Castelo Toompea

Castelo Toompea

O Castelo de Toompea em Tallinn é o local do Parlamento da Estônia e tem sido um centro administrativo e militar central por centenas de anos.

A primeira construção registrada no local do Castelo de Toompea foi estabelecida no século 9 DC, quando um castelo de madeira foi construído pelos governantes locais da Estônia. No entanto, em 1219, o castelo foi atacado e conquistado por uma força dinamarquesa sob Valdemar II.

O primeiro castelo de pedra foi construído no local em 1227 pelos Cavaleiros Alemães da Espada.

Ao longo dos séculos seguintes, o Castelo de Toompea foi uma fortaleza para os vários regimes que governaram a região. Uma grande fase de construção foi realizada no local por Catarina, a Grande, que construiu o edifício da Administração do Governo da Estônia no castelo.

Após a independência da Estônia, novos desenvolvimentos foram trazidos para o local do Castelo de Toompea e os novos edifícios do parlamento foram inaugurados no início dos anos 1920.

Hoje, o Castelo de Toompea reflete as numerosas fases de sua construção, com fortificações medievais se misturando à arquitetura czarista do período posterior e ao edifício do parlamento do início do século 20 (o Riigikogu).

Os visitantes também podem ver a famosa torre Pikk Hermann, que tem 46 metros de altura e é um ícone nacional da Estônia.


Castelo Toompea

De acordo com uma lenda, toda a colina de Toompea foi feita por Linda, que a construiu pedra por pedra com suas próprias mãos. [2]

Em 1219, o castelo foi tomado pelos cruzados dinamarqueses liderados por Valdemar II. [1] De acordo com uma lenda popular dinamarquesa, a bandeira da Dinamarca (Dannebrog) caiu do céu durante uma fase crítica da batalha (conhecida como Batalha de Lindanise). Este primeiro castelo propriamente dito foi referido como o "Castelo dos Danes", em latim Castrum Danorum e em estoniano Taanilinnus. Deste último, o nome moderno da cidade de Tallinn é possivelmente derivado (ver Nome moderno de Tallinn).

Em 1227, o castelo foi assumido pela Ordem dos Irmãos da Espada, que iniciou os esquemas de reconstrução. O castelo que começaram a construir é em grande parte o castelo que hoje se vê. O castelo caiu novamente para os dinamarqueses apenas dez anos depois, mas foi vendido à Ordem Teutônica em 1346 e permaneceria em suas mãos pelo resto da Idade Média. [1]

Século 18, adições barrocas ao castelo

Como a cruzada Ordem Teutônica era uma ordem religiosa, o castelo passou a se assemelhar a um mosteiro de várias maneiras. Incluía uma capela, uma casa capitular e um dormitório para os cavaleiros. A ordem também foi responsável por erguer as torres ainda visíveis da igreja, incluindo "Pilsticker" (traduzido como "apontador de flechas"), "St & # 252r den Kerl" ("afastar o inimigo"), "Landskrone" (" coroa da terra "), e" Pikk Hermann "("Langer Hermann" ou "Tall Hermann"). [1] Alto Hermann tem 48 metros (157 & # 160 pés) de altura e domina o horizonte do castelo. A bandeira da Estônia é hasteada no topo da torre todos os dias ao nascer do sol, ao som do hino nacional, e baixada ao pôr do sol. [1]

Com as convulsões da Guerra da Livônia durante o século 16, as ordens dos cruzados que antes dominavam os atuais Estados Bálticos foram dissolvidas e a região tornou-se contestada pela Suécia, Polônia e Rússia. Em 1561, o norte da Estônia havia se tornado um domínio sueco. Os suecos transformaram o castelo de uma fortaleza dos cruzados em um centro cerimonial e administrativo do poder político na Estônia, um propósito que o castelo tem servido desde então. [1]

Em 1710, a Suécia perdeu o território da atual Estônia para o Império Russo. A administração russa eventualmente executou grandes esquemas de reconstrução e transformou o castelo definitivamente em um palácio. Uma nova ala dominante em estilo barroco e neoclássico, desenhada por Johann Schultz, foi adicionada na parte oriental do complexo do castelo. Abrigou a administração do Governatorato e os aposentos do governador. Durante a era czarista, um parque público também foi construído a sudeste do castelo e um prédio de arquivos erguido nas proximidades. [1] [3]


Segundo um mito, toda a colina de Toompea foi feita pela Linda, que a construiu pedra a pedra com suas próprias mãos. Por razões associadas a esta lenda, Tallinn é às vezes tradicionalmente referido como Lyndanisse ("O mamilo de Linda") em estoniano. A verdade mais prosaica é que os colonos durante o tempo da antiga Estônia faziam uso da colina natural como uma fortaleza facilmente defendida. Com o tempo, o local também se tornou um centro comercial. Foi provavelmente uma das primeiras áreas habitadas do que mais tarde se tornou Tallinn. [2]

Em 1219, o castelo foi tomado pelos cruzados dinamarqueses - liderados por Valdemar II. [1] De acordo com uma lenda popular dinamarquesa, a primeira bandeira da Dinamarca (Dannebrog) caiu do céu durante uma fase crítica da batalha (conhecida como Batalha de Lyndanisse). Este primeiro castelo propriamente dito foi referido como o "Castelo dos Danes", em latim Castrum Danorum e em estoniano Taanilinnus. Deste último, o nome moderno da cidade de Tallinn é possivelmente derivado (ver Nome moderno de Tallinn).

Em 1227, o castelo foi assumido pela Ordem dos Irmãos da Espada, que iniciou os esquemas de reconstrução. O castelo que começaram a construir é em grande parte o castelo que hoje se vê. O castelo caiu novamente sobre os dinamarqueses apenas dez anos depois, mas foi vendido à Ordem Teutônica em 1346 e permaneceria em suas mãos pelo resto da Idade Média. [1]

Como a cruzada Ordem Teutônica era uma ordem religiosa, o castelo passou a se assemelhar a um mosteiro de várias maneiras. Incluía uma capela, uma casa capitular e um dormitório para os cavaleiros. A ordem também foi responsável por erguer as torres ainda visíveis da igreja, incluindo "Pilsticker" (traduzido como "apontador de flechas"), "Stür den Kerl" ("afastar o inimigo"), "Landskrone" ("coroa de a terra ") e o provavelmente mais famoso," Pikk Hermann "," Tall Hermann ". [1]

Alto Hermann tem 95 metros (312 pés) de altura e domina o horizonte do castelo. A bandeira da Estônia é hasteada no topo da torre todos os dias ao nascer do sol, ao som do hino nacional, e baixada ao pôr do sol. [1]

Com as convulsões da Guerra da Livônia durante o século 16, as ordens dos cruzados que antes dominavam os atuais Estados Bálticos foram dissolvidas e a região tornou-se contestada pela Suécia, Polônia e Rússia. Em 1561, o norte da Estônia havia se tornado um domínio sueco. Os suecos transformaram o castelo de uma fortaleza dos cruzados em um centro cerimonial e administrativo do poder político na Estônia, um propósito ao qual o castelo serviu desde então. [1]

Em 1710, a Suécia perdeu o território da atual Estônia para o Império Russo. A administração russa eventualmente executou grandes esquemas de reconstrução e transformou o castelo definitivamente em um palácio. Uma nova ala dominante em estilo barroco e neoclássico, projetada por Johann Schultz, foi adicionada na parte oeste do complexo do castelo. Abrigou a administração do Governatorato e os aposentos do governador. Durante a era czarista, um parque público também foi construído a sudeste do castelo e um prédio de arquivos erguido nas proximidades. [1] [3]

Após a Declaração de Independência da Estônia em 1918, um edifício para abrigar o parlamento da república foi erguido no local do antigo convento da Ordem Teutônica. Foi concluído em 1922 e projetado pelos arquitetos Eugen Habermann e Herbert Johanson. [3] Embora seu exterior seja tradicionalista, o interior tem um estilo expressionista - o único edifício do parlamento expressionista do mundo. [1]


Castelo Toompea

Empoleirado em um penhasco de calcário e elevando-se sobre o resto da cidade, o Castelo de Toompea sempre foi a sede do poder na Estônia.

Desde que os Cavaleiros da Espada alemães construíram uma fortaleza de pedra aqui em 1227-29, todos os impérios estrangeiros que governaram a Estônia usaram o castelo como sua base. Hoje, apropriadamente, é a casa do Parlamento da Estônia.

O castelo foi remodelado inúmeras vezes ao longo dos séculos, mas ainda mantém a forma básica que lhe foi dada nos séculos XIII e XIV. De sua frente, os visitantes podem ver um palácio barroco rosa que data da época de Catarina, a Grande. Uma olhada em seu lado oposto, visível da base da colina, dá uma perspectiva muito mais medieval.

Do Jardim do Governador, no extremo sul do castelo, avista-se a torre Pikk Hermann de 46 metros. A torre é um símbolo nacional vital: a tradição dita que qualquer nação que hastear sua bandeira sobre Pikk Hermann também governa a Estônia. Todos os dias, ao nascer do sol, a bandeira da Estônia é hasteada acima da torre ao som do hino nacional.


Dinamarqueses, russos e o parlamento estoniano

Perto está a catedral ortodoxa russa dedicada a Alexander Nevsky, que também pode ser vista durante um passeio com Ulko Tours. Esta catedral envolve parcialmente o Castelo de Toompea, que é composto por várias partes, incluindo a parede oeste medieval e a Torre Pikk Hermann. A parte do castelo que abriga a administração parlamentar é principalmente da era czarista (de 1710 ou mais) e tem um estilo mais clássico. O edifício da Administração do Governo da Estônia no lado leste da fortaleza foi encomendado por Catarina, a Grande, e foi concluído em 1773.


História

Segundo um mito, toda a colina de Toompea foi feita pela Linda, que a construiu pedra a pedra com suas próprias mãos. Por razões associadas a esta lenda, Tallinn é às vezes tradicionalmente referido como Lyndanisse ("O mamilo de Linda") em estoniano. A verdade mais prosaica é que os colonos durante o tempo da antiga Estônia faziam uso da colina natural como uma fortaleza facilmente defendida. Com o tempo, o local também se tornou um centro comercial. Foi provavelmente uma das primeiras áreas habitadas do que mais tarde se tornou Tallinn. [2]

Em 1219, o castelo foi tomado pelos cruzados dinamarqueses liderados por Valdemar II. [1] De acordo com uma lenda popular dinamarquesa, a primeira bandeira da Dinamarca (Dannebrog) caiu do céu durante uma fase crítica da batalha (conhecida como Batalha de Lyndanisse). Este primeiro castelo propriamente dito era conhecido como o "Castelo dos dinamarqueses", em latim Castrum Danorum e em estoniano Taanilinnus. Deste último, o nome moderno da cidade de Tallinn é possivelmente derivado (ver Nome moderno de Tallinn).

Em 1227, o castelo foi assumido pela Ordem dos Irmãos da Espada, que iniciou os esquemas de reconstrução. O castelo que começaram a construir é em grande parte o castelo que hoje se vê. O castelo caiu novamente sobre os dinamarqueses apenas dez anos depois, mas foi vendido à Ordem Teutônica em 1346 e permaneceria em suas mãos pelo resto da Idade Média. [1]

Como a Cruzada Ordem Teutônica era uma ordem religiosa, o castelo passou a se assemelhar a um mosteiro de várias maneiras. Inclui uma capela, uma casa capitular e um dormitório para os cavaleiros. A ordem também foi responsável por erguer as torres ainda visíveis da igreja, incluindo "Pilsticker" (traduzido como "apontador de flechas"), "Stür den Kerl" ("afastar o inimigo"), "Landskrone" ("coroa de a terra ") e provavelmente o mais famoso," Pikk Hermann ", ("Langer Hermann" ou "Tall Hermann". [1]

Alto Hermann tem 48 metros (157 & # 160 pés) de altura e domina o horizonte do castelo. A bandeira da Estônia é hasteada no topo da torre todos os dias ao nascer do sol, ao som do hino nacional, e baixada ao pôr do sol. [1]

Com as convulsões da Guerra da Livônia durante o século 16, as ordens dos cruzados que antes dominavam os atuais Estados Bálticos foram dissolvidas e a região tornou-se contestada pela Suécia, Polônia e Rússia. Em 1561, o norte da Estônia havia se tornado um domínio sueco. Os suecos transformaram o castelo de uma fortaleza dos cruzados em um centro cerimonial e administrativo do poder político na Estônia, um propósito ao qual o castelo serviu desde então. [1]

Em 1710, a Suécia perdeu o território da atual Estônia para o Império Russo. A administração russa eventualmente executou grandes esquemas de reconstrução e transformou o castelo definitivamente em um palácio. Uma nova ala dominante em estilo barroco e neoclássico, desenhada por Johann Schultz, foi adicionada na parte oriental do complexo do castelo. Abrigou a administração do Governatorato e os aposentos do governador. Durante a era czarista, um parque público também foi construído a sudeste do castelo e um prédio de arquivos erguido nas proximidades. [1] [3]

Após a Declaração de Independência da Estônia em 1918, um prédio para abrigar o parlamento da república foi erguido no local do antigo convento da Ordem Teutônica. Foi concluído em 1922 e projetado pelos arquitetos Eugen Habermann e Herbert Johanson. [3] Embora seu exterior seja tradicionalista, o interior tem um estilo expressionista - o único edifício do parlamento expressionista do mundo. [1]


Obelisco de Teodósio: Egito a Bizâncio


O Obelisco de Teodósio é o monumento mais antigo de Constantinopla Bizantino localizado no Hipódromo. Foi erguido pelo imperador de Bizâncio Teodósio I em 390, mas é muito mais antigo do que isso. Obelisco de Teodósio feito para o governante egípcio, Tutmés III. Prepare-se! Tutmés III governou o Egpyt entre 1479 e 1425 antes de Jesus Cristo! O Obelisco de Teodósio tem mais de dois milênios e meio!
História do Obelisco de Teodósio
A ideia original de trazer o obelisco do Egito para Constantinopla pertence a outro imperador, Constâncio II (337-361 AC). Ele decidiu trazer este obelisco de 20 metros de altura de sua casa para Constantinopla. Obelisco deixado nas margens do Rio Nilo após ser retirado de seu local original. O imperador Juliano (361-363 AC) escreveu uma carta ao povo de Alexandria e ordenou que trouxessem o obelisco para Constantinopla. Esta parte da história é um pouco complicada, mas há alguns pensamentos que o obelisco trouxe primeiro a Atenas. Porque o imperador Juliano foi morto em Atenas. Finalmente, o obelisco trouxe para sua nova casa a capital do leste do Império Romano. Naquela época, o Obelisco de Teodósio tinha 28 metros de altura, mas agora tem cerca de 20 metros apenas. Por causa de alguma parte disso & rsquos sumiram há algum tempo.
Viagem para Constantinopla
Trazer o obelisco para o hipódromo não foi uma tarefa fácil para o povo de Constantinopla. Porque pesa cerca de 200 toneladas. Obelisco trazido para o hipódromo por uma via de aço do


Perda de Toompea

O complexo do castelo é composto por várias partes: a parede oeste e a torre Hermann alta pertencem à fortaleza medieval da Ordem dos Irmãos da Espada, o edifício da Administração do Governo representa a era czarista e tem um estilo clássico, e o edifício do Riigikogu, no pátio do castelo, foi construída no início da década de 1920.

Sabe-se que já no século IX existia uma antiga fortaleza de madeira da Estônia em Toompea, que foi conquistada pelos dinamarqueses em 1219. Desde então, até as primeiras décadas do século 20, Toompea pertenceu a vários governantes estrangeiros. Em 1710, a propriedade de Toompea foi mudada da Suécia para o Império Czarista Russo. A imperatriz russa Catarina, a Grande, ordenou a construção do prédio da Administração do Governo da Estônia no lado leste da fortaleza, que foi concluído em 1773.

Em 24 de fevereiro de 1918, a Estônia tornou-se um estado independente. De 1920 a 1922, segundo os planos dos arquitetos Eugen Habermann e Herbert Johanson, a construção do Riigikogu foi construído no castelo

pátio. O design expressionista do edifício o torna único entre os edifícios do parlamento do mundo. Em 1935, a ala sul palaciana foi construída no lado sul, copiando o estilo do prédio da Administração do Governo, e o Jardim do Governador foi projetado com um projeto apropriado.

Erguido pela cidade de Tallinn.

Tópicos Este marcador histórico está listado nestas listas de tópicos: Igrejas e religião e fortes e castelos de touros e governo e política de touros. Uma data histórica significativa para esta entrada é 24 de fevereiro de 1918.

Localização. 59 & deg 26.085 & # 8242 N, 24 & deg 44.348 & # 8242 E. O marcador está em Tallinn, Harjumaa Maakond. O marcador está na interseção de Lossi Plats / Toompea e Komandandi Tee em Lossi Plats / Toompea. Toque para ver o mapa. O marcador está nesta área dos correios: Tallinn, Harjumaa Maakond 10136, Estônia. Toque para obter instruções.

Outros marcadores próximos. Pelo menos 8 outros marcadores estão a uma curta distância deste marcador. Residência de Konstantin P ts (aprox. 0,3 km de distância em Harju maakond) O centro histórico (cidade velha) de Tallinn (aprox. 0,4 km) Prefeitura de Tallinn - Anno 1404 (aproximadamente 0,4 quilômetros de distância) Suurgildi Hoone (cerca de meio quilômetro de distância) Mustpeade Maja (aproximadamente 0,6 km de distância em Harju maakond) Marinha Real Britânica na Guerra da Independência da Estônia (aproximadamente um quilômetro de distância) Submarino polonês "ORZE & # 321" - setembro de 1939

(aproximadamente um quilômetro de distância em Harju maakond) M lestusm rk Katkenud Liin / Linha quebrada (aproximadamente 1,1 quilômetros de distância). Toque para obter uma lista e um mapa de todos os marcadores em Tallinn.


História de Tallinn

Não é fácil determinar o início da história de Tallinn. A localização provavelmente atraiu a atenção como uma área portuária adequada muito antes de as primeiras fontes escritas mencionarem um assentamento ali, mas tudo o que os historiadores têm são dados arqueológicos.

Os primeiros vestígios de povoamento no território de hoje em Tallinn vêm da bacia do rio H & aumlrjapea em Keldrim & aumle, mas não podem estar diretamente ligados à cidade. O início da história de Tallinn começa no subúrbio de Iru, onde um castelo junto com um povoado próximo foi construído no final do primeiro milênio. O castelo foi abandonado por razões desconhecidas no final do século 11 e o castelo Lindanise (Kolyvan em fontes russas) foi construído algum tempo depois na colina de Toompea de hoje e rsquos & mdashthis era basicamente o centro do antigo condado de R & aumlvala (daí o nome alemão para Tallinn: Rival). O castelo era muito provavelmente apenas para oferecer refúgio em caso de ataques inimigos e não incluiu assentamento permanente no século XIII.

A rota comercial no Golfo da Finlândia tornou-se mais amplamente utilizada durante os séculos 9 e 10 e, assim, aumentou a importância do porto de Tallinn. Pode ter havido assentamentos sazonais de mercadores escandinavos e russos no local da cidade baixa de hoje no início do segundo milênio, mas não há nenhuma evidência clara nem de fontes arqueológicas nem escritas.

Tallinn sob o rei da Dinamarca e a ordem alemã

Os primeiros dados confiáveis ​​sobre Tallinn datam da Crônica do Letão Henrik. A crônica descreve a frota dinamarquesa liderada pelo rei Valdemar II perto do castelo de Lindanise em junho de 1219. O desembarque dinamarquês fez parte da colonização escandinava-alemã da Livônia e da Estônia, durante a qual os cruzados alemães invadiram os territórios da Estônia da Letônia e do sul e do centro, bem como Saaremaa, e o rei da Dinamarca invadiram o norte da Estônia. De acordo com o Chronicle, houve uma batalha no local da futura Tallinn em 15 de junho de 1219, onde os dinamarqueses conseguiram uma vitória difícil. A lenda diz que a sorte na batalha voltou seu rosto para os dinamarqueses depois que uma bandeira vermelha com uma cruz branca caiu do céu e mdashthe Danneborg, a bandeira do estado da Dinamarca hoje. Os dinamarqueses estabeleceram seu castelo de pedra em Toompea, e o bispo chefe de Lund, Andreas Sunesen, tornou-se o primeiro regente da Dinamarca em Tallinn.

De 1227 a 1238 Tallinn e o norte da Estônia foram governados pela Ordem da Irmandade das Espadas, que temporariamente ganhou o poder dos dinamarqueses. Já devia haver um pequeno povoado na parte inferior do castelo naquela época. Por volta de 1230, mercadores alemães convidados pela Irmandade das Espadas chegaram a Tallinn vindos de Gothland. Esta chegada é considerada um acontecimento importante na formação do corpo dos residentes de Tallinn. Tallinn, juntamente com a parte norte da Estônia, foi devolvida à coroa dinamarquesa pelo Tratado de Stensby, o negócio sendo mediado pelo legado do Papa Guillelmus de Modena. Dez anos depois, em 15 de maio de 1248, o rei da Dinamarca Erik IV Adraraha concedeu a Tallinn os Direitos de Lüumlbeck que ligavam Tallinn ao espaço legal comum com as cidades mercantes alemãs medievais. A carta de direitos também menciona representantes da Câmara Municipal, o que prova que a cidade baixa devia ter algum tipo de governo local naquela época. Tallinn juntou-se à Liga Hanseática no final do século 13 e, durante os próximos dois séculos, desempenhou um papel importante nas relações dos Hanseates com os mercadores da Rússia, especialmente Novgorod.

O mestre de terras de Tallinn mudou em meados do século XIV. Forçado por dificuldades na política interna e falta de dinheiro, o rei da Dinamarca decidiu vender suas terras do norte da Estônia junto com Tallinn para a ordem alemã. Após anos de preparação, o negócio foi finalizado em 1346. No ano seguinte, em 1347, a Ordem concedeu o direito de governo desses territórios ao seu ramo da Livônia. Tallinn se tornou uma cidade da Ordem que significava principalmente uma mudança de poder em Toompea. Em vez do regente da Dinamarca, Tallinn era agora governado por um comptoir da Ordem Alemã. O Mestre Goswin von Herike, do Ramo da Livônia da Ordem Alemã, adotou os primeiros privilégios de Tallinn já em 4 de novembro de 1346, e a vida na cidade continuou do jeito que sempre foi. A cidade era governada pelo Conselho Municipal eleito entre os residentes mais influentes e ricos, em sua maioria comerciantes (o Conselho Municipal escolhia seus membros). No início, apenas metade dos representantes na Câmara Municipal tratava dos assuntos da cidade, eram chamados de Câmara Municipal em exercício (Rato sitzender), a outra metade era chamada de antiga Câmara Municipal (alter Rat) Depois de um ano, os papéis mudaram. Como ser representante na Câmara Municipal era uma posição de honra, eles precisavam de um ano de folga para cuidar de seus negócios. De meados do século XV até ao final da sua existência, a Câmara Municipal era habitualmente composta por 4 burgermeisters, 14 representantes da Câmara Municipal e 1 advogado municipal. Os membros da Câmara Municipal estavam agora trabalhando em base permanente, não em turnos.

Os comerciantes e representantes do artesanato mais lucrativo eram em sua maioria alemães, geralmente de Westfahl e Rheinland, e pelo menos metade dos habitantes da cidade eram estonianos, que às vezes são mencionados como residentes da cidade no século 14-15 (não há dados sobre o século 13 ) No final da Idade Média, a residência na cidade era restrita para os estonianos, principalmente por causa da alta taxa de residência. Como a cidade precisava de mão de obra, os camponeses migraram para a cidade, o que, por sua vez, gerou conflitos entre os proprietários de terras da cidade e das áreas próximas. O número de habitantes cresceu à medida que o comércio cresceu e a cidade se desenvolveu. Como o número estimado de habitantes em Tallinn em meados do século 14 era inferior a 1000 pessoas, no final da Idade Média a população de Tallinn já era de 6000-7000.

Em termos de edifícios, a cidade do século 13 não pode ser comparada à cidade do final da Idade Média. As fortificações iniciais compreendiam apenas uma pequena área ao redor da Praça da Prefeitura de hoje. A zona naquela época não incluía o Convento Dominicano entre as ruas today & rsquos Vene e M & uuml & uumlrivahe ou o Convento Cisterian perto da rua today & rsquos Kloostri. O círculo da muralha da cidade em sua forma posterior foi estabelecido no século 14 e o grande boom da construção da cidade (que deu aos edifícios principais seus exteriores medievais que são parcialmente preservados até hoje) se espalhou em Tallinn apenas no século 15. A nova Câmara Municipal foi concluída em 1404, o edifício da Grande Guilda em 1410 e a construção da Guilda Olavi em 1422. O Grande Incêndio irrompeu na cidade baixa em 1433, e isso significou uma nova onda de construção. O estabelecimento de fortificações de colina em frente à muralha da cidade foi iniciado no século XVI.

O comércio em Tallinn baseava-se em privilégios já recebidos durante o século XIII. Tallinn acertou a cunhagem em 1265 e o armazenamento em 1346, o que significava que nenhuma mercadoria poderia transitar pela cidade sem usar os comerciantes locais como intermediários. Conseqüentemente, os residentes de Tallinn receberam uma parte significativa do comércio entre a Europa Ocidental e Novgorod. O papel de Tallinn no comércio e na política do Báltico Oriental cresceu ainda mais depois que a cidade de Visby foi destruída pela Dinamarca em 1361. O auge de Tallinn como uma cidade hanseática medieval foi no século XV. O fechamento do escritório hanseático de Novgorod em 1494 afetou negativamente o comércio em Tallinn, mas a cidade conseguiu dinamizar o comércio em meados e no final do século XVI.

Os maiores mercadores em Tallinn eram membros da Grande Guilda, jovens mercadores solteiros pertencentes à Irmandade dos Cabeças Negras, representantes de habilidades manuais mais honradas para a Guilda Kanuti, representantes de habilidades manuais mais simples para a Guilda Olavi. Além disso, havia várias associações religiosas e sociais em Tallinn. Fontes mencionam as irmandades de Holy Flesh, Gertrud, Hiob, 10.000 Cavaleiros, Antonius, Victor, Rochus, Michael. Mary Guild e Anna Brotherhood eram ativas em Toompea.

Todos os estabelecimentos clericais mais importantes foram fundados no século 13: a Igreja Niguliste foi fundada em 1230, a Igreja Oleviste é mencionada pela primeira vez em 1267, os Dominicanos mudaram-se de Toompea para a cidade baixa no final de 1240 e começaram a construir o Convento de St. Cathrine, o Convento Cisterian Mihkli foi estabelecido em meados do século. O bispo de Tallinn que residia em Toompea governava todo o norte da Estônia, clericamente ele estava sob o reinado do bispo-chefe de Lund.

A Escola Dome estava ativa em Toompea provavelmente já durante o século XIII, os primeiros registros escritos da escola datam do início do século XIV. Na mesma época existia uma escola no Convento Dominicano, desde o início do século XV também na Igreja de Oleviste.

O leprosório próximo à cidade ou hospital Jaani é mencionado pela primeira vez em 1237. É provável que o hospital do Espírito Santo junto com uma capela existisse de alguma forma já no século 13, embora fontes escritas mencionem o hospital do Espírito Santo apenas no início de século XIV.

No início do século 15, o Convento de Santa Brigit foi estabelecido a leste da cidade (Convento de Pirita), hoje suas ruínas são conhecidas como uma magnífica amostra da arquitetura medieval de Tallinn.

Os primeiros pregadores luteranos chegaram a Tallinn no início de 1520 e, no outono de 1524, a plebe saqueou as igrejas Oleviste e do Espírito Santo e a Igreja Dominicana de Santa Catrina. A Câmara Municipal tentou coibir a espoliação espontânea e obter controle sobre os assuntos financeiros das igrejas. O Convento Dominicano foi dissolvido em janeiro de 1525. Pouco a pouco a vida da igreja foi reorganizada de acordo com as idéias da Reforma. A Câmara Municipal já tinha antes uma boa visão geral das finanças das igrejas por meio de seus guardas seculares, mas agora foi decidido formar um chamado tesouro comum (Gemeine Kasten) & mdashto funciona como um fundo centralizado para o bem-estar social e fonte de pagamento para os guardas da igreja. A igreja luterana foi introduzida passo a passo a partir do segundo quartel do século XVI. Uma biblioteca foi fundada na Igreja Oleviste em 1552, que se tornou a primeira biblioteca pública em Tallinn.

Tallinn sob a coroa sueca

Rússia, Suécia, Polônia e Dinamarca lutaram pela superioridade na parte norte do Mar Báltico na Guerra da Livônia de 1558-1583. O território da Estônia foi um dos principais campos de batalha. Com medo das tropas russas, a cidade de Tallinn e o título de cavaleiro Harju-Viru recuaram para a coroa sueca em 1561, essa subordinação durou até o século e meio seguinte. As tropas russas tentaram cercar Tallinn duas vezes & mdash1570-1571 e 1577 & mdash, mas foram forçadas a recuar sem conquistar a cidade.

Foi durante a era sueca que Tallinn se tornou o centro de uma nova unidade administrativa - o governo da Estônia. A coroa validou os privilégios históricos de Tallinn, o que antes de mais nada significava que a cidade mantinha seu governo local (pelo menos formalmente) e continuava a usar os Direitos de Lüumlbeck. Em comparação com a idade média, a importância de Tallinn estava diminuindo. O declínio geral do comércio de Hansa diminuiu a riqueza e a independência da cidade, o poder centralizado na Suécia tentou restringir a independência do Conselho Municipal.

A parte da cidade cercada pela muralha da cidade não foi significativamente danificada na guerra, foram principalmente as periferias que foram destruídas, e mesmo sob as ordens da Câmara Municipal para defender a cidade.

A grande epidemia de peste devastou a cidade em 1602-1603, o Grande Incêndio de 1684 destruiu a maioria dos edifícios em Toompea. Apenas a Igreja Dome e uma pequena casa de pedra próxima ficaram mais ou menos ilesas.

O desenvolvimento da educação geralmente característico da era sueca influenciou Tallinn também: um ginásio foi estabelecido no convento de Cister, que finalmente foi dispensado alguns anos antes e hoje é conhecido como Gustav Adolf Gymnasium (Tallinn Secondary School No. 1 nos tempos soviéticos) & mdashand uma gráfica em 1633. A gráfica do ginásio desempenhou um papel significativo na publicação de obras de literatos locais e livros em língua estoniana. O ginásio também tinha uma rica biblioteca, mas a maior parte de seus fundos foi perdida.

Tallinn sob o estado russo

A Guerra do Norte devastou a área do Mar Báltico de 1700 a 1721. Os principais adversários foram a Suécia e a Rússia, que lutaram pela superioridade no território. Em 1710 Tallinn capitulou sem luta às tropas russas. A cidade sofreu com a escassez de tudo, a maior parte da guarnição e muitos moradores da cidade morreram de peste. Se havia 10.000 residentes em Tallinn em 1708, depois dos eventos de 1710, apenas cerca de 2.000 sobreviveram. A população de Tallinn ultrapassou os 10.000 novamente apenas na década de 1780.

De acordo com o acordo de capitulação de 1710, Tallinn manteve a maioria de seus privilégios anteriores. A Câmara Municipal permaneceu no poder, os Direitos de Lüumlbeck permaneceram em vigor e a língua administrativa continuou a ser o alemão. O ukase de Cathrine II em 1783 estabeleceu uma nova ordem governamental na Estônia e na Livônia (a chamada regência) que estendeu o sistema russo de estabelecimentos governamentais também a Tallinn. A Câmara Municipal manteve apenas a sua função de tribunal, o governo da cidade de seis membros foi eleito pela Duma geral da cidade. A velha ordem de governo foi reafirmada com a restituição ukase de 1796 por Paul I.

No século 19, o imperador russo aos poucos limitou o mandato da Câmara Municipal. Por exemplo, a partir de 1819, a Câmara Municipal não controlava mais a polícia municipal. Um ukase de Alexandre II estabeleceu a Lei Geral da Cidade Russa de 1870 nas cidades do Báltico em 26 de março de 1877. O Conselho Municipal (duma) que foi eleito por quatro anos tornou-se o governo local que elegeu o governo da cidade (uprava) que era composto por quatro conselheiros. O conselho municipal elegeu um prefeito que foi aprovado pelo governo central. The legality of the city government decisions was controlled by the governor. The term &ldquotown resident&rdquo lost its former meaning, all the subordinates to the Russian state were allowed to vote.

The new town law also abolished the administrative separation of Toompea and the lower town. For now the Town Council continued to operate as a court institution, after a while even that function was cancelled, and it was dismissed once and for all in 1889.

After integrating Tallinn to the Russian empire Peter the Great ordered a port to be built in Tallinn. The first bigger industrial company in Tallinn was the Admiralty manufactory at the Old City Harbour built in 1714-1722. A paper factory, a match factory and a machinery manufacturing plant were established in the second half of the 19th century. The Baltic rail road opened in 1870 connected Tallinn to St. Petersburg and other parts of the Czarist Russia, this livened trade relations considerably. Machinery manufacturing and the pulp and paper industry developed. Production of the Luther Plywood and Furniture Factory established in 1877 was valued even in the Western Europe, especially in England. In 1877 tram traffic began in Tallinn. Military industry boomed directly before WW I, the Bekkeri, Russian-Baltic and Peter military ship yards were established.

Additionally, other public buildings were built: Tallinn German Theatre (Estonian Drama Theatre today) was finished in 1910, &ldquoEstonia&rdquo association building (later Estonia Theatre) in 1913. In the second half of the 19th century and in the beginning of the 20th century suburban Nõmme and Merivälja started to shape up.

Tallinn Develops into Estonian Town. Tallinn as Capital of the Republic of Estonia in 1918-1940

The valuation of Estonian ethnicity started in the turn of the 19th and the 20th centuries. The level of education and the economic standing of Estonians had improved. Estonian literates participated in the fight for local power mainly with the help of the newspaper &ldquoTeataja&rdquo. The 1904 elections were won by an Estonian-Russian block of 5 Russians and 38 Estonians. The first Estonian mayor&mdashVoldemar Lender&mdashwas elected in 1906. Several changes took place in governing of Tallinn in the end of WW I. In 1917 the city council and city government elected in accordance with the Temporary Government town laws were in power for a short period, and were in essence Bolshevist. The city council was dismissed by the Tallinn Workers and Military Deputies Soviet resolution of January 31, 1918, and the Soviet assumed the functions of the council. On February 24, 1918 Estonia took advantage of the weakening Bolsheviks and proclaimed independence already the next day German troops occupied Estonia.

Local town government was restored after Germany capitulated in the WW I. The first city council elected during the Republic of Estonia assembled on June 16, 1919.

As said before, Tallinn population began to grow hand in hand with the development of industry in the 2nd half of the 19th century. If in 1881 Tallinn had almost 44 000 inhabitants, then in 1917 the population was almost 160 000. The population decreased by about a third due to the WW I and the events concurring with it. There were 145 000 inhabitants in Tallinn in 1939.

Compared to the industrial boom prior to WW I caused by mainly the increase of military industry and the large Russian market, the industrial output of Tallinn decreased considerably after Estonia&rsquos independence, and grew only by the end of 1930-s.

Tallinn Teachers Seminar (Tallinn Pedagogical Institute from 1952 to 1992, since 1992 Tallinn Pedagogical University) was established in 1919 and Tallinn Conservatoire that first operated under the name Tallinn Higher Music School (since 1993 Tallinn Music Academy). Tallinn Technical School (Tallinn Polytechnical Institute from 1944 to 1989, since 1989 Tallinn Technical University) grew out of an Estonian Technical Association special course. Tallinn Applied Art School founded in 1914 continued to operate as State Applied Art School (Estonian SSR State Art Institute in the Soviet times, now Estonian Academy of Arts).

Tallinn from Soviet Occupation till Estonia Regains Independence

The Soviet occupation in the summer of 1940 interrupted the activities of the then Tallinn local government according to the new laws the local authorities were workers soviets and executive committees. In the course of the WW II on August 28, 1941 German troops occupied Tallinn. The occupational power imposed a new administrative order that defined Tallinn as a separate territory governed by a German commissioner in the area. The city government structure remained mostly the same as during the time of independence. In the night of March 9th to March 10th Tallinn was bombed by the Soviet army&mdashmore than 500 civilians were killed and 5073 buildings destroyed or damaged. Damages and victims were also brought upon by the war activities of 1941-1943. Yet, most of the valuable Old Town of Tallinn was preserved, only Harju Street and Niguliste Church were seriously damaged.

The Soviet army occupied Tallinn again on September 23, 1944, and the Tallinn Workers Soviets Executive Committee started its work again.

In the first sitting the Soviet elected on December 10, 1989 renamed itself Tallinn City Council, and the Executive Committee became City Government.

The first local elections after Estonia&rsquos regained independence in 1991 were hold on October 17, 1993.

In the Soviet times Tallinn was divided into Mere, Lenin, October and Kalinin districts that were renamed, after regaining the independence, into East, South, West and North districts correspondingly. Since 1993 Tallinn is divided into Haabersti, City Centre, Kristiine, Lasnamäe, Mustamäe, Nõmme, Pirita and North Tallinn city districts.

The population of Tallinn decreased in the first half of 1940-s mainly due to the events of the WW II (war losses, emigration to West). By 1939 the city population had decreased from 145 000 to 127 000. The number of residents began to rise quickly mostly due to increase of unemployment on account of foreign workers brought in from other parts of the Soviet Union. There were 267 000 inhabitants in Tallinn in 1956 and 408 500 in 1976.

Due to the increase in population and the industrial boom the town desperately needed new dwellings. The construction of Mustamäe living area was started in the beginning of 1960-s followed by õismäe and Lasnamäe. Tallinn hosted the Olympic Regatta in 1980. For this event new beach facilities and the Olympic Yachting Centre were built, as well as hotel Olympia, the TV-tower, the new airport building and Linnahall. The National Library of Estonia at Tõnismäe was finished in 1992.

Industry boomed significantly in Tallinn during the Soviet times&mdashmachinery construction and electro-technical companies were established and most of their production went to the Soviet military industry. Consumer goods and food industry boomed as well (clothing factories &ldquoBaltika&rdquo, &ldquoMarat&rdquo, &ldquoKlementi&rdquo, plastic production factory &ldquoNorma&rdquo, footwear factory &ldquoKommunaar&rdquo, sweet factory &ldquoKalev&rdquo etc.).

Estonia regaining its independence brought upon significant changes in most of the important sectors of city life. Tallinn became the capital of the newly independent Republic of Estonia. The population of Tallinn decreased during the first years of independence, mostly due to non-Estonians leaving. If the population of Tallinn in the end of 1980-s was c 480 000, then in 1995 it was only 434 800.

Some of the Soviet times industrial enterprises have reorganised and continued to operate, at a lesser volume, as private companies also after Estonia regained independence. New secondary schools and universities have emerged, especially private schools of law and economics.


Snapshot: Toompea Castle

Although the rulers of Estonia have changed during the past 800 years, their locus of power has remained the same. Toompea Castle, built on the limestone Toompea Hill that forms part of Tallinn’s Old Town district, is a must-visit for anyone who wants to learn more about the country’s history and experience architecture that spans multiple eras.

The castle wall with towers on Toompea Hill in the old town of Talinn.

Visitors today will walk across a site that retains the same layout at the castle’s first iteration, constructed by the German Knights of the Sword during the 13th century before being modified by successive rulers that include the Danes, Swedes and Russians. Transport from the city centre costs as little as €4 (A$7) for a short taxi ride, but most people prefer to arrive on foot. If you’re planning to visit in the morning, the nearby streets are home to numerous cafes that offer sweet treats or lights meals for breakfast and dinner. Take your pick from Mediterranean cuisine on the terrace at Restoran Casa Alta, something more Germanic at the cosy Schnitzelhaus or the tucked away Bogapott, with its adjoining art shop and ceramics studio, to name just three options.

An aerial view of Tallin from Toompea Hill in the evening.

From a distance, the castle’s most striking features are its four towers, the tallest of them the 46m high Pikk Hermann, built in stages between the 14th and 16th centuries and now proudly flying the Estonian flag after having flown those of occupying forces in the past. The other three towers – Landskrone, Pilsticker and Stür den Kerli – bear the marks of military strongholds, containing multiple storeys and shooting chambers. The latter also features an 11m deep basement, another defence mechanism.

The Pikk Hermann Tower and Toompea Castle in Tallinn.

Once on site, what catches the eye is the striking pink façade of Riigikogu, the Estonian parliament building. Built on the foundations of a medieval church that burned down in 1917, it forms the entrance to the site and embraces expressionism with its colour scheme and motifs of isometric designs that pattern many of its interiors.

Other government buildings within Toompea Castle date back as far as the 18th century. A mix of classical and baroque architecture, they were commissioned as part of major modifications by Russian Empress Catherine II. Journeying further back into the castle’s history, Renaissance architecture is also well represented, with the White Hall restored as part of renovations that finished in 2000 preserving detailed ceilings adorned by chandeliers. Its light, airy space brings together a mix of the old and the new, symbolising a new era of Estonian independence that began in 1991 but that is keen to preserve its past. Never more so is this evident than in the Parliamentary Assembly Hall, a chamber that pops with the blue, black and white colours of the Estonian flag and observable from its public gallery.

Two tour groups visit the exterior facade of the Tallinn Parliament Building part of the Tallinn Castle.

Many tourists are happy to admire its edifice and enjoy the view, but free tours of Toompea Castle are also available in English, Russian and Estonian. Visitors must book ahead but are rewarded with a 45-minute journey around the site and through Estonia’s history.


Assista o vídeo: Tallinns Toompea Hill, Estonia