Segredos Antigos Pirâmides Perdidas da China

Segredos Antigos Pirâmides Perdidas da China

Na Ancient Origins, acreditamos que um dos campos de conhecimento mais importantes que podemos perseguir como seres humanos é o nosso início. E embora algumas pessoas possam parecer contentes com a história tal como está, nossa opinião é que existem incontáveis ​​mistérios, anomalias científicas e artefatos surpreendentes que ainda precisam ser descobertos e explicados.

O objetivo de Ancient Origins é destacar descobertas arqueológicas recentes, pesquisas acadêmicas revisadas por pares e evidências, bem como oferecer pontos de vista alternativos e explicações da ciência, arqueologia, mitologia, religião e história ao redor do globo.

Somos o único site de Arqueologia Pop que combina pesquisa científica com perspectivas inovadoras.

Ao reunir os principais especialistas e autores, este site de arqueologia explora civilizações perdidas, examina escritos sagrados, visita lugares antigos, investiga descobertas antigas e questiona acontecimentos misteriosos. Nossa comunidade aberta se dedica a investigar as origens de nossa espécie no planeta Terra e questionar aonde as descobertas podem nos levar. Procuramos recontar a história de nossos primórdios.


Segredos Antigos: Pirâmides Perdidas da China e # x27s

SEGREDOS DAS PIRÂMIDES PERDIDAS é uma viagem a um lugar surpreendente - China & # x27s & quotValley of the Kings & quot - e de volta a um tempo surpreendente - o mundo dos primeiros imperadores da China - para descobrir tumbas piramidais de tamanho estupendo, cheias de riquezas surpreendentes em preparação para uma vida após a morte além da imaginação. Em 221 aC, o primeiro imperador da China e do século 27 uniu reinos em guerra em uma nação que ainda existe hoje. Para comemorar sua conquista, o Primeiro Imperador construiu uma tumba como nenhuma já vista na China - um dos maiores complexos mortuários já construídos na Terra. A segunda dinastia chinesa do século 27, os Han, herdou um desafio assustador do Primeiro Imperador. Graças ao precedente de sua enorme tumba, eles tiveram que construir mausoléus grandes o suficiente para impor respeito e estabelecer seu direito de governar. Mas eles tiveram que fazer isso sem levar à falência o tesouro nacional e oprimir milhares de trabalhadores - o que levou à queda da dinastia Qin do Primeiro Imperador e do século 27 após sua morte. Por onze gerações, os imperadores Han conseguiram construir tumbas enormes e permanecer no trono. Embora nenhuma tumba do imperador Han & # x27 tenha sido aberta, as tumbas de aristocratas Han menores revelaram coisas surpreendentes: palácios subterrâneos completos (incluindo cozinhas e banheiros) e pelo menos um cadáver tão incrivelmente bem preservado que alguns acreditam que os construtores de tumbas Han sabiam como "projetar a imortalidade" envolvendo, entre outras coisas, tumbas em camadas de carvão e argila para impedir a entrada de água e ar. Mas a maioria das tumbas foi roubada, deixando outra dinastia centenas de anos mais tarde - a brilhante Tang - para liderar uma revolução no projeto de tumbas, escavando tumbas simples em montanhas naturais e enchendo-as de pequenas e baratas mercadorias que simbolizavam mais do que reproduziam o vida após a morte perfeita.


A misteriosa estrutura de 8.000 anos da China "guardada por militares" pode conter segredos importantes

Link copiado

Egito: Cientistas fazem descoberta da Grande Pirâmide de Gizé

Quando você se inscrever, usaremos as informações fornecidas para lhe enviar esses boletins informativos. Às vezes, eles incluem recomendações para outros boletins ou serviços relacionados que oferecemos. Nosso Aviso de Privacidade explica mais sobre como usamos seus dados e seus direitos. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

Mais de 100 km fora da antiga cidade de Xi & rsquoan, entre as florestas crescidas, erguem-se dezenas de montes em forma de pirâmide que foram envoltos em mistério por milhares de anos. O Ocidente soube deles quando Fred Meyer Schroder, um comerciante americano, relatou o enigma pela primeira vez em 1912. Na época, ele estava viajando pela província de Shaanxi com um guia, onde registrou uma descrição completa em seu diário, observando que tinha visto uma pirâmide gigante de aproximadamente 300 metros de altura e quase o dobro do comprimento, cercada por várias pirâmides menores.

Tendendo

Três décadas depois, o piloto da Força Aérea dos EUA, James Gaussman, ficaria hipnotizado por uma estrutura & ldquopure white & rdquo vista durante o vôo sobre a Ásia, que teria o dobro do tamanho da Grande Pirâmide do Egito.

Ele disse: & ldquoA coisa notável era a pedra angular, uma enorme peça de material semelhante a uma joia que poderia ser cristal.

& ldquoNão podíamos ter pousado, embora quiséssemos. Ficamos impressionados com a imensidão da coisa. & Rdquo

Dois anos depois, o coronel Maurice Sheahan, diretor do Extremo Oriente da Trans World Airline, relatou a mesma experiência.

A China tem uma estrutura misteriosa que pode ser a chave para entender a história do país (Imagem: GETTY / GOOGLE)

A China tem várias estruturas piramidais (Imagem: GETTY)

No início dos anos 90, o investigador alemão Hartwig Hausdorf procurou a enorme pirâmide, mas não teve sucesso em encontrá-la.

Em vez disso, ele encontrou & ldquothe militares chineses patrulhando meticulosamente a área & rdquo, de acordo com relatórios.

Hoje, o Google Earth mostrará a qualquer pessoa com as coordenadas corretas evidências não de apenas uma, mas de cerca de 40 pirâmides conhecidas, mas nem todas são facilmente distinguíveis ao olho humano.

Eles são cobertos por árvores e grama, e muitos datam de 8.000 anos atrás.

Esta região, em essência, é a versão chinesa de Gizé do Egito e do Vale dos Reis em um só, principalmente porque há rumores de que existe uma grande quantidade de realeza sob a superfície que ninguém perturbou.

Dois fazendeiros descobriram o famoso exército de terracota da China e o Primeiro Imperador rsquos (Imagem: GETTY)

Já no século 17, um jesuíta romano escreveu sobre as pirâmides e, em 1785, o orientalista e sinologista francês Joseph de Guignes escreveu "Um ensaio em que provamos que os chineses são uma colônia egípcia".

Até hoje, os arqueólogos ocidentais raramente tiveram permissão para investigar os locais e alguns alegaram que as fotos mostram que arbustos foram plantados deliberadamente para manter o segredo em segredo.

Mas os especialistas teorizam que quase certamente existam imperadores e artefatos perdidos abaixo dos montes que tornariam a descoberta de Tutancâmon em 1922, anões.

Em 1974, o mundo deu uma espiada em uma história verdadeiramente extraordinária da China, quando dois fazendeiros estavam cavando nos arredores de Xi & rsquoan e descobriram o famoso exército de terracota do Primeiro Imperador da China & ndash Qin Shi Huang.

Havia lendas de que ele havia sido enterrado dentro de uma verdadeira mini-cidade com palácios, carruagens, tesouros e tudo o que ele precisava na vida após a morte & ndash e por sorte ou destino, esses fazendeiros tiraram a sorte grande.

Os montes estão envoltos em segredo (Imagem: GETTY)

Alguns podem ser vistos no Google Earth (Imagem: GOOGLE)

O local é tão grande que os pesquisadores estão “cavando lá há séculos”, disse a arqueóloga Kristin Romey ao Live Science em 2012.

Mas o próprio imperador nunca foi encontrado.

As autoridades abriram locais como o Mausoléu de Han Yang Ling para turistas, mas ninguém tem permissão para escavá-los.

O governo de Xi Jinping afirma que a tecnologia ainda não existe para perturbar as pirâmides sem danificar seu conteúdo, citando como referência a descoberta do Rei Tut & rsquos.

O Dr. Romey comentou anteriormente: & ldquoIt & rsquos são realmente inteligentes no que estão fazendo.

& ldquoPense em todas as informações que perdemos apenas com base nas técnicas de escavação da década de 1930.


As antigas 'pirâmides' da China revelam seus segredos impressionantes

Um pesquisador descobriu novos detalhes fascinantes sobre a construção de antigas “pirâmides” na China.

Existem mais de 40 mausoléus “piramidais” na China, que são enormes colinas de terra artificiais. Apenas dois desses locais foram parcialmente escavados, de acordo com Giulio Magli, do Politécnico de Milão, na Itália, autor de um novo estudo sobre as pirâmides.

A pesquisa, que examina o papel da astronomia e do Feng Shui em antigas necrópoles chinesas, usou dados de satélite e pesquisas de campo para coletar uma riqueza de informações sobre os sítios arqueológicos. Um dos locais é a tumba piramidal do Primeiro Imperador da China, Qin Shi Huang, que é guardada pelo famoso Exército de Terracota.

Em um estudo publicado na revista Archaeological Research in Asia, Magli observa que as antigas pirâmides chinesas se enquadram em duas categorias. Um grupo de tumbas é orientado “com boa precisão” para os pontos cardeais do norte, sul, leste e oeste.

Guerreiros de terracota protegendo a frente leste do Mausoléu de Qin. (Giulio Magli)

Em nota, a pesquisadora explica que, assim como seus congêneres no Egito, os antigos imperadores chineses viam seu poder como “um mandato direto do céu, identificando a região circumpolar como uma imagem celestial do palácio imperial e de seus habitantes”. Como resultado, a orientação das pirâmides em direção aos pontos cardeais não deve ser surpresa.

No entanto, o segundo grupo de pirâmides está orientado para longe do norte verdadeiro. Especificamente, essas tumbas se orientam para o oeste do norte, quando se olha em direção ao monumento. “Está fora de questão que esta segunda família pode ter sido devido a erros dos astrônomos e arquitetos chineses”, explicou Magli.

Em vez disso, o estudo propõe que os antigos construtores de pirâmides eram responsáveis ​​pela rotação do eixo da Terra, que, durante longos períodos de tempo, altera a posição das estrelas no céu noturno.

“A explicação proposta no artigo é, portanto, astronômica: os imperadores que construíram as pirâmides da 'família 2' não queriam apontar para o pólo celeste norte, que na época não correspondia a nenhuma estrela, mas sim à estrela de qual o pólo seria abordado no futuro: Polaris ”, explicou.

Polaris, também conhecida como Estrela do Norte ou Estrela Polar, está localizada na constelação da Ursa Menor e há muito tempo é usada como um guia importante para a navegação. Enquanto os astrônomos modernos estão acostumados a identificar o pólo celeste norte com Polaris (embora não seja um alinhamento perfeito), na época dos antigos imperadores Han na China, o pólo ainda estava longe de Polaris, explicou Magli.

Outras descobertas estão lançando uma nova luz sobre a China antiga. Em 2016, os arqueólogos revelaram evidências de que os gregos antigos podem ter ajudado a projetar o Exército de Terracota, potencialmente oferecendo uma nova visão sobre o contato inicial da China com o oeste.


Aparentemente, alguns arqueólogos descobriram as ruínas de uma cidade perdida na China que existia há mais de 3.000 anos. Em uma colina acima do rio Tuwei, na China, na década de 8217, os pesquisadores encontraram uma grande pirâmide em degraus que já serviu como o centro do palácio, junto com paredes de pedra defensivas, entulho de fabricação de ferramentas e muitos poços cheios de crânios humanos para sacrifícios.

De acordo com os arqueólogos, as descobertas da Idade do Bronze contradizem nossa interpretação da cultura e ocupação chinesa primitiva, indicando que as terras altas de loess eram o lar de uma sociedade complexa muito antes dos tradicionalmente assumidos "centros" emergirem nas Planícies Centrais.

A antiga cidade batizada de Shimao era o lar de uma pirâmide de pelo menos 70 metros de altura e era guardada por uma enorme parede interna e externa.

Arqueólogos descobriram os restos de uma cidade perdida na China que prosperou há mais de 4.000 anos. A pirâmide foi construída a partir de uma colina de loess, com 11 degraus maciços que diminuem à medida que sobem, como mostrado acima

Milhares de anos atrás, quando floresceu, de cerca de 2.300 aC a 1.800 aC, a cidade tinha cerca de 988 acres.

A pirâmide foi construída a partir de uma colina de loess, com 11 degraus maciços diminuindo à medida que sobem, escreveram os pesquisadores em um artigo publicado na revista Antiquity.

Além da entrada, eles encontraram uma "grande praça aberta onde rituais e encontros políticos podem ter acontecido."

De acordo com os pesquisadores, palácios foram construídos no topo da enorme pirâmide de taipa com pilares de madeira e telhas.

A antiga cidade batizada de Shimao era o lar de uma pirâmide de pelo menos 70 metros de altura e era guardada por uma enorme parede interna e externa. Milhares de anos atrás, quando floresceu, de cerca de 2300 aC a 1800 aC, a cidade tinha cerca de 988 acres Em uma crista acima do rio Tuwei na China, o pesquisador encontrou uma enorme pirâmide em degraus que já serviu como um centro de palácio, junto com paredes de pedra defensivas, destroços de fabricação de ferramentas e um fosso cheio de crânios humanos de sacrifício

Pensa-se que as elites dominantes viviam no topo do complexo da pirâmide, que provavelmente também era o local da produção artesanal ou industrial.

Olhos e rostos de pedra antropomórfica foram encontrados esculpidos na fachada da pirâmide.

"Com sua altura imponente de pelo menos 70 m, a pirâmide podia ser vista de todos os pontos do assentamento, desde os subúrbios e até mesmo as periferias rurais.

"Assim, poderia muito bem ter fornecido um lembrete constante e avassalador para a população de Shimao do poder das elites governantes que residem no topo - um exemplo concreto da" pirâmide social ".

Pensa-se que as elites governantes viviam no topo do complexo da pirâmide, que provavelmente também era o local de produção artesanal ou industrial

Os pesquisadores dizem que os sacrifícios em massa também eram comuns em Shimao, com seis fossos contendo cabeças humanas decapitadas descobertas apenas na muralha externa.

Restos humanos e objetos de jade associados ao sacrifício também foram encontrados em outros monumentos de Shimao.

'Os objetos de jade e o sacrifício humano podem ter imbuído as próprias paredes de Shimao com potência ritual e religiosa, ampliando seu significado como um centro monumental, aumentando a eficácia protetora das paredes e tornando este um lugar de poder em todos os sentidos', os autores escreveu.

Além da entrada, eles encontraram uma "grande praça aberta onde rituais e encontros políticos podem ter acontecido". De acordo com os pesquisadores, palácios foram construídos no topo da enorme pirâmide de taipa com pilares de madeira e telhas

Notavelmente, os pesquisadores dizem que as descobertas são indicativas do status de Shimao como uma civilização cuidadosamente construída.

"Esta pesquisa revela que em 2000 aC, o loess highland era o lar de uma sociedade complexa que representava o coração político e econômico", escreveram os autores.

"Significativamente, foi descoberto que os símbolos centrais da Idade do Bronze posterior associados à civilização das planícies centrais foram, de fato, criados muito antes em Shimao."

As descobertas da Idade do Bronze desafiam nossa compreensão da civilização e colonização chinesa primitiva, sugerindo que o loess highland era o lar de uma sociedade complexa muito antes dos tradicionalmente assumidos "centros" emergirem nas Planícies Centrais

Restauração das Pirâmides

O financiamento obtido lentamente equivale a um lento progresso da restauração em Xi'an. No entanto, o Mausoléu Maoling continua sendo um destino turístico extremamente popular, com um museu dedicado ao período da Dinastia Han Ocidental e com mais de 4.000 tesouros escavados e relíquias culturais.

Enquanto isso, o mistério que cerca as pirâmides chinesas e suas origens reais continua a estimular a imaginação de quem foram os verdadeiros construtores - humanos ou não. Mas se o financiamento não estiver disponível, o mistério pode nunca ser resolvido e as estruturas podem desabar em ruínas antes que os arqueólogos - quanto mais os turistas - tenham a oportunidade de vivenciar a história enterrada dentro de suas paredes.

Artigo seguinte

Uma descoberta gigante que ofusca as pirâmides de Gizé: pirâmides há muito perdidas confirmadas no Egito

Como participante do Programa de Associados da Amazon Services LLC, este site pode lucrar com compras qualificadas. Também podemos ganhar comissões em compras de outros sites de varejo.

As pirâmides egípcias antigas há muito perdidas que ofuscam as pirâmides do planalto de Gizé parecem ser uma realidade.

Essas chamadas pirâmides perdidas podem mudar toda a história do Egito Antigo.

As misteriosas "pirâmides" descobertas em 2012 pela pesquisadora americana Angela Micol foram rejeitadas inicialmente por muitos como sendo apenas montes de areia e não estruturas feitas pelo homem no deserto. Mas 34 mapas antigos raros podem provar essas estruturas, redescobertos em 2012 podem ser pirâmides maiores do que as encontradas no planalto de Gizé. De acordo com imagens de satélite, um dos monumentos tem três vezes o tamanho da Grande Pirâmide de Gizé.

“Descobriu-se que essas formações são rotuladas como pirâmides em vários mapas antigos e raros, & # 8221 Micol disse ao Discovery News.

Essas estruturas podem ofuscar as pirâmides do planalto de Gizé

De acordo com Micol, o local onde os monumentos foram encontrados inclui um planalto triangular de 620 pés de largura que se acredita ter quase três vezes o tamanho da mais conhecida pirâmide do Egito Antigo.

Esta não foi a primeira vez que a comunidade arqueológica rejeitou grandes descobertas. Parece que de vez em quando, quando uma descoberta que muda a história é feita em algum lugar do planeta, é rapidamente descartada pelos estudiosos como sendo sem importância ou falsa. O melhor exemplo disso são as pirâmides da Bósnia localizadas em Visoko.

Não muito tempo atrás, a descoberta do gigantesco labirinto subterrâneo do Antigo Egito teve problemas semelhantes com os principais estudiosos e governos que decidiram manter a descoberta em segredo.

& # 8220As imagens falam por si mesmas, & # 8221 Micol disse quando anunciou suas descobertas. & # 8220É & # 8217 muito óbvio o que os sites podem conter, mas é necessária uma pesquisa de campo para verificar se eles são, de fato, pirâmides. & # 8221

Enquanto estudiosos autorizados permaneceram céticos sobre a descoberta e rejeitaram as "estruturas" como "Anomalias do Google Earth", surgiram evidências que apóiam as descobertas de Micol.

& # 8220Depois que o burburinho diminuiu, fui contatado por um casal egípcio que afirmou ter referências históricas importantes para ambos os locais & # 8221 disse Micol.

O casal era Medhat Kamal El-Kady, ex-embaixador do Sultanato de Omã, e sua esposa Haidy Farouk Abdel-Hamid, advogada, ex-conselheira na presidência egípcia e conselheira para questões de fronteira e questões internacionais de soberania que por acaso era colecionadores de mapas antigos, documentos antigos, livros e outros documentos históricos raros.

De acordo com Micol, três mapas datados de 1753 até o final da década de 1880 mostram a existência das pirâmides

A história fica extremamente interessante aqui. De acordo com Medhat Kamal El-Kady e Haidy Farouk Abdel-Hamid, as formações descobertas por Micol perto de Abu Sdihum são rotuladas como pirâmides em vários mapas antigos da região.

& # 8220Para este caso apenas, temos mais de 34 mapas e 12 documentos antigos, a maioria de cientistas e altos funcionários de irrigação, & # 8221 El-Kady e Farouk disseram ao Discovery News.

De acordo com o casal, existem pelo menos três mapas que verificam as descobertas de Micol:

Um mapa que data de 1753, feito por Robert de Vaugoudy.

Um raro mapa feito pelos engenheiros de Napoleão Bonaparte.

E um mapa do Major Brown, que data da década de 1880.

Curiosamente, existem vários documentos antigos que provam que os montes descobertos por Micol são na verdade pirâmides antigas, que foram enterradas na tentativa de esconder sua existência para sempre.

Mesmo que o local não tenha sido investigado adequadamente por arqueólogos que permanecem extremamente céticos sobre a descoberta, de acordo com Mohamed Aly Soliman, um dos indivíduos que visitaram o local perto de Abu Sidhum afirmou que esses montes foram construídos com diferentes camadas que não pertencem a paisagem circundante, o que significa que se tratava de estruturas artificiais feitas por antigos egípcios e não formações naturais como muitos descartaram.

& # 8220Esses montes estão definitivamente escondendo um sítio antigo abaixo deles, & # 8221 Mohamed Aly Soliman, que liderou a expedição preliminar perto de Abu Sidhum, disse ao Discovery News.

& # 8220Em primeiro lugar, o terreno ao redor deles é apenas um terreno plano normal. É apenas deserto & # 8212 areia e pedras & # 8221, disse ele. & # 8220Os montes são diferentes: você encontrará cerâmica em todos os lugares, conchas e camadas transportadas. Essas são camadas diferentes, não pertencentes ao local, e foram usadas pelos egípcios para esconder e proteger seus locais enterrados ”, disse ele.

& # 8220 Descrevendo-se como & # 8220 um dos muitos egípcios obcecados com a civilização dos faraós, & # 8221 Aly tem experiência como investigador particular e tem estudado para identificar sítios arqueológicos no Egito.

& # 8220Se olharmos para trás na história, descobriremos que os faraós usavam conchas do mar na construção de suas tumbas e pirâmides para fins de ventilação & # 8221 Aly disse.

De acordo com as lendas, a área perto das pirâmides abriga segredos antigos e contém "grande magia".

Se a descoberta provar ser uma pirâmide genuína, seria a maior já descoberta no Egito, tornando-se uma descoberta sem precedentes na história da humanidade.

& # 8220As imagens falam por si. É muito óbvio o que os sites podem conter, mas é necessária uma pesquisa de campo para verificar se eles são, de fato, pirâmides, & # 8221 disse Micol.


Ancient Secrets Chinas Lost Pyramids - História

por Terrence Aym
27 de outubro de 2011
do site BeforeItsNews

Nove cientistas universitários boquiabertos

na gigantesca pirâmide pré-histórica que não tinha o direito de existir

Uma equipe de ousados ​​pesquisadores chineses, investigando os antigos mistérios da origem de seu país, chegou à conclusão inevitável de que, 12.000 anos atrás, uma raça alienígena supremo interestelar usou grande parte das regiões do norte e centro da China como grandes bases terrestres.


Centenas de estranhas pirâmides cobrem partes da China

Uma dessas bases pode ser a surpreendente estrutura piramidal que fica perto do ápice do Monte Baigong, na província ocidental de Qinghai, a pirâmide de Xianyang.

A China é o foco de lendas, mitos e histórias de visitações alienígenas e muitos deles centram-se na pirâmide de Xianyang.

Os aldeões locais afirmam que seus ancestrais distantes falavam de grandes navios do céu que navegavam nos céus e usavam a pirâmide como local de pouso, reabastecimento e reabastecimento.


Origens de ET investigadas

A hipótese sobre extraterrestres é,

“compreensível e vale a pena examinar, [mas] meios científicos devem ser empregados para provar se é ou não verdade,” explicou aos repórteres Yang Ji, um dos cientistas e pesquisador da Academia Chinesa de Ciências Sociais.

Embora a equipe de exploração científica concorde, tudo indica que os alienígenas usaram a estrutura gigante como uma de suas bases terrestres primárias.

O topo é achatado - para acomodar navios de desembarque?

A pirâmide anômala se eleva quase 60 metros acima do campo - a área circundante repleta de canos misteriosos, artefatos bizarros e bizarras coisas e extravagâncias.

A agência estatal chinesa Xinhua enviou uma equipe de nove homens para investigar a pirâmide e relatar suas descobertas.

A equipe descobriu tubos saindo das cavernas e penetrando profundamente no solo, descendo para a terra - em direção a quê?

A equipe científica descobriu vários artefatos estranhos

A pirâmide tem três cavernas com aberturas em forma de triângulos em sua fachada e é preenchida com tubos em tons de vermelho que levam à montanha e a um lago de água salgada nas proximidades.

Acima das cavernas estão dezenas de tubos - todos de vários diâmetros - que misteriosamente correm para a encosta da montanha abaixo da pirâmide imponente. Todos os tubos combinam com a cor das rochas circundantes, um marrom-avermelhado escuro.

Um tubo quebrado vai fundo no solo para.

Em outros lugares, mais canos, muitos deles despedaçados, estão espalhados pelo chão em todas as direções.

Alguns dos canos seguem a margem de um lago salgado, enquanto outros mergulham na água e mergulham sob o leito do lago.

Um dos fragmentos de tubo de artefato 'alien'

Embora o propósito dos canos seja oficialmente classificado como desconhecido, alguns dos cientistas chineses estão se inclinando para a ideia de que a estrutura é realmente os restos de algum posto avançado avançado ou base estelar.

O complexo da pirâmide se estende muito além do que é visível e as evidências sugerem uma rede altamente tecnológica de tubos pressurizados que fornecem água e possivelmente combustíveis.

Artefatos estranhos cobrem o local da pirâmide

Uma vez que o antigo local data de pelo menos 10.000 aC - e talvez seja duas vezes mais antigo que isso - nenhum ser humano poderia tê-lo projetado como nenhuma cultura humana séria existia há muito tempo.

Qin Jianwen, o chefe do departamento de publicidade do governo Delingha, diz que fragmentos de parte do material do tubo foram levados para análise.

As peças eram compostas principalmente de dióxido de silício e óxido de cálcio, embora mais de 8% do metal não pudessem ser identificados.

"O grande conteúdo de dióxido de silício e óxido de cálcio é resultado da longa interação entre o ferro e o arenito, o que significa que os tubos devem ser muito antigos", explicou Liu Shaolin, um engenheiro que fez a análise.

Quantos anos? Alguns estão supondo 12.000 anos - talvez muito, muito mais velhos.


Enigma envolto em um mistério

O fato de tais estruturas existirem se encaixa perfeitamente na história não oficial da China - uma história que a maioria dos estudiosos prefere ignorar.

Alguns historiadores chamaram a cultura chinesa inicial de um & quotenigma envolto em um mistério & quot.

Os contos da antiguidade da China estão repletos de histórias sobre o & quot; povo quotsky & quot & quot e & quot; homens-deus & quot; que vieram das estrelas usando a Terra como uma base para a exploração. Ao longo do caminho, esses seres ensinaram a alguns dos povos primitivos os conceitos básicos de tecnologia, engenharia, agricultura e a estrutura complexa do universo.

Nos primeiros anos do século XX, dois mercadores da Austrália cruzaram a China central. Nas vastas planícies, eles encontraram mais de 100 pirâmides. Moradores disseram aos dois homens que as pirâmides eram muito antigas - algumas muito mais antigas que a China.

Outras pirâmides mais jovens datavam dos reinados dos imperadores mais antigos.

Esses governantes freqüentemente falavam de extraterrestres e civilizações em outros planetas como a Terra. Alguns dos imperadores até escreveram que eles eram a progênie,

dos filhos do céu, que pousaram na Terra em dragões de ferro.

Os & quotskymen & quot - alguns ainda afirmam - construíram as pirâmides mais antigas.


Espantosas 'pedras Dropa' podem fornecer pistas sobre bases alienígenas chinesas

Tradução de uma das pedras Dropa de 12.000 anos:

& quotOs Dropas desceram das nuvens em seus aviões. Os homens, mulheres e crianças dos povos vizinhos (Ham) se esconderam nas cavernas dez vezes antes do nascer do sol.

Quando finalmente entenderam a linguagem de sinais dos dropas, perceberam que os recém-chegados tinham intenções pacíficas. & quot

[Traduzido da linguagem nas pedras pelo homem que as decifrou com sucesso, Dr. Tsum Um Nui.]

A grande pirâmide Xianyang é apenas um dos muitos locais misteriosos que apontam para uma ou mais raças avançadas interagindo com os povos primitivos da Terra.

As famosas pedras Dropa também fornecem fortes evidências de longas visitas à Terra de antigos astronautas.

As pedras foram encontradas por Chi Pu Tei que liderou uma expedição arqueológica às montanhas desoladas e ventosas de Baian-Kara-Ula em 1938. A cordilheira fica na fronteira sino-tibetana e é o lar de muitas histórias sobre antigos extraterrestres que se misturaram com pessoas da Terra.

Ao explorar uma série de cavernas de montanha quase inacessíveis habitadas pela última vez por primitivos rústicos há milhares de anos, a equipe científica fez uma descoberta empolgante: algumas das paredes da caverna estavam cobertas com pictogramas representando cenas do Sistema Solar.

Além do mais, de alguma forma esses povos antigos criaram um mapa do céu ilustrando a Terra, o Sol, a Lua e várias estrelas conectadas com linhas e pontos que se cruzam.

Curiosamente, os mapas de pictogramas quase se assemelham a antigas rotas de comércio ou a um guia para exploradores.

Outros pictogramas ilustram seres frágeis com tigelas redondas em forma de capacete em suas cabeças.

Um dos mais de 700 discos Dropa encontrados

Mas a empolgação da equipe estava apenas começando.

Em uma das cavernas com os murais do céu, eles encontraram um disco de pedra meio enterrado na terra.

O disco tinha uma fina ranhura em espiral habilmente cortada em sua face, indo do centro para a borda. O disco que encontraram mede cerca de 23 centímetros de diâmetro e cerca de três quartos de polegada de espessura. O centro tem um buraco perfeito com três quartos de polegada de diâmetro.

Assim que encontraram o disco, Tei instruiu sua equipe a caçar por mais. Eventualmente, eles desenterraram um verdadeiro tesouro.

Um total de 716 discos foram encontrados, alguns em bom estado, outros rachados ou quebrados em pedaços.

Após inspeção posterior, misteriosos símbolos hieroglíficos foram encontrados esculpidos dentro das ranhuras. Obviamente, o disco continha um filão principal de informações de algum tipo.

Dois dos discos que o Dr. Tsum Um Nui decifrou

Infelizmente, apesar de sua importância potencial, os discos definharam por anos em caixas de embalagem.

Eles foram enterrados e esquecidos na área de armazenamento empoeirada de um museu até o Dr. Tsum Um Nui copiou a escrita de cada um dos discos sobreviventes para o papel.


Dr. Nui consegue decifrar 'pedras Dropa'

Os hieróglifos desconhecidos eram tão minúsculos que ele só conseguia lê-los com o auxílio de uma lupa poderosa.

Um especialista em decifrar línguas antigas, Nui trabalhou diligentemente por muitos meses para decifrar a linguagem. Finalmente, ele conseguiu. O que ele aprendeu mudaria a história conhecida do mundo, se alguém escutasse. Poucos o fizeram.

As pedras registraram uma história incrível escrita há pelo menos 12.000 anos por um povo fantástico que o mundo havia esquecido.

Os discos relacionam a viagem do Dropa à Terra. Como eles caíram durante a exploração do planeta e ficaram isolados na Terra, um mundo estranho desconhecido para eles. Sua espaçonave estava localizada no que mais tarde ficou conhecido como montanhas Baian-Kara-Ula, parte do Himalaia.

Presos, os viajantes perdidos buscaram refúgio em cavernas - as mesmas cavernas que Chi Pu Tei e sua equipe de exploração científica descobriram os discos.

"Os Dropas desceram das nuvens em seus aviões", disse outro disco.

& quotOs homens, mulheres e crianças dos povos vizinhos (Ham) se esconderam nas cavernas dez vezes antes do nascer do sol. Quando finalmente entenderam a linguagem de sinais dos dropas, perceberam que os recém-chegados tinham intenções pacíficas. & quot

Ainda outro disco fala sobre os alienígenas com cabeças protuberantes e corpos secos. No início, a tribo enviou caçadores para matar os invasores até que as pessoas descobriram que os seres estranhos não faziam mal.

Os moradores da área ainda contam as lendas sobre os visitantes que,

Depois de decifrar o máximo de discos que pôde, Nui escreveu um artigo sobre a descoberta histórica para a Academia Chinesa de Pré-história.

Eles se recusaram a publicá-lo. Embora bem documentado e sem a menor dúvida de ser fraudulento, o editor da revista disse a Nui que o mundo não estava pronto para que tais informações fossem conhecidas.

As autoridades chinesas de Mao também foram bastante explícitas em sua reação. Eles proíbem o médico de publicar seu artigo fora da China ou mesmo de falar das pedras Dropa.

Apesar da ordem, Nui compartilhou as informações com alguns colegas próximos e, por fim, parte da história vazou para o resto do mundo.


Cientistas russos juntam-se à investigação Dropa

O Los Angeles Herald-Examiner publicou & quotRiddle of Asian Stone Discs from Outer Space & quot em 26 de fevereiro de 1967:

Los Angeles Herald-Examiner relatou o seguinte:


Os arqueólogos russos estão intrigados com uma coleção notável de discos de pedra, com milhares de anos, encontrados nas montanhas que fazem fronteira com a China e o Tibete. É tão difícil explicá-los em termos da experiência terrena que os arqueólogos não descartam a possibilidade de que os discos possam ter vindo do espaço sideral.


Um total de 716 discos, como os rogramas gramofônicos da Idade da Pedra, foram coletados nos últimos anos por homens que exploravam cavernas na cordilheira Bayan-Kara-Ula, relata a nova revista em inglês da União Soviética, Sputnik.


Cada disco tem um orifício central e sulcos irregulares em espiral até a borda, mas o relatório diz (muito seriamente) que os arvoredos não são trilhas sonoras. Acredita-se que sejam alguma forma de escrita antiga, mas os cientistas ainda não conseguiram decifrá-los.


Os arqueólogos chineses estimam que os discos tenham cerca de 12.000 anos, mas não fizeram nenhum progresso na tentativa de explicar seu propósito ou como chegaram às cavernas.


Os russos, que examinaram alguns dos discos em um laboratório de Moscou, afirmam ter feito duas descobertas importantes. Uma é que os discos contêm certos traços de metal - particularmente cobalto.


The second discovery, according to Vyacheslav Zaitsev, author of the Sputnik report, is that the discs when scraped free of rock particles vibrate as if they carried an electric charge


Zaitsev, who has spent 30 years collecting evidence that intelligent beings from outer space have had contact with the earth, believes that the discs may give substance to ancient Chinese legends of small, gaunt, yellow-faced men who came down from the clouds many centuries ago.


In some of the Bayan-Kara-Ula caves, he writes, archaeologists and spelaeologists have found 12,000-year-old vestiges of graves and skeletons. The remains belong to human beings with huge craniums and underdeveloped skeletons.

The article focused on some Russian researchers who had been intently studying some of the Dropa stones .

"The Russians," wrote the Herald-Examiner, "who have examined some of the discs in a Moscow laboratory, claim to have made two important discoveries.

One is that the discs contain certain traces of metal particularly cobalt. Secondly, when placed on a special turntable they hummed in an unusual rhythm like an electrical charge was passing through them.

The Russian Zaitsev, who has spent 30 years collecting evidence that intelligent beings from outer space have had contact with the earth, believes that the discs may give substance to ancient Chinese legends of small, gaunt, yellow-faced men who came down from the clouds many centuries ago."


Incredible Ancient Asian art depicts alien encounters

China's pre-history is rife with alien ships, alien beings and alien goings-on.

An ancient Chinese relief depicts

an episode in the countryside when frightening "flying men" terrorized herders.

Eerily, the ancient artist recorded exactly what UFO investigators would record today.

This is a reproduction of the stone relief found by a scientific expedition of anthropologists during 1957 led by professor Tsj'i Pen-Lai. The remarkable relief was discovered within an ancient maze on Jotuo island in Lake Toengt'ing.

The expedition took place in 1957.

The Lolladoff disc plate above was found in Nepal and dated to around 10,000 BCE.

Note what appears to be a saucer-shaped object in the center and a being, resembling an alien at the lower right.


Not all aliens stay put in China

This old Asian scroll from Japan depicts a Japanese merchant happening upon a small flying saucer that's landed near a rice field.

Look carefully at the writing above the craft.

The column on the right is not Japanese, it's a representation of the symbols the merchant saw on the craft and described to the artist who then added them to the scroll for accuracy.


Isaac Newton’s Secret Great Pyramid Studies Revealed in Burnt Ancient Manuscripts

A part of the handwritten notes by Sir Isaac Newton and his investigation into the Great Pyramid of Egypt. Image Credit: Sotheby's.

Sir Isaac Newton was profoundly interested in the Great Pyramid and a series of ancient manuscripts reveal his studies of the monument.

The Great Pyramid of Giza is without a reason of a doubt one of the most enigmatic structures built by human hands. Captivating the imagination and attention of researchers, authors, and tourists for millennia, the Great Pyramid is the most impressive monument constructed by our ancestors.

Believed to have been built during the Fourth Dynasty of Egypt, the Great Pyramid is thought to have been completed around 4,500 years ago. It is the largest, most massive pyramid in Egypt, but not anywhere close to being the Earth’s largest. The largest pyramid on Earth, discovered to date, is the Great Pyramid of Cholula, a massive monument buried beneath a hill, located in present-day Mexico, in the district of Cholula, Puebla.

Nonetheless, despite the fact it is not the largest ever built, the Great Pyramid of Giza is a repository for secrets. Its very existence is the embodiment of the word mystery.

It has been revealed that a series of unpublished, burnt notes show that Sir Isaac Newton believed that Egypt’s pyramids held the key to the apocalypse.

The father of classical physics and the man who laid down many of the foundations for today’s science, including the laws of motion and gravity, held a profound admiration for the land of Pharaohs and the incredible monuments built millennia ago.

It was well known in the past that Sir Newton was greatly interested in alchemy and theology, something that only became obvious two centuries after his death. Now, a series of burnt documents reveal that the father of classical physics was extremely interested in the Pyramids of Egypt too, and he even thought that the key to the apocalypse was embedded within Egypt’s ancient pyramids.

“These are really fascinating papers because, in them, you can see Newton trying to work out the secrets of the pyramids,” Gabriel Heaton, Sotheby’s manuscript specialist, explained in an interview with the Observer.

“It’s a wonderful confluence of bringing together Newton and these great objects from classical antiquity which have fascinated people for thousands of years. The papers take you remarkably quickly straight to the heart of a number of the deepest questions Newton was investigating,” Heaton added.

The series of unpublished notes offer insight into sir Newton’s attempts to crack the code hidden within the Bible and understand the apocalypse’s exact time and everything related to it.

The unpublished notes, sold by Sotheby’s in an auction, are three pages of Newton’s writings on the Egyptian pyramids. The damaged papers offer an unprecedented look into the mind of Sir Newton and why he believed that the Egyptian pyramids held profound secrets that could offer the answer to the apocalypse.

The notes written by Sir Newton were damaged after Newton’s hound, Diamond, jumped one night on the table, tipping over a candle, causing the notes to catch fire. Luckily, the notes are still readable.

Sir Newton studied the meaning and secret of the Egyptian pyramids back in the 1680s when he placed work aside during a period of self-imposed exile following criticism of his work, the Guardian reveals.

Specifically, Sir Newton studied the Pyramid’s construction, and he was trying to understand the unit of measurement used in ancient times to construct the Gret Pyramid. He believed that this unit was of great importance because he believed that the builders of the pyramid managed to measure our planet’s diameter by unlocking the “Great Pyramids Cubit,” Newton believed he too would be able to measure the circumference of the planet. This tells us that Sir Newton firmly believed that the Great Pyramid builders—and likely their ancestors—were remarkable scientists, engineers, and builders.

As revealed by Sotheby’s, Sir Newton believed that ancient civilizations successfully measured the Earth using techniques that were lost to modern man.

Sir Newton believed, like many other scientists and experts, that civilizations like the ancient Egyptians possessed a deep understanding and knowledge that was eventually lost to the modern world. In essence, he thought that many ancient—occult—secrets that existed millennia ago were lost throughout history.

A scan of the handwritten notes of Sir Isaac Newton on his investigation of the Egyptian pyramids. Image Credit: Sotheby’s.

Indeed, the Great Pyramid is a repository of scientific wonders, and evidence of its incredible precision is well attested.

I have discussed its incredible precision and many of its mathematical secrets in this article.

The Gret Pyramid was the most perfect pyramid built by the ancient Egyptians. It was a moment that is made up of around 2.3 million blocks of stones. The pyramid’s total weight has been estimated at around 6.5 million tons.

The ancient monument is a true ancient wonder its base is level to just 2.1 centimeters (under 1 in) the average deviation of the sides form the cardinal directions is 3’6″ of arc the greatest difference in the length of the sides is no more than 4.4 centimeters (1.7 in).

The Great Pyramid is also the only known eight-sided pyramid in Egypt. This curious characteristic—which not many people know of—was spotted for the first time by British Air Force pilot P. Groves in 1940 as he was flying above the Pyramid.

Why such phenomenal precision? Why such incredible accuracy? Why such a unique building? For the Pyramid’s royal designers, such mind-boggling precision and accuracy might have been imbued with symbolic and cultic significance that now eludes us, reveals Egyptologist Mark Lehner.

Sir Isaac Newton knew that the Great Pyramid was one of the most unique monuments ever built, and he hoped that the understanding of this ancient structure would help him better understand the ancient system of measurement, allowing him to reveal the architecture and dimensions of the Temple of Solomon—the setting of the apocalypse—and eventually the interpretation of hidden meanings embedded within the Bible.

“He was trying to find proof for his theory of gravitation, but in addition, the ancient Egyptians were thought to have held the secrets of alchemy that have since been lost,” explained Heaton. “Today, these seemingly disparate areas of study – but they didn’t seem that way to Newton in the 17th century.”

Although Sir Isaac Newton was a superstar scientist, a title he cemented in 1687 when he published his work Philosophiae Naturalis Principia Mathematica, Newton was very attracted—and perhaps obsessed—with alchemy and the study of unorthodox subjects of the time.

The ancient manuscripts auctioned by Sotheby’s are a treasure trove of history and prove that science and alternative science can go hand to hand.


Assista o vídeo: As pirâmides perdidas da China!