Biblioteca da Abadia de St. Gall: uma das bibliotecas mais antigas do mundo

Biblioteca da Abadia de St. Gall: uma das bibliotecas mais antigas do mundo

Fundada durante o século 8, a Abadia de St. Gall serviu tanto à Igreja quanto aos estudiosos ao longo dos anos. A sua biblioteca tem um desenho particular por ser uma das bibliotecas monásticas mais antigas e importantes do mundo.

A Abadia de St. Gall era um importante mosteiro localizado em St. Gallen, uma cidade no nordeste do cantão suíço de mesmo nome. Continuou a cumprir a sua função monástica até ser secularizada no início do século XIX. Várias décadas depois, a antiga igreja da abadia foi consagrada como uma catedral da Diocese Católica Romana de Saint Gallen.

St. Gallen, a igreja da abadia. (Dguendel / CC BY 3.0 )

Estabelecendo a Abadia

A história da Abadia de St. Gall começa com o monge irlandês St. Gallus, um seguidor do missionário irlandês St. Columbanus. Segundo a tradição, no ano 612/613, São Galo estava viajando para o sul do Lago de Constança para uma floresta quando recebeu um sinal divino (embora existam várias versões, a maioria delas envolve um urso). Como resultado disso, o monge decidiu estabelecer seu eremitério naquele local.

  • A Biblioteca Celsus: 20.000 pergaminhos perdidos na história, mas sua impressionante arquitetura permanece
  • Ashurbanipal: a biblioteca real mais antiga do mundo, com mais de 30.000 tabletes de argila
  • A busca pela biblioteca perdida de Ivan, o Terrível

Foi, no entanto, apenas cerca de um século depois que a Abadia de St. Gall foi fundada. Durante o século 8 (várias datas foram fornecidas), São Othmar estabeleceu uma comunidade de monges beneditinos centrada no eremitério de São Galo e ele se tornou o primeiro abade do local. Assim, a Abadia de St. Gall foi estabelecida. Como os monges beneditinos da Idade Média eram conhecidos por suas atividades acadêmicas e literárias, uma escola de escribas e tradutores também foi fundada por Santo Othmar.

St. Gallus e St. Othmar - duas figuras-chave para a Abadia de St. Gall.

A Destruição Acontece na Abadia

Foi durante o século IX que a Abadia de St. Gall se tornou uma importante abadia beneditina, bem como um dos mais importantes centros de aprendizagem da Europa. A evidência mais antiga da existência de uma biblioteca na Abadia de St. Gall também data do século IX. Uma planta do mosteiro datada de cerca de 820 mostra que a biblioteca está anexada à igreja principal da abadia.

Em 937, um grande incêndio destruiu grande parte da abadia, bem como o povoado que cresceu ao seu redor. Felizmente, a biblioteca da abadia foi poupada. Nos séculos seguintes, a fortuna da Abadia de St. Gall subiu e desceu, até que foi finalmente secularizada nos primeiros anos do século XIX.

A Abadia de St. Gall em 1769 em uma gravura contemporânea.

As estruturas que hoje podem ser vistas no local da antiga abadia datam de meados do século XVIII. Durante este tempo, a maioria das estruturas medievais restantes da abadia foram demolidas, para que o complexo pudesse ser expandido. O arquiteto austríaco Peter Thumb foi contratado para projetar o novo complexo e a abadia foi reconstruída em estilo barroco.

O interior da Catedral é um dos monumentos barrocos mais importantes da Suíça. ( CC BY SA 3.0 )

Um Centro de Aprendizagem

Uma das partes mais notáveis ​​da reconstrução da abadia é a sua nova biblioteca, que foi construída entre 1755 e 1768 e pertence ao estilo rococó. Hoje, a Abadia de St. Gall é um Patrimônio Mundial da UNESCO, e as únicas partes deste complexo abertas à maioria dos visitantes são sua biblioteca e sua catedral, que costumava ser a igreja da abadia.

  • A Biblioteca de Pérgamo: um candidato à Maior Biblioteca do Mundo Antigo
  • Do papiro ao pergaminho: a Biblioteca Imperial de Constantinopla
  • Um banquete para os olhos e ouvidos: a biblioteca mais bela e majestosa do mundo

A biblioteca da abadia continuou sua missão de colecionar obras escritas, o que ainda hoje faz. Como resultado deste empreendimento contínuo que já dura 12 séculos (e contando), a biblioteca da Abadia de St. Gall possui uma coleção de mais de 150.000 peças de trabalho.

A biblioteca. (Stiftsbibliothek St. Gallen / CC BY SA 3.0 )

Esta coleção inclui um grande número de manuscritos inestimáveis ​​que datam da Idade Média, incluindo 2.100 que são anteriores a 1501. O plano da abadia do século 9 é um exemplo. Outros trabalhos notáveis ​​incluem o St. Gall Cantatorium , um cantatório do século 10 (uma coleção de cantos para a missa), que é considerado o mais antigo manuscrito musical completo conhecido no mundo, bem como o século 4/5 Vergilius Sangallensis , que contém Virgil's Eneida, Georgics, e Eclogues (conhecido também como Bucólicas ).

O Plano de St. Gall, o único grande desenho arquitetônico remanescente do início da Idade Média. (Domínio público )


Biblioteca da Abadia de St Gall (Stiftsbibliothek) e # 8211 St. Gallen, Suíça

Como chegar lá:
A biblioteca fica a uma curta caminhada do St. Gallen HB.
O ônibus 11 em direção a Abacus-Platz o trará da estação St. Gallen. A parada de ônibus mais próxima se chama & # 8220Stiftsbezirk & # 8221 e fica ao lado da Biblioteca da Abadia.

* Não é permitido tirar fotos dentro da biblioteca. As imagens usadas aqui são do Wikimedia Commons.

A biblioteca mais antiga da Suíça e uma das mais bonitas do mundo está localizada na abadia de Saint Gall, na 7ª maior cidade da Suíça e # 8211 St. Gallen.

O salão barroco da Biblioteca da Abadia é impressionante com suas luxuosas decorações rococó.

A Biblioteca da Abadia de St. Gall & # 8217s é uma das mais antigas e belas do mundo. As origens da biblioteca remontam ao século 8, e muitos de seus 160.000 textos inestimáveis ​​são quase tão antigos.

O Convento de St Gall, um exemplo perfeito de um grande mosteiro carolíngio. Vista aérea do convento de St Gall com a Catedral de St Gallen.

Catedral de São Galo

O salão da biblioteca, projetado pelo arquiteto Peter Thumb em estilo rococó, foi construído entre 1758-1767. Uma inscrição grega acima da porta de entrada, Psyché iatreion, se traduz como & # 8220apotecário da alma & # 8221.

* Isenção de responsabilidade: eu apenas escrevo sobre bibliotecas que visito pessoalmente. Esta postagem do blog representa minha opinião pessoal e ninguém a patrocina.


História

Saint Gall, um monge irlandês, ergueu uma ermida que posteriormente se tornou o mosteiro. Após a morte de Saint Gall em 646, Othmar foi nomeado por Charles Martel como o guardião das relíquias de Gall. Foi durante o governo de Pepino, o Breve, que Othmar fundou a Abadia de St. Gall, onde a literatura e a ciência floresceram. A abadia desenvolveu-se ainda mais e muitos nobres de Alemanni tornaram-se monges. Durante o governo do Abade Waldo de Reichenau, a cópia de manuscritos começou, o que acabou abrindo o caminho para uma biblioteca.

A Era da Prosperidade (Idade de Ouro)

No século 9, a abadia entrou em conflito com o Bispado de Constança. Foi em 813, quando o Imperador Luís, o Piedoso, confirmou a proximidade imperial da abadia que a disputa parou. A abadia foi transformada em abadia imperial e o rei Luís, o alemão, confirmou sua imunidade em 833.

A abadia floresceu desta época até o século X. Muitos estudiosos famosos, incluindo Notker de Liège, Notker Labeo, Notker, o Stammerer e Hartker, foram associados à abadia. A biblioteca foi ampliada durante o século IX. A abadia comprou manuscritos sobre vários tópicos e cópias foram feitas. Mais de 400 manuscritos estão preservados e podem ser encontrados na biblioteca hoje.

A Idade da Prata Cultural

Entre 924 e 933, a abadia foi ameaçada pelos magiares, resultando na remoção de livros para Reichenau. Dentre esses, muitos não foram devolvidos à biblioteca. Em 937, a abadia foi danificada por um incêndio, embora a biblioteca tenha sobrevivido.

Abadia principesca

A abadia se tornou uma abadia principesca quando o abade Ulrich von Sax foi coroado como príncipe do Sacro Império Romano pelo rei Filipe da Suábia em 1207. A abadia começou a se envolver na política local, o que resultou em seu declínio.

Em 1524, a cidade de St. Gallen abraçou a Reforma enquanto a abadia permaneceu católica, o que resultou na desarmonia entre a cidade e a abadia.

A abadia foi invadida por grupos calvinistas no século 16, e muitos livros antigos foram espalhados. O abade Diethelm iniciou a restauração que evitou o declínio. A biblioteca também foi ampliada. Uma última tentativa foi feita para expandir a abadia, o que resultou na demolição da maioria dos mosteiros medievais. O novo edifício, incluindo a catedral, foi projetado pelo arquiteto Peter Thumb. A construção em estilo barroco tardio ocorreu entre 1755 e 1768.

Planta da Abadia de Saint Gall Abadia de Saint Gall Biblioteca da Abadia de Saint Gall
Interior da Catedral da Abadia de Saint Gall Igreja da Abadia de Saint Gall Imagens da Abadia de Saint Gall
Abadia de Saint Gall em Frente Abadia de Saint Gall Inside Imagens da Abadia de Saint Gall
Dentro da abadia Abadia principesca Distrito da Abadia de Saint Gall

Bibliotecas imperdíveis em todo o mundo

As bibliotecas têm servido como fonte de conhecimento e desenvolvimento cultural por milhares de anos. Eles resistiram ao teste do tempo e continuam a ser instituições de avanços tecnológicos e arquitetônicos em todo o mundo. Existem milhares de bibliotecas em todo o mundo e, embora cada biblioteca seja fascinante e inspiradora à sua maneira, a biblioteca que você mais ama é ainda mais especial. Em comemoração ao “dia de prateleira” da biblioteca nacional - celebrado na quarta quarta-feira de cada janeiro - aqui estão várias das bibliotecas mais favoritas do BookClub em todo o mundo.

Biblioteca e Museu Morgan | Cidade de nova iorque, ny | nós

O banqueiro Pierpont Morgan era um colecionador infame de arte e tesouros literários inestimáveis. Em 1903, ele contratou Belle da Costa Greene para atuar como curadora de sua coleção. Greene construiu a coleção de livros e manuscritos raros de Morgan e, quando Morgan morreu, seu filho transformou a coleção em um museu e biblioteca de pesquisa, abrindo sua coleção ao público e nomeando Greene como diretor.

Uma pioneira do sistema de bibliotecas dos dias modernos, Greene & quot facilitou o acesso generalizado à coleção por meio de empréstimos de objetos e serviços fotográficos ambiciosos, e promoveu o trabalho de ilustres acadêmicas e bibliotecárias ”. A biblioteca Morgan é o sonho de qualquer amante dos livros, com paredes de livros e uma enorme lareira de pedra onde os visitantes podem sentar e desfrutar da paisagem. Esta coleção particular contém algumas das peças literárias mais preciosas exibidas ao público. Os destaques da coleção incluem Charles Dickens e o manuscrito de # x27s de A Christmas Carol, Diários de Henry David Thoreau & # x27s, cartas de Thomas Jefferson & # x27s para sua filha Martha e os manuscritos e cartas de Jane Austen, Charlotte Brontë, Lord Byron, Wilkie Collins, Albert Einstein, John Keats, Abraham Lincoln e John Steinbeck (apenas para cite alguns).

A Biblioteca Rampur Raza | Rampur, Uttar Pradesh | Índia

Fundada no final do século 18 pelos nababos de Rampur (uma família que governou a área por anos), a Biblioteca Rampur Raza desde então se tornou um repositório da cultura indo-islâmica. A biblioteca tem uma das maiores coleções de manuscritos raros, documentos históricos como a primeira tradução do Alcorão, obras de arte e muito mais. Ao todo, a biblioteca abriga até 30.000 livros em vários idiomas, então é fácil ver por que esta é uma das bibliotecas mais influentes do mundo.

A biblioteca não é apenas um monumento cultural, mas com seus tetos altos cobertos por pinturas ornamentadas, é um fenômeno arquitetônico, muitas vezes listado como uma das bibliotecas mais bonitas do mundo inteiro. Agora pertencente e operado pelo governo da Índia, o prédio em si é enorme, então é fácil se perder na magia por uma ou duas horas. Mesmo que você tenha apenas um momento para aproveitar, sente-se em uma das várias salas de leitura para ler um livro, uma revista ou simplesmente absorver tudo.

Biblioteca Central de Seattle | Seattle, WA | nós

A Biblioteca Central de Seattle foi inaugurada em sua localização atual em 1906 e passou por várias reformas. O edifício atual foi reformado em 2004 pelos arquitetos Rem Koolhaas e Joshua Ramus. A dupla projetou um belo edifício moderno com paredes de vidro maciças apoiadas por vigas lapidadas em diamante. O enorme edifício de 404.000 pés quadrados contém um intrincado sistema de classificação de livros que se assemelha a uma esteira transportadora de bagagem em um aeroporto.

Embora seja um símbolo de avanço tecnológico, o edifício homenageia os tesouros que contém - incluindo 1,5 milhão de livros e outros documentos. As coleções de livros de não ficção são organizadas em uma faixa contínua em espiral do Sistema Decimal de Dewey que desce quatro dos onze andares do edifício. Segundo o ArchDaily, os assuntos evoluem em relação aos demais, ocupando mais ou menos espaço na fita dependendo da popularidade do assunto e # x27s.

Biblioteca de Alexandria | Alexandria | Egito

A Biblioteca de Alexandria não é apenas uma biblioteca antiga perdida na antiguidade e incendiada por Júlio César, é também uma importante biblioteca e centro cultural. Reconstruída em 2002 para comemorar a biblioteca antiga, ela contém espaço de prateleira para 8 milhões de livros e abriga quatro museus, quatro exposições de arte temporárias, 15 exposições de arte permanentes, um laboratório de restauração de manuscritos e um planetário.

A Universidade de Alexandria começou a trabalhar na reconstrução da biblioteca em 1974 e finalmente conseguiu erguer a nova biblioteca por meio de doações da UNESCO e de muitos estados do Oriente Médio e do Norte da África (MENA). Projetada por uma equipe de arquitetura composta por dez membros de seis países, a biblioteca é uma das mais diversificadas do mundo. A sala de leitura principal tem 220.000 pés quadrados e fica sob um telhado de painéis de vidro de 32 metros (104 pés) de altura que está inclinado em direção ao Mar Mediterrâneo como um relógio de sol. O prédio fica às margens do Mediterrâneo, e suas paredes de granito de Aswan são esculpidas com personagens de 120 escritos humanos. A Biblioteca de Alexandria também é trilíngue, abrigando livros em inglês, árabe clássico e francês, e a doação de 500.000 livros da Biblioteca Nacional da França em 2010 torna a Biblioteca de Alexandria a sexta maior biblioteca francófona do mundo. Não importa o idioma em que você lê, a coleção de livros, mapas e outros artefatos desta biblioteca é imperdível.

Biblioteca do Parlamento | Ottawa | Canadá

A Biblioteca do Parlamento, um edifício icônico inaugurado em 1876, não é apenas um repositório de informações e centro de recursos em Ottawa, é um lugar em que a democracia canadense e a pesquisa se unem. Na verdade, uma equipe de funcionários da biblioteca trabalha dia após dia para apoiar a democracia parlamentar.

O edifício resistiu ao seu quinhão de provações e tribulações, incluindo vários incêndios que teriam destruído o edifício em 1916 se não fosse pelo primeiro bibliotecário parlamentar, Alpheus Todd. Todd teve a precaução de sugerir aos arquitetos que as portas da biblioteca fossem feitas de aço puro e incontestável, o que manteve o fogo sob controle. A bela biblioteca é um ícone canadense e também está incluída na nota de dez dólares canadense.

Biblioteca da Abadia de Saint Gall | St. Gallen | Suíça

Uma das bibliotecas monásticas mais antigas que existem, a Biblioteca da Abadia de Saint Gall foi construída por volta do século VIII. Talvez uma das características mais interessantes do Abbey & # x27s seja sua compilação de estilos arquitetônicos. Estilos de época desde a Alta Idade Média são representados, ajudando a designar a Abadia e a biblioteca como Patrimônio Mundial em 1983.

Os visitantes podem ver provas da progressão histórica do conhecimento humano dentro das paredes da biblioteca, por meio de itens como a planta arquitetônica mais antiga conhecida desenhada em pergaminho. O século 10 St. Gall Cantatorium (uma coleção de cantos para a missa), é considerado o mais antigo manuscrito musical completo conhecido em todo o mundo, e 2.100 manuscritos anteriores ao século 14 chamam a biblioteca de seu lar.

Os belos espaços acima preservam algumas das peças literárias mais preciosas do mundo, ao mesmo tempo que proporcionam acesso para que todos possam adquirir conhecimento e contemplar as maravilhas arquitetônicas. As bibliotecas protegem o passado enquanto olham para o futuro da literatura. E embora possamos não ser capazes de visitá-los pessoalmente devido à pandemia, admirá-los online quase faz justiça.

Você já foi a uma biblioteca famosa? Compartilhe suas fotos no Instagram ou Twitter e certifique-se de marcar @bookclubdotcom.


Biblioteca da Abadia de St. Gall: uma das bibliotecas mais antigas do mundo - História

(Wcsa.world) Sua ampla coleção de manuscritos - alguns dos quais datam do século 8 - ajuda a tornar as instalações da Abadia de Saint Gall em St. Gallen, Suíça, uma das bibliotecas monásticas mais importantes do planeta. Junto com o resto da abadia, é listado como Patrimônio Mundial da UNESCO por ser "um exemplo perfeito de um grande mosteiro carolíngio".

A Biblioteca da Abadia de Saint Gall (alemão: Stiftsbibliothek) foi fundada por Saint Othmar, o fundador da Abadia de St. Gall. Durante um incêndio em 937, a Abadia foi destruída, mas a biblioteca permaneceu intacta. Em 1983, a biblioteca, juntamente com a Abadia de St. Gall, foram declaradas Patrimônio da Humanidade, como "um exemplo perfeito de um grande mosteiro carolíngio".

A sala da biblioteca projetada pelo arquiteto Peter Thumb em estilo rococó, foi construída entre 1758-67. A coleção da biblioteca é a mais antiga da Suíça e é uma das primeiras e mais importantes bibliotecas monásticas do mundo.

A biblioteca possui 2.100 manuscritos que datam do século VIII ao século XV, 1.650 incunábulos (impressos antes de 1500) e livros impressos antigos. Esses manuscritos são colocados dentro das caixas de vidro. Irlandês, carolíngio e otoniano estão entre os melhores desses manuscritos. A biblioteca possui quase 160.000 volumes, e a maioria está disponível para uso público. Para saber o seu interesse sobre o que você quer ler existe uma pista no topo da estante onde você pode ver querubins dando pistas do seu interesse.

Deluna Nguyen (coletar) - WCSA - World Copyright Academy (fonte da foto: Internet)


Biblioteca da Abadia de St. Mang e # 39s (Alemanha)

Embora pouco tenha restado do conteúdo original da biblioteca da Abadia de St. Mang em Füssen, Alemanha, a arquitetura interna é grande o suficiente para justificar uma visita, no entanto. Os livros ainda se alinham na sala oval ornamentada que é adornada com afrescos impressionantes, e possui uma vista da sala de jantar dos monges.

A Abadia de St. Mang, que remonta ao século IX, já foi um mosteiro, mas foi convertida em uma igreja de estilo barroco no início de 1700, quando o movimento da Contra-Reforma viu muitas igrejas católicas se converterem ao protestantismo em toda a Europa. A coleção original de livros e manuscritos da biblioteca foi removida no início de 1800 depois que os príncipes de Oettingen-Wallerstein assumiram o controle da abadia após as guerras napoleônicas. (Esses livros e manuscritos agora estão alojados na Universidade de Augsburg.)


Biblioteca da Abadia de St. Gall: uma das bibliotecas mais antigas do mundo - História

Se você é fã do minimalismo, pode colocar seus óculos escuros e tomar um calmante agora. Se, por outro lado, você acredita como o escritor Jorge Luis Borges que o Paraíso é uma biblioteca, aperte o cinto e prepare-se para ser transportado para o paraíso na terra.

Um novo livro da Taschen, Massimo Listri: as bibliotecas mais bonitas do mundo, apresenta imagens tiradas por Listri das bibliotecas mais antigas e melhores do mundo, de instituições medievais a instituições do século 19 e de coleções particulares a monásticas. Afirma ser "um concurso de beleza bibliófilo".

(Crédito: Massimo Listri / Taschen)

Biblioteca Apostolica Vaticana (Biblioteca do Vaticano), Roma, Itália

A Biblioteca do Vaticano tem suas raízes no século IV dC, embora em sua forma atual tenha sido fundada no século XV. No século 16, o Papa Sisto V encomendou ao arquiteto Domenico Fontana a criação de novos edifícios para abrigar as coleções do Vaticano, e estes ainda são usados ​​hoje. A decoração é tão luxuosa que sugere uma espécie de geometria fractal.

Como a maior parte do vasto complexo do Vaticano, a biblioteca é uma mostra da influência espiritual e temporal que permitiu ao Vaticano se constituir como um estado soberano. Além de documentos que abrangem grande parte da história humana, a biblioteca possui o manuscrito mais antigo conhecido da Bíblia. Quando o bibliotecário o cala, você pode querer ouvir: ele tem o posto de cardeal.

(Crédito: Massimo Listri / Taschen)

Stiftsbibliothek Kremsmünster (Biblioteca da Abadia de Kremsmünster), Áustria

A Abadia de Kremsmünster foi fundada em 777 dC e seus acervos de biblioteca incluem o Codex Millenarius, um famoso manuscrito do século 8 dos Evangelhos Cristãos que retrata São Lucas como um boi voador (Mateus, Marcos e João são um homem alado, leão e águia respectivamente). Exceto por uma invasão no século 10, após a qual os reparos foram feitos pelo imperador Henrique II, Kremsmünster em sua maior parte escapou do saque, da dissolução e da expropriação aristocrática, o que não é de admirar, já que fica em uma colina como uma fortaleza intimidante.

Como muitas bibliotecas continentais, foi (re) construída no popular estilo barroco no século 17, segundo o qual a maioria das superfícies (felizmente não incluindo o piso) são submetidas a exuberantes entalhes, douramentos e afrescos - embora esta biblioteca seja positivamente contida em comparação com alguns. Livros como capital intelectual e cultural já foram considerados tão valiosos quanto joias, e fazia sentido que fossem armazenados e expostos em lindas caixas de joias.

(Crédito: Massimo Listri / Taschen)

Biblioteca Statale Oratoriana dei Girolamini (Biblioteca Girolamini), Nápoles, Itália

A biblioteca Girolamini faz parte de um grande complexo fundado pela ordem religiosa oratoriana. A sala da biblioteca é um espaço imponente que se eleva por meio de três elegantes andares: dois níveis de estantes de madeira entalhada, encimadas por gesso do barroco tardio e afrescos. O grande volume de livros em exposição não deixa dúvidas de que este é um local de estudos e pesquisas superiores, bem como um depósito de conhecimento. Embora ampla, a coleção é particularmente forte na música: os oratorianos acreditam na importância da música e do canto na contemplação religiosa.

Esta era a biblioteca favorita do filósofo do século 18 Giambattista Vico. É também, infelizmente, um exemplo de uma biblioteca histórica sendo saqueada no século 21: em 2012, foi descoberto que uma quadrilha de criminosos havia sistematicamente saqueado e vendido seus valiosos textos antigos no mercado aberto, embora muitos deles já estivessem recuperado. Este episódio é um lembrete valioso, se necessário, que a herança escrita da humanidade - a "memória do mundo", como a Unesco a chama - permanece sob constante ameaça de ataque.

(Crédito: Massimo Listri / Taschen)

Bibliothèque Sainte-Geneviève (Biblioteca Sainte-Geneviève), Paris, França

Embora saibamos que é provavelmente mais antiga, informações documentais sobre esta biblioteca aparecem pela primeira vez em 1148. Ela foi fundada como uma biblioteca monástica, sobreviveu intacta aos anos calamitosos da Revolução (embora a abadia da qual fazia parte tenha sido dissolvida e transformada em uma escola ), e agora funciona como a biblioteca da universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne. O acervo da biblioteca se expandiu com a dissolução de outras instituições religiosas e com o confisco de coleções aristocráticas.

A nova igreja da abadia, construída no século 18, foi transformada no famoso Panthéon, o corredor da fama nacional. O actual edifício da biblioteca foi criado pelo arquitecto Henri Labrouste e inaugurado em 1851. A majestosa sala de leitura assemelha-se a uma catedral da Era Industrial e a construção em estrutura de ferro faz lembrar as outras grandes catedrais públicas da época, as estações ferroviárias. Em um arranjo moderno, as mesas para os leitores estão no centro do palco, com as pilhas de livros em um atendimento gracioso. A iluminação a gás foi empregada em um hall monumental pela primeira vez.

(Crédito: Massimo Listri / Taschen)

Klosterbibliothek Metten (Biblioteca da Abadia de Metten), Alemanha

A Abadia Beneditina em Metten foi fundada em 766, mas foi fustigada pela Reforma, guerra, agitação social, secularização e a realpolitik girando em torno dela. Isso atingiu um auge em 1803, quando a propriedade da abadia, incluindo suas coleções de biblioteca, foi confiscada e leiloada. No entanto, sob o rei Ludwig I da Baviera, a abadia foi reaberta e uma nova biblioteca foi estabelecida, o local mais uma vez se tornou um reduto de conhecimento e educação.

Sob o abade Märkl, o mosteiro foi transformado em palácio de um prelado, mais de acordo com o prestígio que comandava. Entre suas impressionantes salas de recepção oficial está a biblioteca, que é projetada de acordo com um sofisticado esquema teológico. O resultado é um paladar densamente saturado e surpreendentemente lúdico de belos materiais.

O escultor Franz Josef Holzinger foi contratado para criar os "atlantes" nas colunas centrais para sustentar o teto (porque uma coluna de mármore comum nunca serviria). Heróis cristãos como Tomás de Aquino são capturados em cenas de suas vidas nos afrescos do teto. Se há um problema com esta abordagem rococó para construir um "templo do conhecimento", é talvez que às vezes seja necessário apertar os olhos para encontrar os livros.

(Crédito: Massimo Listri / Taschen)

Stiftsbibliothek Sankt Gallen (Biblioteca da Abadia de Saint Gall), St Gallen, Suíça

Por muito tempo, a Abadia de St Gall foi um dos mais importantes centros intelectuais da Europa Ocidental e incorpora uma das maiores bibliotecas medievais do mundo. A abadia foi fundada no século 7 pelo monge irlandês Gallus, e seguiu a Regra de São Bento - o mais livresco dos santos, que exigia de sua ordem a contemplação disciplinada dos textos religiosos - por mais de mil anos.

Uma inscrição grega acima da entrada da biblioteca o chama de "santuário para a alma". A biblioteca de hoje surgiu durante a remodelação barroca da abadia no século 18 pelo arquiteto Peter Thumb. A decoração é própria de um local de grande capital cultural. Há rica ornamentação rococó em toda parte, especialmente no trabalho de estuque. As estantes de madeira entalhada cobrem completamente as paredes em dois níveis, enquanto as pinturas do teto retratam concílios ecumênicos e padres da igreja. A abadia foi incluída na lista do Patrimônio Mundial da Unesco em 1983.

(Crédito: Massimo Listri / Taschen)

Stiftsbibliothek Admont (Biblioteca da Abadia de Admont), Áustria

O que quer que você pense sobre religião, é claro que os mosteiros e suas bibliotecas foram historicamente as baterias que mantiveram a luz (o que consideramos) da civilização ocidental acesa. A biblioteca da Abadia de Admont tem sido uma das maiores fontes de energia cultural armazenada por quase um milênio. É a maior biblioteca monástica do mundo e também pode ser a maior.

A comunidade beneditina de Admont remonta a 1074 e coleciona livros o tempo todo. A abadia possui atualmente cerca de 1.400 manuscritos preciosos, dos quais mais da metade datam da Idade Média e o mais antigo é do século VIII. Modelado com base na Biblioteca da Corte Imperial de Viena, que seu arquiteto Josef Hueber também projetou, é reconhecido como uma obra-prima.

O interior barroco da biblioteca de 70 m de comprimento é composto por sete abóbadas circulares, divididas por uma grande abóbada central em cujo teto está um afresco de "Sabedoria Divina" do artista Altomonte. Os quartos estão repletos de esculturas impressionantes de Josef Stammel, que trabalhou para a Admont por muitos anos. Os livros são organizados por assunto, sob afrescos correspondentes, de acordo com os ideais do Iluminismo.

(Crédito: Massimo Listri / Taschen)

Strahovská Knihovna (Biblioteca do Mosteiro Strahov), Praga, República Tcheca

O mosteiro Premonstratense Strahov foi fundado em 1143 e sobreviveu a incêndios, guerras e pilhagens. Felizmente, os buracos em sua coleção foram mais do que compensados ​​ao longo dos anos por aquisições e legados. A biblioteca abriga a coleção usual de livros religiosos, incluindo o requintado Strahov Evangeliary do século 9, com pedras semipreciosas embutidas na encadernação, mas seus acervos cobrem uma ampla gama de tópicos.

No projeto, a biblioteca possui dois salões monumentais. O Theological Hall foi encomendado pelo Abade de Strahov em 1671, seu trabalho de estuque desenfreado e muitas pinturas e inscrições (ilustrando os princípios da fé, estudo, conhecimento e providência divina) o colocam firmemente na tradição barroca boêmia. O fato de seus códices serem uniformemente encadernados em branco dá ao salão uma sensação agradavelmente bem ordenada.

A Sala Filosófica (mostrada aqui) foi construída a partir de 1783, tem um design mais neoclássico e é caracterizada por seus magníficos armários de livros de nogueira, que foram resgatados da abadia dissolvida de Louka, na Morávia. Após o golpe comunista, o mosteiro foi apropriado pelo Estado da Tchecoslováquia em 1950 para se tornar parte do Museu da Literatura Tcheca. Mas, após a queda do comunismo, as coleções foram devolvidas aos premonstratenses, que desde então vêm trabalhando para consertar décadas de abandono.

(Crédito: Massimo Listri / Taschen)

Biblioteca do Trinity College, Dublin, Irlanda

Se você ainda está de óculos escuros, pode tirá-los agora, porque a Long Room na biblioteca do Trinity College é agradavelmente baixa em ornamentação e suavemente alta em simetrias iluministas. Elizabeth I da Inglaterra fundou o Trinity College em 1592 como um centro de estudos protestantes, com a ideia de romper com a tradição monástica de aprendizado e estabelecer uma nova estrutura dentro da Universidade de Dublin.

Como a universidade cresceu mais que sua primeira biblioteca, um novo prédio foi planejado por Thomas Burgh. Conhecida como a Biblioteca Antiga, foi iniciada em 1712 e concluída em 1732. Inclui um espaço central espetacular de 65 m de comprimento, conhecido como Sala Longa. O telhado plano original da sala de um andar foi erguido em 1858 e substituído com a abóbada de berço de carvalho que hoje existe.

As prateleiras de carvalho da Sala Longa contêm 200.000 dos livros mais valiosos da universidade. Entre os dignos intelectuais cujos bustos são classificados ao longo das estantes estão Oscar Wilde e Samuel Beckett, que já usaram a biblioteca. (Não há mulheres.) Os tesouros da biblioteca incluem obras-primas iluminadas, como o Livro de Durrow (c 650–700) e o Livro de Kells (c 800).

Se você gostaria de comentar sobre esta história ou qualquer outra coisa que você viu na cultura da BBC, vá para nosso Facebook página ou mensagem-nos em Twitter.


Biblioteca de Vasconcelos, Cidade do México

Projetada como um labirinto e repleta de mais de 600.000 itens, incluindo livros, multimídia e vídeos, a Biblioteca Vasconcelos também é uma festa arquitetônica para os olhos. Se você está cansado de fazer anotações para sua redação da faculdade, a biblioteca também tem um jardim surrealista anexo e # 8212 um labirinto de sonho contendo mais de 60.000 espécies de plantas.

Biblioteca Vasconcelos, Cidade do México. Foto: Viagens do segundo tempo / Flickr / CC2.0


As melhores bibliotecas do mundo

Com a educação como nosso foco aqui no The Best Colleges, obviamente amamos bibliotecas. College libraries, public libraries, private libraries — whatever and wherever they are, we love them all. For those of you not "of a certain age," a library is a quiet building that houses tons of books and reference materials, typically dating back to Ye Olde Pre-Internet Times. We may not be as reliant on brick-and-mortar libraries anymore, but even in the digital era, we had no trouble finding dozens of architecturally interesting libraries and libraries with interesting collections, as well as many that are actually fascinating in both respects. We'd love to spend a day in any of these libraries catching up on our reading and enjoying the sanctuary-esque vibes. The following 35 are libraries that we thought deserved a closer look — we hope you'll agree!

1. Library of Congress — Washington D.C., USA


The Library of Congress in Washington DC is essentially both the national library of the U.S. and the country's oldest federal cultural institution. Though it consists of only three buildings, it is the largest library in the world for shelf space and number of volumes. While open to the public for on-site research and as a tourist attraction, as the research institution of Congress, only members of Congress, Supreme Court justices, and other specified government officials can check out books. The library is formally known as the "library of last resort" in the U.S., charged with making certain items available to other national libraries if all other means have been exhausted. The library's holdings are vast, including more than 32 million books, more than 61 million manuscripts, a rough draft of the Declaration of Independence, one of only four perfect vellum copies of the Gutenberg Bible in the world, over one million newspapers from the last three centuries, over five million maps, six million pieces of sheet music, and more than 14 millions photos and prints.

2. Bodleian Library — Oxford, United Kingdom


Established in 1602 as Oxford University's library, Bodleian is one of the oldest libraries in Europe. The library houses more than 11 million items, including many of historical importance: four copies of the Magna Carta, a Gutenberg Bible, and Shakespeare's First Folio (from 1623), just to name a few. Though Bodleian comprises multiple buildings, perhaps the most visually interesting is Radcliffe Camera, built in 1737-1749 to house the Radcliffe Science Library. The earliest circular library in England, Radcliffe has outlasted its 15 minutes of fame by appearing in multiple films, including Young Sherlock Holmes, The Saint, The Red Violin, e The Golden Compass.

3. Reading Room at the British Museum — London, England


The Reading Room at the British Museum is located in the center of the Museum's Great Court. The building's domed exterior protects a unique interior ceiling made of a special kind of papier-mache, which is another first on our list! For much of the Room's history, access was limited to registered researchers, attracting notable visitors including Karl Marx, Oscar Wilde, Mahatma Gandhi, Rudyard Kipling, George Orwell, Mark Twain, Lenin, and H.G. Wells during this time. The majority of the collection was moved to the new British Library in 2000 the Reading Room now houses an information center and a curated collection of specialty art and history titles relevant to the collections of the British Museum. The Reading Room has also been known to host long-running temporary exhibitions of its own, such as the 2006 exhibit centered on China's famous Terracotta Army.

4. Yale University Beinecke Rare Book and Manuscript Library — New Haven, Connecticut, USA


The Yale University Beinecke Rare Book and Manuscript Library holds the distinction of being the largest building in the world that serves the express purpose of preserving rare books and manuscripts, which alone undoubtedly makes it one of the best libraries in the world. The library's impressive holdings celebrate significant authors like Rudyard Kipling, D.H. Lawrence, Sinclair Lewis, and Joseph Conrad through its special collections. Beinecke's central shelving area includes glass walls and soft lighting to protect the works from direct light. Accessible to the public as a tourist attraction, the library's exhibition hall displays many of the library's rare works, including one of only 48 copies in existence of a treasured Gutenberg Bible.

5. Vatican Library — Vatican City, Rome


The Vatican Library, under the ecclesiastical jurisdiction of the Catholic Church in Rome, is one of the oldest libraries in the world. Though it was formally established in 1475, its existence in early forms dates back to the origins of the Catholic Church. For nearly 600 years, the library has added to its collection through historic acquisitions, generous bequests, and gracious gifts. The Vatican Library currently holds mor than 1.1 million books, 75,000 manuscripts, and over 8,500 incunabula. Fittingly, the library owns the oldest complete manuscript of the Bible, as well as many other significant works from medieval times.

6. National Library of St. Mark's — Venice, Italy


Fittingly housed in a Renaissance building in Venice, the National Library of St. Mark's contains one of the most important collections of classical texts in the world. Though its lengthy construction period would not begin until 1537, collecting for the library began as early as 1468 with a gift from Cardinal Bessarion of 250 manuscripts and 750 codices. As of 1603, a law was enacted that required one copy of all books printed in Venice to be housed at the National Library. Today, the collection encompasses more than a million books, over 13,000 manuscripts, 2,883 incunabula, and more than 24,000 16th-century works.

7. Boston Public Library — Boston, Massachusetts, USA


Established in 1848, Boston Public Library was the first publicly supported library in the United States and, with its present collection of 22 million items, also the second-largest. The Central Library consists of two buildings, the Johnson Building and the McKim Building, which houses the library's research collection and exhibitions. Built in 1895, McKim contains many beautiful murals, including Edward Abbey's famous scene depicting the legend of the Holy Grail. The main room of the McKim building — Bates Hall — also features a unique coffered ceiling. More than 1.7 million rarities are included in the research collection at McKim, including medieval manuscripts, incunabula, early Shakespeare that includes a First Folio, colonial Boston records, and a major Daniel Defoe collection. The collection is also home to the libraries of several notable figures in American history, including John Adams, William Lloyd Garrison, and Nathaniel Bowditch.

8. Library of Parliament — Ottawa, Canada


The Library of Parliament in Ottawa, Canada holds a special distinction on our list, as it is the only library of such prominence that its likeness is printed on the country's currency (it is featured on Canada's ten dollar bill). The design of this national landmark was inspired by the British Museum Reading Room, and includes walls supported by 16 flying buttresses, a vaulted ceiling in the main reading room, and white pine paneling with beautifully detailed carvings of flowers, masks, and mythical creatures. The collection encompasses more than 600,000 items, which is curated by a dedicated 300-member staff. While access to the facility is generally restricted to Canadian parliamentary business, tours are often made available to the public.

9. New York Public Library — New York, New York, USA


The New York Public Library is awe-inspiring for its scope and breadth. As the third largest library in North America with more than 50 million items in its collection, it encompasses 87 libraries serving 3.5 million people across the state. The Rose Main Reading Room acts as the centerpiece of the library, with grand arched windows along its 52-foot walls, and also featuring chandeliers and a gilded and painted ceiling. The library acquired America's first Gutenberg Bible, and also houses collections with a special emphasis on Americana literature and printed materials. Among the most recognizable sites on our list, the library has made multiple appearances in feature films, as a key setting in the film The Day After Tomorrow and as a prominent backdrop in the original Ghostbusters, entre outros.

10. Thomas Fisher Rare Book Library — Toronto, Canada


Affiliated with the University of Toronto, the Thomas Fisher Rare Book Library houses more rare books than any other collection in Canada. The collection includes unique artifacts like Newton's Principia (1687), Shakespeare's First Folio, the Nuremberg Chronicle (1493), and a Babylonian cuneiform tablet dating to 1789 BC. Robert S. Kenny, a Communist Party of Canada member, also donated a large part of the collection. In all, the rare book library includes more than 25,000 items with a special focus in labor movements worldwide, though with a particular emphasis on Canada and its history.

11. Seattle Central Library — Seattle, Washington, USA


Unmistakably modern in a beautiful glass and steel design created by architects Rem Koolhaas and Joshua Prince-Ramus, the Seattle Central Library opened in Washington's largest city in 2004. With their contemporary design, the architects aimed to create an inviting open and airy space, challenging the popular perception of libraries as dark and stuffy. The library was built with the capacity to accommodate more than 1.45 million books and mixed media materials. By 2008, the library had finally completed a ten-year "Libraries for All" initiative, which was aimed at expanding library access to a broader range of Washingtonians. It was the most expensive renovation of its kind in history, eventually totaling more than $290 million for the project.

12. Abbey Library of Saint Gall — St. Gallen, Switzerland


The Abbey Library of Saint Gall is the oldest library in Switzerland. The library's founder, Saint Othmar, is also credited with establishing an abbey of the same name in 719, known as one of the oldest monastery libraries in the world. Saint Gall is home to roughly 160,000 volumes, including manuscripts dating back to the 8th century. In 1983, the United Nations' Educational, Scientific, and Cultural Organization named the library a World Heritage site, calling it a "a perfect example of a great Carolingian monastery". The library offers online access to many of its holdings through an electronic database though, as a general rule, pre-1900 books can only be read on-site.

13. Austrian National Library — Vienna, Austria


Much like the Library of Congress in the U.S., the Austrian National Library is responsible for managing the collection of all publications that appear in Austria. Works of special prominence include the world's foremost Globe collection, rare books dating from the 4th century, a UNESCO Memory of the World Programme item (the Vienna Dioscurides, a 6th-century illuminated manuscript exploring medicine and healing), and a map collection that dates back to the 16th century. Originally housed in the Prunksaal, the library is currently located at Hofburg Palace and the baroque Palais Mollard-Clary, housing 7.4 million items within its comprehensive collection.

14. National Library of Sweden — Stockholm, Sweden


The National Library of Sweden is responsible for preserving all Swedish printed and A/V material. Since the 1500s, there has been some form of National Library in Sweden, made possible initially through purchases of collections from Swedish monasteries that were later destroyed in the Reformation and, later still, via war spoils from the Thirty Years War. To supplement its holdings, the library obtained the Library of Würzburg and the Royal Library of Prague during The Thirty Years War, as well as obtained a 13th-century copy of the "Devil's Bible," which can be viewed online here. Today, Sweden's National Library holds more than 20 million objects.

15. Library of the Benedictine Monastery — Admont, Austria


The Library of the Benedictine Monastery is the largest monastery library in the world. The library holds 70,000 volumes, including 1,400 manuscripts and 900 incunables. Some items in the library's collection were gifted by Archbishop Gebhard, who founded the monastery in 1074. As part of an overall design inspired by the Enlightenment, the ceiling of the library is decorated with seven cupolas, highlighting elaborate frescoes by Bartolomeo Altomonte that display the progression of human knowledge.

16. The Morgan Library & Museum — New York, New York, USA


The Morgan Library & Museum was formed in 1906 to hold the private collection of banking magnate J.P. Morgan, including manuscripts, printed books, prints, and drawings. Items of special prominence in Morgan's collection include illuminated and original manuscripts, works by Sir Walter Scott and de Balzac, and drawings by masterful artists like Leonardo, Raphael, Picasso, Michelangelo, and Rembrandt. Interestingly, Morgan was apparently also drawn to unusual collectibles to add to his holdings, including scraps of paper written on by Bob Dylan for what would become "Blowin' in the Wind," concept drawings for Antoine de Saint-Exupéry's O pequeno Príncipe and a Charles Dickens manuscript of A Christmas Carol.

17. Jay Walker's Private Library — Ridgefield, Connecticut, USA


While we didn't expect to find a privately owned library worthy of our list, let's just say it was a pleasant surprise to learn that American inventor and entrepreneur Jay Walker used his wealth to develop a comprehensive private library. Christened "The Walker Library of the History of Human Imagination," the library located in Walker's Connecticut home has been called "the most amazing library in the world" by WIRED magazine as well as the subject of a TED Talk. The architecture incorporates a multi-level design inspired by the surreal works of M.C. Escher. It houses more than 50,000 books, including historic and museum-worthy manuscripts and publications. While the library is not open to the public, Walker has been known to host notable public figures at his home.

18. Trinity College Library — Dublin, Ireland


The Trinity College Library, fondly called the Long Room, is the largest library in Dublin, and responsible for many of the same functions for Ireland that the Library of Congress fulfills for the United States. Though the library actually consists of four separate buildings, the Old Library, built in 1592, is among Ireland's biggest tourist attractions, home to the historic Book of Kells, a Gospel book created by Celtic monks roughly around 800 AD. It is also home to six million other printed works, including manuscripts, music, journals, maps, and special collections.

19. Danish Royal Library — Copenhagen, Denmark


The Danish Royal Library is the national library of Denmark, founded in 1648 by King Frederik III. The library holds all works printed in Denmark since the 17th century and nearly every Danish book ever written, dating back to the first Danish book printed in 1482. The Danish Royal Library is the largest library among the Nordic countries. Many significant works, including the correspondence of Hans Christian Anderson and historical maps of the Polar Region, are held here. Holdings also include the Arnamagnæan Manuscript Collection, named for Icelandic scholar Arnas Magnæan, who dedicated much of his life collecting manuscripts from Iceland, Norway, Denmark, and Sweden until his death in 1730.

20. Melk Monastery Library — Melk, Austria


The formation in the 12th century of the Melk Monastery Library followed the founding of Melk Abbey and school of the same name around 1089. Word spread quickly, and the Melk Library became known as one of the largest manuscript holders in the world, also emerging as an authority in manuscript production. Today, the library's high ceilings, adorned with beautiful frescos painted by Paul Troger, guard what is still one of the world's biggest library when it comes to collections of medieval manuscripts, as well as a prominent collection of musical manuscripts.

21. Strahov Monastery Library — Prague, Czech Republic


Prague's Strahov Monastery Library is contained within the Strahov Monastery, founded in 1149. Segments of the library's interior include Theological Hall, built in 1679, and Philosophical Hall, completed in 1779. The monastery was transformed into the Museum of National Literature in 1950 after becoming occupied by the Communist government, though all was not lost fortunately, the monastery and library were returned to the Premonstratensian order and the buildings restored when the Communist regime fell out of power in 1989. Today, it is one of the best libraries, holding more than 110,000 volumes, including over 1,200 incunabula.

22. Salt Lake City Public Library — Salt Lake City, Utah, USA


Constructed in 2003, the main location within Utah's Salt Lake City Public Library system is a unique building centered on a beautiful five-story curved glass wall and a 20,000-square-foot skylight, reinforcing the architect's commitment to incorporating natural lighting into the design scheme. The rooftop features spectacular views of Salt Lake City, and is adorned with landscaped gardens and grounds. With seven additional locations around Salt Lake City, the public library holds more than 500,000 books, e-books, and downloadable titles, as well as a large collection of zines and periodical publications.

23. State Library of Victoria — Melbourne, Australia


Founded in 1854, the State Library of Victoria now holds more than 1.5 million books, including special collections highlighting chess, the arts, the diaries of Melbourne's founders, and the folios of Captain James Cook. The centerpiece of the library is the LaTrobe Reading Room, a soaring octagonal space with the capacity to accommodate more than one million books and 500 researchers or readers in one sitting. At the time of its completion in 1913, the LaTrobe Reading Room was the largest dome in the world today, it houses the library's extensive Australiana collection.

24. Château de Chantilly Library — Chantilly, France


Among few libraries in Europe to hold a prized Gutenberg Bible in its collection, the Château de Chantilly Library is part of a French estate that also includes one of France's most important art galleries, the Musée Condé. The main part of the estate (Grand Château) was built in 1528-1531, with an additional annex (Petit Château) constructed in 1560. The Grand Château was destroyed during the French Revolution and was later rebuilt from the ground up between 1875 and 1881. The library of the estate contains more than 1,300 manuscripts and 12,500 printed works, including the aforementioned Gutenberg Bible (one of more than 700 incunabula, a term describing early printed books, typically before 1501,) and roughly 200 medieval manuscripts. The library is often open to the public for guided tours.

25. Wiblingen Monastery Library — Ulm, Germany


The Wiblingen Monastery was founded in 1093, and remodeled in the Baroque style decades later in the 18th century. The library is a favorite among art historians for its rich ornamentation and beautiful fresco ceiling. Inscribed at the entrance to Wiblingen is "In quo omnes thesauri sapientiae et scientiae," which means "In which are stored all treasures of knowledge and science," a fitting quote for such an historic European institution. Library archives hold a large collection of both Pagan and Christian knowledge-related imagery, available along with its other holdings to the public through independent research and guided tours.

26. George Peabody Library — Baltimore, Maryland, USA


Originally intended to be a cultural center of Baltimore called the Peabody Institute Library, the George Peabody Library as it stands now is the research library of Johns Hopkins University. The library was a part of the Institute from 1878 until 1967, when it became owned by the city of Baltimore. It was eventually passed to Johns Hopkins in 1982, and is now where the university's special collections reside. Many of the collection's titles date back to the 19th century, and includes one of the world's foremost collections of Don Quixote editions. The building was described by the first Peabody provost as a "cathedral of books," featuring a 61-foot-high atrium, beautiful black and white marble flooring, numerous balconies, and golden columns.

27. Phillips Exeter Academy Library — Exeter, New Hampshire, USA


The Phillips Exeter Academy Library is the biggest library in the world when it comes to secondary school libraries. In a way, this is one of the most impressive libraries on our list for being merely a part of a prep school, albeit one of the wealthiest prep schools in the world. Designed by architect Louis Kahn, the the structure has won numerous architectural awards, including a Twenty-five Year Award by the American Institute of Architects, which is given to only one prestigious building each year. The library was even commemorated on a U.S. Postal Service stamp in 2005 as one of 12 stamp-worthy Masterworks of Modern American Architecture.

28. The Library of Alexandria — Alexandria, Egypt


The Library of Alexandria was the ancient world's largest and most comprehensive library, housing books and manuscripts (on papyrus scrolls) as well as meeting rooms, gardens, and lecture halls on its grounds. Considered one of the Seven Wonders of the Ancient World, the original Library of Alexandria was tragically destroyed in a fire nearly 2,000 years ago. The new Library of Alexandria is a memorial to its predecessor. The Library cost $220 million to rebuild in 2002, and is now operating as not only a library, but also as a cultural center, planetarium, manuscript restoration lab, art gallery and exhibition space, museum, and conference center. Currently, the library contains more than 500,000 books, though it has space for over eight million.

29. Herzog August Library — Wolfenbüttel, Germany


Founded in 1572 by a German Duke, the Herzog August Library had become the largest library north of the Alps and one of the largest libraries in Europe by the 17th century. The library holds more than 900,000 books, more than a third of which were printed between the 15th and 18th centuries. Also called Bibliotheca Augusta, the library is internationally known for its extensive collection of books and manuscripts from the Middle Ages and early modern Europe.

30. José Vasconcelos Library — Mexico City, Mexico


The José Vasconcelos Library, located in Mexico City, was called one of the most advanced constructions of the 21st century by former Mexican president Vicente Fox. The library cost nearly $100 million to build, and was the largest infrastructure investment for the Fox administration, with construction plans spanning 2000-2006. The library faced some stumbling blocks during its construction that eventually led to the library being closed for 22 months from 2007 until 2008 it has since been restored and was re-opened to the public. The open, scaffold-like shelving of the library is especially unique, as are the sculptures on site, including one by artist Gabriel Orozco made from a painted whale skeleton.

31. Rijksmuseum Library — Amsterdam, Netherlands


The Rijksmuseum Library is part of the Dutch National Museum in Amsterdam. One of the world's foremost libraries specializing in art and art history, the Rijksmuseum holds over 350,000 auction, exhibition, trade, and collection catalogues, in addition to numerous books and periodicals. Though the items on site have been collected since 1885, the library now also features an extensive online catalog with over 140,000 monographs, 20,000 art sale catalogs, and 3,200 magazines on display. The library is open to the public while books and magazines are not available for check-out, they can be viewed in the reading room.

32. Stockholm Public Library — Stockholm, Sweden


The Stockholm Public Library is one of the capital city's most notable buildings. Opened in 1928, the library was designed by Gunnar Asplund, one of the most important figures in Modernist Swedish architecture. The main interior of the building is a rotunda, giving visitors a pleasing view of many of the library's shelves along the curved rotunda walls. The Stockholm Public Library holds more than two million volumes and over 2.4 million audio visual and mixed media items.

33. The National Library of Singapore — Singapore, Singapore


The National Library of Singapore is now located in a 16-story building, constructed in 2005. Founded in the 1920s at the suggestion of Sir Stamford Raffles, "the father of modern Singapore," the original National Library was the first of its kind in Singapore, located in the same complex as the country's first school. Today, the library is home to more than 200,000 books and a performing arts center that can accommodate more than 600 guests. The building is adorned with multiple gardens, providing picturesque views of the city of Singapore.

34. University of Coimbra General Library — Coimbra, Portugal


The University of Coimbra General Library has been in operation since the early 16th century in Portugal. Inventory for the library dating back to as early as 1513 shows that the library at the time already held more than 120 manuscripts. Officially established in 1537, the library today holds more than a million titles, with a separate building for historical pre-19th century books. Formally named the Biblioteca Joanina, the building's majestic Baroque architecture illustrates its 500-year history in Coimbra. The library is open daily to the public.

35. National Library — Minsk, Belarus


One of the best libraries in the world, and certainly one of the most distinctive and an architectural feat in its own right, the National Library of Belarus is shaped like a Rhombicuboctahedron (or isto, for our fellow non-mathematicians). The unique 22-story building was opened in 2006, although the library has been in operation since 1922. The library is a tourist attraction and popular destination in Minsk, featuring a public observation deck and hosting public concerts on its lawn. As the official copyright library of Belarus, the National Library holds more than 8 million items, and houses the third largest collection of Russian works in the world.


Assista o vídeo: Guardiões noturnos preservam uma das bibliotecas mais antigas do mundo