1908)

Hammershus, 1849, por Anton Edvard Kieldrup (1827-1869)

No Museu de Arte, vimos várias pinturas do Castelo de Hammershus. As dramáticas ruínas do castelo atraem artistas e visitantes há séculos. Assim, a próxima parada em nosso itinerário de excursão do primeiro dia & # 8217s foi dirigir até a ponta norte da ilha para ver o castelo por nós mesmos.

Aproximando-se do Castelo de Hammershus

A maior ruína de um castelo no norte da Europa e a atração mais popular em Bornholm & # 8211 Hammershus é um lugar para despertar a imaginação e trazer a história de Bornholm para a vida. A parte mais antiga da fortaleza foi provavelmente construída no início do século 12 para consolidar o controle da ilha pelo arcebispo de Lund (que então fazia parte da Dinamarca).

Nos 500 anos seguintes, Hammershus foi a fortaleza dos vários governantes da ilha. Hammershus foi reconstruído e ampliado em várias ocasiões.
Até meados do século 15, a coroa e a igreja lutaram. Bornholm continuou a ser um peão importante no jogo, com o rei levando Hammershus, e com ele o controle de Bornholm, várias vezes. Todas as vezes, porém, a ilha foi devolvida à sé arquiepiscopal, pela última vez em 1362. Desta vez, porém, o bispo reconheceu o direito da Coroa de exigir o retorno de Hammershus quando o rei assim o desejasse. Mas foi só em 1522 que o rei Christian II exerceu esse direito e pediu que o castelo fosse devolvido.

Uma tentativa de fuga romântica
Em 1660-61, a filha do rei dinamarquês Christian IV & # 8217s, Leonora Christina, e seu marido, Corfitz Ulfeldt, foram presos no castelo por traição. Uma fuga dramática pelas paredes e penhascos falhou.
Hammershus manteve seu papel de defender Bornholm até o final do século XVII. Em 1743, Hammershus foi finalmente abandonado como uma fortaleza e o povo de Bornholm ficou livre para coletar materiais de construção do local até 1822, quando as ruínas foram colocadas no registro histórico nacional. & # 8221

Esta versão resumida de sua história foi adaptada do site da Hammershus.


Onde está localizada a Ilha Bornholm?

Em primeiro lugar, vamos descobrir para onde estamos indo, vamos? A Ilha de Bornholm é uma ilha rochosa de 227 milhas quadradas localizada a leste da Dinamarca continental, passando pelo extremo sul da Suécia no Mar Báltico, a nordeste da Alemanha e ao norte da parte mais ocidental da Polônia.

Se parece que está muito longe, realmente não é possível chegar à Ilha de Bornholm de balsa saindo de Copenhague em cerca de três horas, uma viagem que oferece vistas espetaculares da Dinamarca e do sul costa da Suécia ao longo do caminho.

Outra balsa saindo de Ystad, na Suécia, leva apenas 80 minutos. A Ilha de Bornholm também é servida por um aeroporto, e há voos de Copenhague e Aalborg que levam menos de uma hora.


Castelos medievais na Dinamarca

Angelokastro é um castelo bizantino na ilha de Corfu. Ele está localizado no topo do pico mais alto da costa da ilha e de Quots na costa noroeste perto de Palaiokastritsa e construído em terreno particularmente íngreme e rochoso. Fica a 305 m em um penhasco íngreme acima do mar e examina a cidade de Corfu e as montanhas da Grécia continental a sudeste e uma vasta área de Corfu a nordeste e noroeste.

Angelokastro é um dos complexos fortificados mais importantes de Corfu. Era uma acrópole que inspecionava a região até o sul do Adriático e apresentava um formidável ponto de vista estratégico para o ocupante do castelo.

Angelokastro formou um triângulo defensivo com os castelos de Gardiki e Kassiopi, que cobria Corfu e cita as defesas ao sul, noroeste e nordeste.

O castelo nunca caiu, apesar dos frequentes cercos e tentativas de conquistá-lo ao longo dos séculos, e desempenhou um papel decisivo na defesa da ilha contra as incursões de piratas e durante os três cercos de Corfu pelos otomanos, contribuindo significativamente para a sua derrota.

Durante as invasões, ajudou a abrigar a população camponesa local. Os aldeões também lutaram contra os invasores, desempenhando um papel ativo na defesa do castelo.

O período exato da construção do castelo não é conhecido, mas muitas vezes foi atribuído aos reinados de Miguel I Comneno e seu filho Miguel II Comneno. A primeira evidência documental da fortaleza data de 1272, quando Giordano di San Felice tomou posse dela para Carlos de Anjou, que havia confiscado Corfu de Manfredo, rei da Sicília em 1267.

De 1387 até o final do século 16, Angelokastro foi a capital oficial de Corfu e a sede do Provveditore Generale del Levante, governador das ilhas jônicas e comandante da frota veneziana, que estava estacionada em Corfu.

O governador do castelo (o castelão) era normalmente nomeado pela Câmara Municipal de Corfu e escolhido entre os nobres da ilha.

Angelokastro é considerado um dos vestígios arquitetônicos mais imponentes das Ilhas Jônicas.


Quem construiu o castelo Lengendary Hammershus?

Hammershus, situado nas falésias do noroeste de Bornholm, no Báltico, é talvez a ruína mais conhecida da Dinamarca. Ele foi escavado e reformado no final de 1800 até 1940, mas o castelo em ruínas ainda está envolto em um mistério significativo para a história da Dinamarca: quem realmente construiu Hammershus e por quê?

Por esse motivo, foi crucial datar a estrutura de quase mil anos, algo que os arqueólogos esperam poder fazer agora, enquanto as ruínas são colocadas para receber sua primeira escavação arqueológica adequada.

“Estamos cientes de que as partes de Hammershus que conhecemos datam da Idade Média, mas a questão candente é precisamente quando”, diz Nils Engberg, arqueólogo do Museu Nacional da Dinamarca e líder da escavação. “Exatamente quando foi construído, é de grande importância para o papel e significado que o castelo teve, por isso é incrivelmente emocionante descobrir o que os estudos irão revelar.”

A lenda pode ser mais precisa do que os antigos arqueólogos

De acordo com a lenda do agente, Hammershus foi construído por Valdemar, o Grande, em 1159.

A teoria sustentada por pesquisadores por muitos anos, no entanto, era que o castelo foi construído em 1260 pelo arcebispo local Jakob Erlandsen.
De acordo com essa teoria, o arcebispo construiu a fortaleza porque seu antigo castelo, Lilleborg, foi conquistado e incendiado pelo conde Wend Jaromar de Rügen em 1259. Hammershus foi então construído para proteger os interesses do arcebispo em Bornholm.

Mas essa teoria foi posta de lado na década de 1990 por outra teoria: que Hammershus foi construído no início do século 13 em uma aliança entre o rei Valdemar Sejr e o arcebispo Anders Sunesen como parte de sua cruzada conjunta contra os Wends.

O líder da escavação, Engberg, diz, no entanto, que a escavação arqueológica em Hammershus poderia muito bem sustentar a antiga lenda.

“Mas talvez Hammershus tenha sido construído já no início do período Valdemar (1157-1241), quando as cruzadas começaram sob a liderança de Valdemar, o Grande, e do Arcebispo Absalon. O que significa que simplesmente devem ter sido os reis que tomaram a iniciativa de construir a fortaleza ”, diz Engberg.

Ele espera que eles encontrem fragmentos das velhas vigas de carvalho sob Hammershus. O carvalho é um dos melhores materiais quando se trata de datação por radiocarbono. Se isso não for bem-sucedido, os pesquisadores terão que juntar as peças de uma imagem usando moedas antigas e fragmentos de panela ou similares.

Por que o namoro tem que ser feito sob o solo

Segundo Engberg, é necessário fazer uma escavação propriamente dita porque é muito difícil datar uma construção simplesmente olhando suas paredes.

“Mas você pode tirar amostras da argamassa mais antiga e tentar datar as partículas de carbono na argamassa. No entanto, este método ainda não foi totalmente desenvolvido e ainda é muito incerto ”, diz Engberg.

Os pesquisadores também não podem usar o conhecimento obtido do castelo no século 19 como base para datação.

A explicação para isso está na forma como as ruínas do castelo foram escavadas naquela época.

Quando eles começaram a escavar as ruínas no final do século 19, a abordagem era mais de arrumar do que de escavar: eles simplesmente cavaram, coletando tudo o que encontraram, Engberg explica:

“Em um contexto arqueológico, chegamos a uma data com base nos objetos que encontramos e em todos os tipos de coisas que aparecem em Hammershus - chaves, moedas, cantis. As moedas geralmente são úteis quando se trata de datação, mas, neste caso, a propagação foi a partir do século 13 em diante. Os objetos vieram de toda a vida útil do castelo, então essa miscelânea não revelou quando o castelo foi construído ”, diz ele, acrescentando que a nova escavação será totalmente diferente e sistemática.

Entre outras coisas, os pesquisadores removerão camadas de cinco centímetros de cada vez para controlar a cronologia e o que encontram, para que possam comparar os objetos encontrados na mesma camada. Nossos antepassados ​​também usavam potes antigos da vovó, assim como fazemos hoje.

Se os pesquisadores pretendem formar algum tipo de imagem para datação, eles precisam manter o controle sobre a camada em que os restos são encontrados.

A lenda antiga pode conter um grão de verdade

Engberg não tem dúvidas sobre o que ele espera que o resultado seja:

“Acredito que Hammershus foi construído no século 12 ou no início do século 13 por um dos Valdemars como uma instalação real onde a frota expedicionária se reunia, os cruzados se reuniam antes de seguir para a Estônia, onde, segundo a lenda, está a bandeira padrão dinamarquesa Dannebrog caiu do céu. Essa é a melhor história na minha opinião. E se também estiver certo, então realmente havia um grão de verdade na lenda sobre Hammershus. Devo dizer, porém, que devemos manter nossas opções em aberto ”, diz Engberg.


Assista o vídeo: Zamek Hammershus - Bornholm