Turner Joy DD-951 - História

Turner Joy DD-951 - História

Turner Joy DD-951

Turner Joy (DD-951: dp. 4.200 (f.); 1. 418'6 "; b. 45 '; dr. 22'6"; s. 33 k .; cpl. 360; a. 3 5' ' , 2 3 ", 6 16,5" tt., 1 dct., 2 dcp. (Hh.); Cl. Forrest Sheman)

Turner Joy (DD-951) foi depositado em 30 de setembro de 1957 em Seattle, Wash., Pela Puget Sound Bridge & Dredging Co .; lançado em 5 de maio de 1958; patrocinado pela Sra. C. Turner Joy; e comissionado em 3 de agosto de 1959, Comdr. Ralph S. Wentworth, Jr. no comando. Após um cruzeiro de boa vontade pré-shakedown para os portos da América Central e do Sul e shakedown de San Diego, Turney Joy começou, no início de 1960, o dever como carro-chefe do Destroyer Squadron (DesRon) 13 e da Destroyer Division (DesDiv) 131. Com base em Long Beach, Califórnia, ela fazia parte de um grupo-tarefa de guerra anti-submarino (ASW) construído em torno do Hornet (CVS-12). Ela conduziu exercícios ao longo da costa da Califórnia até 17 de maio, quando navegou com o grupo de trabalho para o oeste do Pacífico. Após paradas em Pearl Harbor e Apra, Guam, ela prestou serviço de resgate aéreo-marítimo perto das Marianas para o voo do presidente Dwight D. Eisenhower para visitar vários países asiáticos. AMer retornando brevemente a Apra, o destróier se mudou através das Filipinas para Bangkok, Tailândia. Turner Joy cruzou o caminho do presidente mais uma vez em julho, quando os chineses vermelhos usaram a visita deste último a Taiwan nacionalista chinesa como pretexto para bombardear as pequenas ilhas, Quemoy e Matsu. Seguiu-se um mês tenso de serviço com a patrulha do Estreito de Taiwan, enquanto a Marinha dos Estados Unidos demonstrava o apoio dos Estados Unidos a um de seus aliados. Em meados de agosto, o navio de guerra moveu-se para o norte para exercícios com os porta-aviões da 7ª Frota ao longo da costa do Japão. Essa tarefa completou sua primeira implantação no oeste do Pacífico, e o contratorpedeiro partiu para Yokosuka, Japão, e voltou para casa. Turner Jog voltou a Long Beach em 16 de novembro. Nos 18 meses seguintes, ela completou uma ampla revisão e participou de vários exercícios da 1ª Frota ao longo da costa da Califórnia. Em outubro de 1961, o contratorpedeiro foi transferido para o DesDiv 191 do DesRon 19 e assumiu o dever de capitânia de ambos. Em 2 de junho de 1962, ela saiu de Long Beach com um grupo de trabalho ASW construído em torno do Hornet (CVS 12). Em seu caminho para o Extremo Oriente, o navio de guerra participou de exercícios com o Esquadrão Anfíbio 5 nas Ilhas Havaianas. Mais tarde, ela se juntou à tela de Hancock (CVA-19), operando na costa sul de Honshu, no Japão. Seu segundo deslocamento para o Oriente foi caracterizado por uma série de exercícios com navios da 7ª Frota e das Marinhas Aliadas. As áreas de operações incluíram o Mar do Japão, o Pacífico a leste do Japão e o Mar da China Meridional. Depois de uma série final de exercícios conduzidos com Bonhomme Richard (CVA-31), o contratorpedeiro completou aquela turnê de serviço em Yokosuka, Japão, no início de dezembro. No dia 7, ela voltou aos Estados Unidos onde chegou no dia 21. Os 14 meses seguintes trouxeram outra revisão, bem como mais exercícios da 1ª Frota nas águas ao longo da costa oeste. Essas evoluções continuaram em 1964 e, em março, o destruidor começou os preparativos para o movimento no exterior. Em 13 de março de 1964, Turner Joy partiu de Long Beach para embarcar em sua jornada de serviço mais celebrada no Extremo Oriente. O terceiro desdobramento no oeste do Pacífico Qf sua carreira começou rotineiramente. Depois de fazer escala em Pearl Harbor a caminho do oeste, a destruidora se juntou a um grupo de trabalho construído em torno de Kittp Hawk (CVA-63) para operações no mar das Filipinas, seguido por um cruzeiro pelo Mar da China Meridional até o Japão. Seguiram-se outras operações de treinamento e visitas ao porto, e a implantação continuou pacificamente. Durante o final de julho, Turner Joy, embora vinculado a um grupo-tarefa de porta-aviões construído em torno de Ticonderoga (CVA-14), começou a fazer patrulhas de "cão de guarda" na costa do Vietnã, onde uma violenta guerra civil estava ocorrendo em vários níveis de intensidade desde o fim da Segunda Guerra Mundial. Na tarde de 2 de agosto, Maddox (DD-731), engajada em uma patrulha semelhante, pediu ajuda quando três torpedeiros a motor norte-vietnamitas a atacaram. Enquanto Maddox evitava os barcos torpedeiros, aeronaves de Ticonderoga se juntaram a ela para derrubar duas das embarcações hostis. Enquanto isso, Turner Joy correu para Maddox para fornecer resistência de superfície adicional. Quando ela chegou a Maddox, o barco restante havia fugido; mas Turner J ° V permaneceu com Maddox, e os dois destróieres continuaram suas patrulhas do golfo. Menos de 48 horas depois, as telas de radar de Turner Joy detectaram uma série do que parecia ser uma pequena nave de superfície de alta velocidade se aproximando, mas em um alcance extremo. Como precaução, os dois destróieres chamaram a Ticonderoga para fornecer suporte aéreo. Ao cair da noite, os ecos não identificados do radar sugeriram que pequenas embarcações norte-vietnamitas estavam convergindo para os dois navios de guerra americanos do oeste e do sul. Turner Joy relatou que avistou um - talvez dois - torpedos, então aumentou a velocidade, manobrou radicalmente para evitar torpedos esperados e começou a disparar na direção dos blips não identificados. Nas duas horas e meia seguintes, Turner Joy e aviões de Ticonderoga dispararam contra a suposta nave hostil. Relatórios afirmam que pelo menos dois deles foram afundados por ataques diretos e outro par seriamente danificado, e que os atacantes restantes retiraram-se rapidamente para o norte. Se os norte-vietnamitas atacaram ou não os dois navios no dia 4, permanece um mistério. Só eles sabem com certeza. Pode muito bem ter sido o mau tempo e as condições de radar bizarras - pelas quais o Golfo de Tonkin é famoso - fizeram com que ecos de radar aparecessem na tela de Turner Joy e levaram seu capitão e sua tripulação a tomar medidas defensivas em consideração aos eventos dois dias antes . ** Em qualquer caso, o "Incidente do Golfo de Tonkin" gerou retaliação americana. Constellation (CVA-64) juntou-se a Ticonderoga ao largo do Vietnã do Norte no dia seguinte; e, juntos, eles lançaram 64 surtidas contra as bases de onde os ataques foram lançados e contra um depósito de armazenamento de óleo conhecido por ter sido usado para apoiar essas bases. Os aviões da Constellation atingiram as bases de torpedeiros a motor comunistas em Hongay e Loc Chao no norte, enquanto os aviões da Ticonderoga perseguiram três alvos no sul: as bases de barcos torpedeiros a motor em Quang Khe e Phuc Loi, bem como o depósito de armazenamento de petróleo de Vinh. No último alvo nomeado, aviões americanos incendiaram 12 dos 14 tanques de armazenamento de petróleo, fazendo com que quase 10% das reservas de petróleo do Vietnã do Norte se transformassem em fumaça. De significado mais duradouro tanto para o navio de guerra quanto para o país, no entanto, o incidente levou o Congresso a aprovar a resolução do Golfo de Tonkin, a base legal para o envolvimento direto dos Estados Unidos em uma guerra sangrenta e custosa na Indochina pelos oito e um que se seguiram -meios anos. Ao longo desse período, Turner Joy serviu repetidamente no conflito. Após a agitação da primeira semana de agosto, o destróier retomou as operações mais rotineiras no Mar da China Meridional. Ela concluiu sua implantação quando chegou a Long Beach em 2 de outubro - dois meses depois que correu para ajudar Maddox. O destróier conduziu operações normais fora de Long Beach até 18 de dezembro, quando entrou no estaleiro naval para uma revisão de três meses. No final de março, ela começou o treinamento de reciclagem em San Diego. As operações da costa oeste a ocuparam até 10 de julho, quando ela partiu de Long Beach com o DesBon 19, com destino mais uma vez para o serviço no Oriente. No final de um trânsito de 21 dias, Turner JOY juntou-se ao Mar de Coral (CVA-43) perto do final do mês. Durante agosto e as três primeiras semanas de setembro, o contratorpedeiro serviu tanto como escolta para o porta-aviões quanto como navio de piquete radar destacado. Em 23 de setembro, ela se mudou para o Golfo da Tailândia, perto da costa oeste do Vietnã do Sul, para participar de uma das primeiras missões de apoio à frota de armas navais conduzidas ao longo daquela seção da costa. Após uma breve pausa na baía de Subic para manutenção, o navio de guerra voltou a bombardear a costa em outubro, desta vez ao longo da costa sudeste do Vietnã do Sul, entre o Cabo St. Jacques e Chu Lai. No dia 25, ela forneceu fogo de alerta para as forças americanas e sul-vietnamitas que operavam em terra nas proximidades de Chu Lai. Durante a missão, suas armas destruíram várias posições inimigas e tiveram um papel proeminente na repulsa de um ataque vietcongue. Perto da conclusão daquela ação de 24 horas, um cartucho de 5 polegadas disparou; e, durante os esforços que se seguiram para limpar a câmara, o projétil detonou. A explosão danificou o suporte da arma, matou três marinheiros e feriu mais três. Esse evento forçou sua saída da zona de combate. Depois de pousar as três vítimas em Danang, Turner Joy rumou para Subic Bay nas Filipinas. Depois de uma semana de reparos, o contratorpedeiro partiu de Subic Bay em companhia com Ticonderoga (CVA-14) para serviço de triagem no Mar da China Meridional, seguido por escalas em Hong Kong e em Yokosuka, Japão. No final do ano, ela retornou ao serviço de apoio a tiros navais na costa do Vietnã do Sul. Em 3 de janeiro de 1966, o destróier retomou o serviço de guarda de avião em Ticonderoga no Mar da China Meridional. O contratorpedeiro patrulhou com o porta-aviões na "Yankee Station" até o dia 14, quando ela se dirigiu, via Subic Bay para Long Beach. Turner JOY chegou em casa no dia 1º de fevereiro e, duas semanas depois, começou uma disponibilidade restrita de um mês. Desde a conclusão de sua revisão em março até o final de maio, o contratorpedeiro permaneceu em Long Beach envolvido na manutenção, reparos e no treinamento dos vários substitutos que relataram a bordo. Em 11 de junho, ela voltou ao mar para conduzir um cruzeiro de treinamento de aspirante, durante o qual visitou Pearl Harbor, Seattle e São Francisco. Turner JOY concluiu essa operação em 29 de julho, quando desembarcou os aspirantes a marinheiro em Long Beach. Mais tarde naquele verão, ela visitou Seattle novamente em conjunto com a celebração anual Seafair daquela cidade. Seguiu-se treinamento adicional e manutenção em Long Beach, que a ocuparam até a segunda semana de outubro. Naquela época, ela voltou ao mar para participar do exercício da frota "Linha de Base II", após o qual seguiu para Long Beach para uma série de reparos em preparação para outra viagem de serviço no oeste do Pacífico. Turner JOY saiu de Long Beach em 18 de novembro e - após visitas a Pearl Harbor, Midway e Guam - entrou no porto de Kaobsiung, Taiwan, em 11 de dezembro. O quarto deslocamento de Turner Joy para o Pacífico ocidental trouxe três viagens de serviço ao largo da costa do Vietnã e concluiu com uma visita à Austrália. Em 15 de dezembro, ela partiu de Kaohsiung e se dirigiu ao litoral da área do II Corpo de exército do Vietnã do Sul. O contratorpedeiro atingiu sua zona de operações no dia 18 e, no mês seguinte, realizou bombardeios em terra em apoio às tropas americanas e sul-vietnamitas que operavam em terra. Ela concluiu essa designação em 17 de janeiro de 1967 e foi para as Filipinas. Após duas semanas de disponibilidade em Subic Bay e uma visita de cinco dias de liberdade a Hong Kong, Turner JOY voltou à costa vietnamita em 10 de fevereiro. Por quase um mês, ela forneceu apoio de tiros para as tropas em terra, desta vez na zona do I Corpo de exército do Vietnã do Sul. Essa tarefa terminou em 3 de março, seguido por uma disponibilidade de oferta de nove dias ao lado de Jason (AR-8) em Sasebo, Japão. Em 21 de março, o contratorpedeiro retomou a estação ao largo do Vietnã. Desta vez, porém, na costa do Vietnã do Norte. Em vez de apoiar as tropas americanas e sul-vietnamitas diretamente por meio de bombardeios em terra, ela o fez interditando os esforços logísticos do inimigo na Operação "Dragão do Mar". Embora direcionado principalmente para a logística de transporte marítimo do inimigo, o "Sea Dragon" também atacou sempre que possível, nas linhas de suprimento terrestre do inimigo. Durante seus 26 dias na estação engajada em operações "Sea Dragon", Turner Joy atirou em uma série de alvos em terra, além de um número ainda maior de embarcações de logística inimigas. Em 7 de abril, enquanto disparava contra uma nave inimiga encalhada perto de Cap Mui Ron, o destróier foi atacado por uma bateria de costa norte-vietnamita. Durante essa troca, ela sofreu um impacto direto na cauda da popa e um quase acidente de ar explodiu acima do mastro dianteiro. O impacto da popa penetrou no convés para o escritório de abastecimento, danificando registros lá, bem como canos e cabos no alto. Vários projéteis de fragmentação VT de 5 polegadas na área de armazenamento de munição do Monte 53 também sofreram danos e tiveram que ser descartados. Estilhaços de quase acidentes feriram um membro do grupo de reparos de Turner Jog e atingiram seu arco enquanto o ar explodiu acima do mastro dianteiro colocou seu radar de busca aérea fora de serviço, exceto pelo aspecto IFF. O dano, no entanto, não foi severo o suficiente para reduzir seu tempo de serviço, e ela permaneceu na posição até ser substituída por HMAS Hobart em 16 de abril. Dois dias depois, o contratorpedeiro chegou a Subic Bay e ela entrou na doca seca, logo em seguida, para reparos em seu rolamento de suporte, na proa, no tanque de pico e em sua antena de radar de busca aérea. Simultaneamente a este trabalho de jardinagem, ela conduziu uma oferta de disponibilidade com Piedmont (AD-17) para prepará-la para visitas à Austrália e Nova Zelândia durante a próxima celebração do 25º aniversário da Batalha do Mar de Coral. Reparos e disponibilidade concluídos, ela saiu de Subic Bay em 24 de abril na companhia de McKean (DD784). A caminho de Melbourne, os dois navios pararam em Manus nas Ilhas do Almirantado e em Brisbane, Austrália. O navio chegou a Melbourne em 8 de maio e, enquanto ela permaneceu lá até o dia 13, sua tripulação desfrutou da hospitalidade australiana na cidade e respondeu na mesma moeda a bordo. Entre 13 e 17 de maio, ela fez um trânsito violento no Mar da Tasmânia e chegou a Auckland, na Nova Zelândia, na última data para a segunda fase de sua celebração do Mar de Coral. Ela permaneceu em Auckland até 22 de maio, quando ela e McKean embarcaram para retornar aos Estados Unidos. Após uma parada em Pago Pago, Samoa Americana, os dois navios se juntaram ao Gridley (DIG-21) e ao Maddox em 26 de maio para reconstituir o DesRon 19 para a viagem de volta para casa. Depois de uma breve parada de abastecimento em Pearl Harbor em 2 de junho, os navios de guerra chegaram a Long Beach no dia 8. Entre junho e setembro, Turner JOY passou por um mês de suspensão pós-implantação, seguido por operações de treinamento nas águas do sul da Califórnia. Em 18 de setembro, ela chegou a Bremerton, Wash., Para uma disponibilidade de estaleiro de dois meses no Estaleiro Naval de Puget Sound. Em meados de novembro, ela voltou a Long Beach e retomou as operações ao longo da costa da Califórnia. Essa tarefa continuou até o final de fevereiro de 1968, quando ela entrou no Estaleiro Naval de Long Beach para uma disponibilidade restrita em preparação para seu quinto desdobramento para o Extremo Oriente. Turner JOY saiu de Long Beach em 12 de março e - depois de paradas em Oabu, Midway e Guam - chegou a Subic Bay em 4 de abril. Nos cinco meses seguintes, o contratorpedeiro conduziu operações ao longo da costa do Vietnã semelhantes às realizadas em implantações anteriores. Ela forneceu suporte de fogo naval para as tropas americanas e Snuth Vieñeses no Vietnã do Sul e conduziu patrulhas "Dragão do Mar" ao longo da costa do Vietnã do Norte para interditar o tráfego logístico marítimo inimigo. Suas missões na linha de tiro a levaram para as áreas do I, II e IV Corps do Vietnã do Sul. Como durante desdobramentos anteriores, ela pontuou atribuições na zona de combate com visitas a Subic Bay e a Buckner Bay Okinawa, para combustível, suprimentos e reparos, bem como a Kaohsiung, Taiwan; e Hong Kong para descanso e relaxamento. Ela completou sua última jornada de serviço ao largo da costa vietnamita em 4 de setembro e, após uma breve disponibilidade de oferta em Subic Bay, voltou para casa em 8 de setembro. Refazendo sua viagem de ida com paradas em Guam, Midway e Pearl Harbor, Turner JOY entrou em Long Beach no dia 26. Após seu retorno aos Estados Unidos, o navio de guerra começou os preparativos para sua revisão regular. Ela entrou no Estaleiro Naval de Long Beach em 28 de novembro e lá permaneceu até o final de fevereiro de 1969. Quando os testes pós-revisão terminaram em 15 de março, o navio retomou as operações normais fora de Long Beach. Durante abril e maio, ela participou de um exercício combinado ASW / AAW da 1st Fleet como parte de seu treinamento de atualização. Ela concluiu essas operações durante a segunda metade de maio; e, depois de uma breve disponibilidade ao lado do Brvee Canyon (AD-36), ela embarcou os aspirantes da marinha NROTC em 5 de junho para o cruzeiro de treinamento de verão de 1969 de dois meses. No final do cruzeiro, Turner Joy desembarcou os aspirantes a marinheiro em 1º de agosto e retomou o treinamento na área operacional do sul da Califórnia. Em 18 de novembro, ela partiu de Long Beach para retornar ao Oriente. Após uma escala de quatro dias em Pearl Harbor e breves paradas de combustível em Midway e Guam, ela chegou a Subic Bay em 11 de dezembro. Depois de uma disponibilidade de cinco dias ao lado de Prairie (AD-15), o destróier ficou fora da Baía de Subic com destino a Danang, Vietnã do Sul, e serviu de apoio ao tiroteio na costa da zona do I Corps. No dia de Ano Novo de 1970, ela estava a caminho da "Yankee Station" para atuar como guarda de avião para porta-aviões da Força-Tarefa (TF) 77. Em 4 de janeiro, ela voltou para Subic Bay onde permaneceu até o dia 18. Ela completou outra turnê de três semanas na linha de tiro em 10 de fevereiro e, em seguida, traçou um curso para Sasebo, Japão, de onde operou até o início de março. Após uma escala de liberdade em Hong Kong, Turner JOY retornou à costa vietnamita e retomou as missões de apoio ao tiroteio até o início de abril. Em 3 de abril, ela se encontrou com Shangri La (CVA38) e, em seguida, fez escalas em Subic Bay e Bangkok, Tailândia, antes de embarcar sua missão final na linha de arma em 19 de abril. Ela voltou a Subic Bay em 10 de maio para uma visita final antes de voltar aos Estados Unidos no dia 17. O destróier chegou de volta a Long Beach em 1º de junho e iniciou uma disponibilidade restrita de três meses no estaleiro naval. Ela concluiu a disponibilidade no início de outubro e começou os testes de mar e o treinamento na área operacional do sul da Califórnia. No início de dezembro, Turner Jov reentrou no Estaleiro Naval de Long Beach para se preparar para seu remanejamento no Pacífico ocidental. Em 26 de janeiro de 1971, ela saiu de Long Beach a caminho de se juntar à 7ª Frota. Ela entrou em Subic Bay em 16 de fevereiro e ficou em doca seca por vários dias, enquanto as duas hélices eram substituídas. Em 5 de março, ela saiu da Baía de Subic para uma turnê de serviço de apoio a tiros navais ao longo da costa vietnamita. Essa missão - realizada ao longo da costa da zona do I Corps perto de Danang - terminou em 2 de abril, e ela se dirigiu à "Estação Yankee" e duas semanas como guarda de avião nos porta-aviões TF 77. Após uma escala de cinco dias em Subic Bay, Turner JOY assumiu posição na "Yankee Station" novamente em 27 de abril - desta vez como escolta para o navio PIRAZ (identificação positiva e zona de aconselhamento de radar). Ela desempenhou essa função até 30 de abril, então, após três dias evitando um tufão, ela se mudou para perto da costa do I Corps para retomar as funções de apoio a tiros. Em 14 de maio, o contratorpedeiro traçou um curso para a baía de Subic. Após um exercício de cinco dias de tiroteio no campo de batalha Tabones, ela partiu das Filipinas para fazer visitas de liberdade a Bangcoc, Tailândia e Hong Kong. No final de junho, ela fez outra turnê de serviço na estação PIRAZ e forneceu serviços de guarda de avião para Kitty Hawk (CVA-63). Seguiu-se uma breve chamada de liberdade em Subic Bay; e então, em 30 de junho, ela embarcou em uma viagem para a Austrália e Nova Zelândia. Durante o mês de julho, ela fez visitas às cidades australianas de Brisbane e Sydney, bem como ao porto da Nova Zelândia, Auckland. No dia 26, Turner JOY voltou para casa. Ela voltou a Long Beach em 10 de agosto e conduziu as evoluções pós-desdobramento normais até o final de 1971. Em fevereiro de 1972, o destróier começou uma ampla revisão. Nos seis meses seguintes, ela recebeu suportes inteiramente novos de 5 polegadas, calibre 54, e sua planta de propulsão passou por uma conversão para permitir a queima de combustível destilado da Marinha. Outras modificações, instalações e reformas extensas também ocorreram entre fevereiro e agosto. De agosto a dezembro, ela se ocupou com várias provas e testes no mar, conduziu um treinamento de atualização e se preparou para sua próxima designação no Extremo Oriente. Sua viagem para o oeste começou em 6 de dezembro e terminou com sua chegada a Subic Bay no dia 29. Dois dias depois, ela embarcou para sua primeira turnê na linha de tiro. Também provou ser o último. Ela entregou suporte de tiros de forma intermitente por 28 dias. Então, em 28 de janeiro de 1973, a participação americana no conflito do Vietnã terminou com um cessar-fogo negociado. Para o restante dessa implantação, a Turner Jog participou de uma variedade de operações, incluindo a Operação "Endsweep", a remoção de minas americanas das águas ao redor do porto de Haiphong, bem como exercícios de guerra anti-submarino e operações de porta-aviões no Mar da China Meridional. Ela pontuou essas atribuições com visitas ao porto de Subic Bay, Hong Kong Kaohsinng, Taiwan, e Sasebo, Japão. Em 13 de junho, ela voltou para casa via Yokosuka e chegou a Long Beach no dia 22. Ela passou o período de então até meados de outubro empenhada na manutenção e uma disponibilidade restrita. Em 17 de outubro, ela partiu de Long Beach e rumou para seu novo porto, San Diego. Ao chegar lá, ela deu início às operações normais de engenharia e exercícios de artilharia no mar alternados com manutenção no porto. Essa rotina continuou até abril de 1974, quando ela começou os preparativos para seu primeiro deslocamento em tempos de paz para o Pacífico ocidental em uma década. Ela saiu de San Diego em 6 de maio, chegou a Pearl Harbor no dia 12 e encomendou uma breve missão com RanDer (CVA-61) na área operacional do Havaí no dia 24. Naquele dia, ela partiu de Oahu e continuou sua viagem para o oeste. Turner JOY chegou a Subie Bay em 4 de junho e, durante os dois meses seguintes, conduziu operações locais em companhia com Ranger. Em 1 de agosto, o contratorpedeiro partiu das Filipinas para uma visita de boa vontade a Surabaja Java e um eall pela liberdade em Hong Hong. Ela retornou às Filipinas em 31 de agosto e conduziu operações locais fora de Subic Bay por dois meses antes de voltar para casa em 3 de outubro. O navio de guerra chegou a San Diego em 22 de outubro e, após um mês de licença pós-implantação e upkeev, iniciou um cronograma normal de operações na área de operação do sul da Califórnia. A Turner Jog terminou em 1974 e começou em 1975 com uma disponibilidade bastante extensa que foi concluída em meados de abril. No final desse período de reparo, ela retomou as operações ao longo da costa do sul da Califórnia. O treinamento de atualização, FleetEx 2-75, e um cruzeiro de treinamento de aspirante a ocuparam de abril a agosto. Em 2 de setembro, ela partiu de San Diego para o 11º deslocamento de sua carreira para o oeste do Pacífico. No entanto, após uma parada de duas semanas em Subie Bay, sua designação para o oeste do Paeific foi transformada em uma viagem de serviço no Oceano Índico. Em 13 de outubro, ela partiu de Subic Bay em companhia de Midway (CV-41), Fanning (DE-1076) e Sacramento (AOE-1) com destino final a Bandar Abbas, Irã. Ao longo do caminho, ela visitou Cingapura e Sri Lanka e participou de exercícios com a Marinha de Cingapura. O contratorpedeiro chegou a Bandar Abbas em 13 de novembro, de onde ela e seus companheiros de navegação participaram do exercício CENTO, "Midlink". Durante essa operação, ela se juntou a unidades das marinhas britânica iraniana e paquistanesa na prática de um amplo espectro de táticas navais - ASW, AAW, combates de superfície, exercícios de artilharia e tiros de mísseis "Midlink" terminaram em 25 de novembro, e Turner Jov parou brevemente novamente em Bandar Abbas antes de seguir para as Filipinas no dia 29. Ela voltou à Baía de Subie em 12 de dezembro e lá permaneceu até 9 de janeiro de 1976. Operações de rotina nas Filipinas, exercícios no Mar da China Meridional e no Mar do Japão - bem como visitas a portos em Taiwan e no Japão - comprometeram o restante de essa implantação. Em 17 de março, ela saiu de Yokosuka para retornar aos Estados Unidos. Após paradas em Midway e Pearl Harbor, ela reentrou no porto de San Diego em 4 de abril. Após a paralisação pós-desdobramento, o contratorpedeiro reverteu mais um para as operações de treinamento fora de San Diego. Como resultado de longos anos de serviço no Vietnã e dois atrasos em uma revisão programada, no entanto, Turner Joy não foi capaz de concluir seu Exame Operacional da Planta de Propulsão de maneira adequada. Esse desafio tornou necessário que o navio passasse o resto de 1976 em desafios de propulsão no porto. O ano de 1977 foi gasto em grande parte no porto devido a problemas de materiais reurring. Em setembro, no entanto, a Turner Joy foi enviada por um breve período para operações locais. A parada pré-revisão começou em meados de outubro; e, em 7 de novembro, o navio foi rebocado para o Estaleiro Naval de Long Beach para uma revisão regular projetada para renovar completamente toda a sua planta de engenharia. Todo o ano de 1978 foi gasto em revisões. Turner Joy recebeu nove estrelas de batalha por seu serviço no Vietnã. ** De acordo com Jim Treanor, que estava no Centro de Informações de Combate do USS Turner Joy (DD-951) na noite de 4 de agosto de 1964, os contatos do radar interpretados como pequenas embarcações norte-vietnamitas não convergiram para Turner Joy e Maddox (DD- 731) do "oeste e sul". Os contatos foram detectados de leste a nordeste dos dois destróieres americanos e aproximados dessa direção. Nem os contratorpedeiros soaram "a toda velocidade" depois que uma esteira de torpedo foi avistada. Eles já estavam em velocidade de flanco no momento em que os contatos do radar começaram a se aproximar.


C. Turner Joy nasceu em St. Louis, Missouri, em 17 de fevereiro de 1895. Comissionado como alferes da Marinha após se formar na Academia Naval dos Estados Unidos em 1916, ele serviu no encouraçado USS Pensilvânia (BB-38) por mais de quatro anos, incluindo a participação dos EUA na Primeira Guerra Mundial

Em 1923, depois de receber uma pós-graduação em engenharia, ele começou dois anos como ajudante e tenente-bandeira do comandante da patrulha de Yangtze. Isso foi seguido por uma viagem como Diretor Executivo do contratorpedeiro USS da Frota Asiática Papa (DD-225), uma atribuição com o Bureau of Ordnance, serviço marítimo no navio de guerra USS Califórnia (BB-44) e serviço no Naval Mine Depot em Yorktown, Virginia. Em meados da década de 1930, o Tenente Comandante Joy era o comandante do contratorpedeiro USS Litchfield (DD-336) e estava na equipe do Commander Destroyers, Battle Force. De 1937 a 1940, o Comandante Joy foi instrutor da Academia Naval. Ele então se tornou Diretor Executivo do cruzador pesado USS Indianápolis (CA-35).

Em 1941, o capitão Joy foi oficial de operações do Comandante da Força de Escotismo, Frota do Pacífico. Por vários meses depois que os Estados Unidos entraram na Segunda Guerra Mundial em dezembro, ele ajudou a planejar e executar operações de combate contra o Japão. Ele comandou o cruzador pesado USS Louisville (CA-28) de setembro de 1942 a junho de 1943, durante o qual atuou nas Aleutas e nos teatros de guerra do Pacífico Sul. Depois de uma importante turnê de planos de guerra em Washington, DC, o contra-almirante Joy tornou-se comandante de uma divisão de cruzadores, liderando-a por quase um ano e meio de intenso serviço de combate contra a Marinha japonesa.

Comandando um grupo anfíbio quando o Japão capitulou em agosto de 1945, Joy foi logo designado para o serviço na China. Ele estava encarregado do Campo de Provas Naval em Dahlgren, Virgínia, de 1946 a 1949 e foi então enviado de volta ao Pacífico Ocidental para se tornar Comandante das Forças Navais do Extremo Oriente. O vice-almirante Joy ocupou esse cargo até meados de 1952, dirigindo grande parte dos esforços da Marinha durante os primeiros dois anos da Guerra da Coréia. De julho de 1951 a maio de 1952, ele também foi o Delegado das Nações Unidas para as negociações do Armistício Coreano. Sua experiência nesta função o levou a escrever um livro, Como os comunistas negociam. No livro, ele detalhou uma série de táticas diferentes que foram usadas durante as negociações para atrasar, frustrar e criar propaganda útil para os norte-coreanos. Suas observações incluíam o fato de que os comunistas colocariam cadeiras mais curtas para os delegados da ONU, de modo que os comunistas se elevassem sobre os delegados da ONU em fotos de propaganda. [1]

Aposentando-se em julho de 1954, o almirante Joy posteriormente fez sua casa em La Jolla, Califórnia. Ele morreu no Hospital Naval dos EUA em San Diego, Califórnia, em 6 de junho de 1956. Ele está enterrado no cemitério da Academia Naval dos Estados Unidos.

O destruidor USS Turner Joy (DD-951), 1959–1991, foi nomeado em homenagem ao almirante Joy. Turner Joy Road, da Naval Academy, também foi nomeado em sua homenagem.


Operações vietnamitas

Em 13 de março de 1964, Turner Joy partiu de Long Beach para embarcar em sua jornada de serviço mais celebrada no Extremo Oriente. O terceiro desdobramento de sua carreira no oeste do Pacífico começou de maneira bastante rotineira. Depois de fazer escala em Pearl Harbor em seu caminho para o oeste, a destruidora se juntou a um grupo de trabalho construído em torno Kitty Hawk (CVA-63) para operações no Mar das Filipinas, seguido de um cruzeiro pelo Mar da China Meridional até o Japão. Seguiram-se outras operações de treinamento e visitas ao porto, enquanto o desdobramento continuava pacificamente. Durante o final de julho, Turner Joy, enquanto anexado a um grupo de tarefas da transportadora construído em torno Ticonderoga (CVA-14), começou a fazer patrulhas de "cão de guarda" na costa do Vietnã, onde uma violenta guerra civil estava ocorrendo em vários níveis de intensidade desde o final da Segunda Guerra Mundial. Na tarde de 2 de agosto, Maddox (DD-731), engajada em uma patrulha semelhante, pediu ajuda quando três torpedeiros a motor do Vietnã do Norte a atacaram. Como Maddox evitou os barcos torpedeiros, aeronaves de Ticonderoga juntou-se a ela para nocautear duas naves hostis. Enquanto isso, Turner Joy correu para Maddox para fornecer resistência superficial adicional. No momento em que ela alcançou Maddox, o barco restante havia fugido, mas Turner Joy permaneceu com Maddox, e os dois destróieres continuaram suas patrulhas do golfo.

Menos de 48 horas depois, Turner JoyAs telas de radar detectaram uma série do que parecia ser uma pequena nave de superfície de alta velocidade se aproximando, mas em um alcance extremo. Por precaução, os dois destruidores chamaram Ticonderoga para fornecer suporte aéreo. Ao cair da noite, os ecos de radar não identificados sugeriam que pequenas embarcações norte-vietnamitas estavam convergindo para os dois navios de guerra americanos do oeste e do sul. Turner Joy relatou que avistou um & mdashmaybe dois & mdashtorpedo acorda, então aumentou a velocidade, manobrou radicalmente para evitar torpedos esperados e começou a atirar na direção dos blips não identificados. Nas próximas duas horas e meia, Turner Joy e aviões de Ticonderoga disparado contra a nave supostamente hostil. Relatórios afirmam que pelo menos dois deles foram afundados por ataques diretos e outro par seriamente danificado, e que os agressores restantes retiraram-se rapidamente para o norte. Se os norte-vietnamitas atacaram ou não os dois navios no dia 4, permanece um mistério. Só eles sabem com certeza. Pode muito bem ter sido aquele mau tempo e as condições de radar bizarras & mdashfor que o Golfo de Tonkin é famoso & mdash fez com que ecos de radar aparecessem em Turner Joy 's tela e incitou seu capitão e tripulação a tomar medidas defensivas em consideração os eventos dois dias antes.

Em qualquer caso, o "Incidente do Golfo de Tonkin" provocou retaliação americana. constelação (CVA-64) juntou-se Ticonderoga off North Vietnam the following day and, together, they launched 64 sorties against the bases from which the attacks had been launched and against an oil storage depot known to have been used to support those bases. Planes from constelação hit the communist motor torpedo boat bases at Hongay and Loc Chao in the north while Ticonderoga aircraft went after three targets in the south: the motor torpedo boat bases at Quang Khe and Phuc Loi as well as the Vinh oil storage depot. At the last-named target, American planes set fire to 12 of the 14 oil storage tanks sending almost 10 percent of North Vietnam's oil reserves up in smoke. Of more lasting significance both to the warship and the country, however, the incident prompted Congress to pass the Tonkin Gulf resolution, the legal foundation for the direct involvement of the United States in a bloody and costly war in Indochina for the ensuing eight and one-half years. Throughout that period, Turner Joy served repeatedly in the conflict.


Comprimento: 418 feet
Feixe: 45 feet
Esboço, projeto: 22 feet
Deslocamento: 2,800 tons
Armamento:Three 5-inch/54 caliber guns and two Mark 32 torpedo launchers that carry 6 Mark 46 torpedoes each.

Endereço:
Bremerton Historic Ships Association
300 Washington Beach Avenue
Bremerton, WA 98337-5668
(360) 792-2457
Fax: (360) 377-1020
Email: [email protected]
http://www.ussturnerjoy.org/
Latitude: 47.564517, Longitude: -122.622013
Google Maps, Microsoft Bing, Yahoo Maps, Mapquest

O destruidor USS Turner Joy was the last Forrest Sherman-class destroyer built. While some of these ships were later converted to guided missile destroyers, Turner Joy remains close to her original 1959 configuration. The destroyer has been restored to reflect the appearance during her active years between 1960 and 1982.

Turner Joy‘s distinctive service included a double-duty role as flagship for Destroyer Squadron 13 and Destroyer Division 131 with several tours in the Pacific. She also stood air-sea rescue duty near the Marianas Islands for President Dwight D. Eisenhower’s visit to several Asian nations. In terms of history, this vessel is most remembered for her participation in the Gulf of Tonkin incident which escalated the United States involvement in the Vietnam War.

USS Turner Joy was placed on display in Bremerton in 1991 as a public attraction and Naval Memorial.


Turner Joy DD-951 - History

This page features more views related to USS Turner Joy (DD-951).

Se desejar reproduções de resolução mais alta do que as imagens digitais apresentadas aqui, consulte: & quotComo obter reproduções fotográficas. & Quot

Clique na pequena fotografia para obter uma visão ampliada da mesma imagem.

USS Kitty Hawk (CVA-63) , and
USS Turner Joy (DD-951)

Refueling from USS Kawishiwi (AO-146), 23 April 1964.
Note the large "E" in a shield spelled out by crewmen on the carrier's flight deck.
Photographed by PHCS Brown, USN.

Fotografia oficial da Marinha dos EUA.

Online Image: 149KB 740 x 615 pixels

Reproductions of this image may also be available through the National Archives photographic reproduction system as Photo # 428-N-1097351.

Tonkin Gulf Incident, August 1964

Tracks of USS Maddox (DD-731) and USS Turner Joy (DD-951), 3-5 August 1964, during the second part of the Gulf of Tonkin incident.
Chart prepared for "The United States Navy and the Vietnam Conflict", Volume II, page 423.

Fotografia do Centro Histórico Naval dos EUA.

Online Image: 56KB 740 x 545 pixels

Tonkin Gulf Incident, August 1964

Track chart of the action involving USS Maddox (DD-731) and USS Turner Joy (DD-951) on the night of 4 August 1964, during the second part of the Gulf of Tonkin incident. Many of the observations reflected in this chart were later determined to be inaccurate.
Chart prepared for "The United States Navy and the Vietnam Conflict", Volume II, page 430.

Fotografia do Centro Histórico Naval dos EUA.

Online Image: 61KB 530 x 765 pixels

One of the ship's three 5"/54 Mark 42 gun mounts, showing paint on the barrel blistered and charred from day and night gunfire support operations south of the Vietnam Demilitarized Zone, April 1968.
Photographed by JO1 Willard B. Bass, Jr.

Official U.S. Navy Photograph, from the Collections of the Naval Historical Center.

Online Image: 65KB 590 x 765 pixels

Firing one of her three 5"/54 Mark 42 gun mounts (Mount 52) toward an enemy shore position in Vietnam, 20 June 1968. Note the ejected powder canister flying through the air in front of the gun mount, and other powder canisters stacked on deck in the foreground.
Photographed by JO1 Willard B. Bass, Jr., USN.

Fotografia oficial da Marinha dos EUA.

Online Image: 63KB 740 x 515 pixels

Reproductions of this image may also be available through the National Archives photographic reproduction system as Photo # 428-N-1133001.

Crewman handles a five-inch gun projectile, during Vietnam War operations in the South China Sea, February 1970.

Fotografia oficial da Marinha dos EUA.

Online Image: 59KB 515 x 765 pixels

Reproductions of this image may also be available through the National Archives photographic reproduction system as Photo # 428-N-1143901.

Highlines two pallets of five-inch gun powder canisters to USS Turner Joy (DD-951), during Vietnam War underway replenishment operations in the South China Sea, March 1970. Photographed from on board Turner Joy .


Turner Joy DD-951 - History

USS Turner Joy , a 2850-ton Forrest Sherman / Hull class destroyer, was built at Seattle, Washington. After commissioning in August 1959 she cruised down the Pacific coast to visit South America. In May of the next year the destroyer steamed across the Pacific to begin the first of a dozen deployments to Asian waters. Her return to the U.S. in November 1960 was followed by a year and a half of duty in the eastern Pacific, then another Seventh Fleet tour during the last half of 1962. Turner Joy 's third Western Pacific cruise, between March and October 1964, was historic. While serving with the aircraft carrier Ticonderoga on 2 August she was sent to reinforce the destroyer Maddox after the latter was attacked by North Vietnamese motor torpedo boats. Two days later, on the night of 4 August, the two ships believed they were again under attack and took vigorous countermeasures. This Gulf of Tonkin Incident was an important preliminary to the United States' long and painful combat experience in Southeast Asia.

Turner Joy 's next six Seventh Fleet deployments, in 1965-66, 1966-67, 1968, 1969-70, 1971 and 1972-73, included intense involvement in the Vietnam conflict. In addition to screening carriers in nearby waters and undertaking patrol duties, she actively used her guns to support Allied forces ashore. One such mission, in October 1965, ended in tragedy when a shell accidently detonated in one of her five-inch gun mounts, killing three of her crew. During another bombardment, off North Vietnam on 7 April 1967, Turner Joy was hit by return fire, but was not seriously damaged. Following the January 1973 agreement that temporarily ended the fighting, the destroyer took part in Operation "Endsweep", the clearance of U.S. mines from North Vietnamese waters.

During the next decade Turner Joy went to the Western Pacific three more times, in 1974, 1975-76 and 1980. The '75-76 deployment carried her to the Arabian Sea, an area that in future years would become an increasingly important destination for U.S. Navy ships. While there, she took part in an exercise with the British, Iranian and Pakistani navies. In November 1982, as the Navy was in the process of taking all the ships of her class out of service, USS Turner Joy was decommissioned. She spent over seven years in the Pacific Reserve Fleet before being stricken from the Naval Vessel Register in February 1990. However, in April 1991 she embarked on a new career as a museum and memorial ship. Ever since, Turner Joy has been on exhibit at the city of Bremerton, Washington, as an enduring representative of the Cold War Navy.

USS Turner Joy was named in honor of Admiral Charles Turner Joy (1895-1956), whose long career included command of U.S. Naval forces in the Far East during the first two years of the Korean War.

This page features, and provides links to, all the views we have related to USS Turner Joy (DD-951).

Se desejar reproduções de resolução mais alta do que as imagens digitais apresentadas aqui, consulte: & quotComo obter reproduções fotográficas. & Quot

Clique na pequena fotografia para obter uma visão ampliada da mesma imagem.

Underway soon after completion, circa the late 1950s or early 1960s.

Official U.S. Navy Photograph, from the Collections of the Naval Historical Center.

Online Image: 113KB 740 x 610 pixels

Underway soon after completion, circa the late 1950s or early 1960s.

Official U.S. Navy Photograph, from the Collections of the Naval Historical Center.

Online Image: 89KB 740 x 600 pixels

At sea, 25 August 1962, seen from USS Bon Homme Richard (CVA-31).
Photographed by PH3 R.C. Orlofske.

Official U.S. Navy Photograph, from the Collections of the Naval Historical Center.

Online Image: 108KB 740 x 605 pixels

Underway at sea, 9 May 1964.
Photographed by PH1 Moen, of USS Kitty Hawk (CVA-63).

Official U.S. Navy Photograph, from the Collections of the Naval Historical Center.

Online Image: 109KB 740 x 525 pixels

Steaming on the Gunline off the coast of South Vietnam, April 1968.
Photographed by JO1 Willard B. Bass, Jr.

Official U.S. Navy Photograph, from the Collections of the Naval Historical Center.

Online Image: 107KB 740 x 605 pixels

Underway off the coast of Oahu, Hawaii, 24 November 1969.

Fotografia oficial da Marinha dos EUA.

Online Image: 115KB 740 x 615 pixels

Reproductions of this image may also be available through the National Archives photographic reproduction system as Photo # 428-KN-18396.
Embora as reproduções desta foto das coleções do Centro Histórico Naval estejam disponíveis apenas em preto e branco, as do Arquivo Nacional devem estar disponíveis em cores.

Underway in the Pacific Ocean, November 1980.
Photographed by PH3 Wilcox, of squadron VC-1.

Official U.S. Navy Photograph, from the Collections of the Naval Historical Center.

Online Image: 88KB 740 x 600 pixels

Underway in the Pacific Ocean, November 1980.
Photographed by PH3 Wilcox, of squadron VC-1.


Asbestos in Navy Ships

Although an essential component of the naval fleet, especially during World War II, naval destroyers also pose a lasting health risk to soldiers serving on them. Unfortunately, products containing asbestos were common, especially on older ships, because of the material’s high resistance to heat and fire. Despite its value as an insulator, asbestos fiber intake can lead to several serious health consequences, including mesothelioma, a devastating cancer without cure. Current and former military personnel who came into contact with these ships should seek immediate medical attention in order to detect possible health consequences associated with asbestos exposure.


Veterans saluted on board Turner Joy

Military members past and present, family members and the public gathered on the fantail of the Bremerton waterfront museum ship USS Turner Joy (DD 951) for the ship's annual Memorial Day ceremony, May 27. The event recognizes the ultimate sacrifice made by veterans throughout history.

The ceremony was shortened slightly due to inclement weather. There was talk of moving it inside to the ship's galley, but the consensus was that as Northwest residents, the elements should be braved.

The event was sponsored by the Bremerton-Olympic Peninsula Council of the Navy League with league president Tim Katona serving as master of ceremony.

This year's guest speaker was Rear Adm. Dietrich Kuhlmann III, commander, Submarine Group 9.

"I'm humbled to be here today to honor those who have made the sacrifice and to keep the faith of those who serve our nation today, those who feel some things are so precious that they are worth dying for," said Kuhlmann.

"Today we remember the men and women who have served, and we remember their families," he added. "Today of all days, we not only remember those who paid the ultimate price, but rejoice in their lives of dedicated service to our nation, and to freedom."

Submarine Group 9 Command Master Chief Rusty Staub has attended Memorial Day events like these annually for the past 28 years since he enlisted. He said he has noticed through those years that the older veterans carry with them a different perspective than younger sailors do.

"Years ago it took a vet to teach me all of the how's and whys because when you're a young service member you don't have the same outlook. That will gain that with age," Staub said.

The ceremony ended with the playing of Taps and the laying of a memorial wreath traditionally tossed over the side of Turner Joy into the water below.


The table below contains the names of sailors who served aboard the USS Turner Joy (DD 951). Lembre-se de que esta lista inclui apenas registros de pessoas que enviaram suas informações para publicação neste site. Se você também serviu a bordo e se lembra de uma das pessoas abaixo, clique no nome para enviar um e-mail ao respectivo velejador. Você gostaria de ter uma lista de tripulantes em seu site?

Procurando memorabilia da Marinha dos EUA? Experimente a Loja Ship & # 039s.

There are 145 crew members registered for the USS Turner Joy (DD 951).

Select the period (starting by the reporting year): precomm &ndash 1967 | 1968 &ndash 1973 | 1974 &ndash 1979 | 1980 &ndash now

NomeClassificação / TaxaPeríodoDivisãoObservações / foto
Copeland, MichaelBTFN1980 &ndash 1982B DivisionHad good and bad times aboard T.J. but I wouldn't trade them in for anything . Old friend and shipmate feel free to contact me here or on Facebook .
Carlson, LaneRM21980 &ndash 1982OCBeen back to see the old gal a couple times and she still looks great! I miss my buddies in the RadioShack and all my other pals like "Battleship" Bob Dultz, FTG2 John Raskopf and GMG2 Mark Blaha.
Arnette, RickTm31980 &ndash 1982foxSo glad to have been apart of the crew.Went thru some rough times ( did not want to grow up) but wouldn't trade it for the world. The memories I get to share with my family and friends are priceless. Thanks to all
Davis, Big AlBT3Jan 1980 &ndash 1982BNever through I would tier up over a ship. but there you go. best wishes to all, from Big AL of B-divison
Powell, Roy "Tex"QM3Jan 2, 1980 &ndash 1983SOBREMissing the good old days onboard the TJ.
Lambert, AlanFTG2Feb 1980 &ndash Mar 1982And how much fun was this? TOOOOOO much. My first ship of many and always the best. Even went to Bremerton and toured her. You'd be suprised that even some nuts bolts and screws i remember missing still are.
Longbrake, Joseph DilmanFTGCMay 1980 &ndash Aug 1981Best Fire Control and Gunners Mate crews I have ever been proud to serv with
McAdow, Robbin BTFNMay 1980 &ndash 1982B DivisionI agree with Randy, we had a good time but lots of hard work. Miss them guys
Wiesner, MarkOSSNJun 1980 &ndash May 1981scope-dopei look back to "those days" with both a happy..and yet a heavy heart. it was a hard time in my life and i had no direction. thank god i had friends like "fogle" and "dills" to help me out.went on the west-pac and actu
Lyons, WilliamBT3Jun 10, 1980 &ndash 1982BI had a great time aboard the TJ, alot of work and alot of good times on the beach. I hope all the crew I was on board with are doing great and remeber our youth aboard as a great time.
King, StanHM1Jul 1980 &ndash Nov 1982SOBREDroga!
Eagling, David (Dave)MM2Jul 16, 1980 &ndash Nov 25, 1982A-Division (A-Gang)I caught the TJ at Subic Bay P.I. in ྌ on the way to So. Pac. Stayed on her until she was decommissioned. I was one the last few crewmen to walk her decks as an active warship. I put my finger through the hull.
Reid, JoeQM3Nov 1, 1980 &ndash Sep 1, 1982SOBRETJ was the first ship I served on, guess you could say I grew up there. Made the last West-Pac on her and transferred off just before decommissioning. It was a good ship and I served with a great crew. hope to hear from some of you.
Darrel Fitzgerald, DarrelBTFNDec 1980 &ndash Feb 1982B divisionRemembering the good times and all the hard work we put in over the years. the west pac. and the places we went . lot of good fun with good friends.
Porter, BuckGMG21981 &ndash Oct 1982SecondWas just thinking back of several good friends& times I had on the TJ. What a great bunch of people! Hope all are doing well. Blaha, O'Leary,Lambert etc.
Blaha, MarkGMG2Jan 3, 1981 &ndash Nov 22, 1982WeaponsMy first ship and first West Pac was aboard the Turner Joy. I was prooud of what she stood for all and and her history. As a Mk 42 Gunners Mate, it was the perfect platform for my first tour. Still Think about Rascoff and Lane.
Brezinsky, Robert Bob SkimmfnFeb 1, 1981 &ndash Feb 1, 1983m divisoni finally sobered up going on 4 years T.J's last cruse over seas that was awsome, glad i made it!!
Bryant, Lyndon (Bear)BMMay 20, 1981 &ndash Mar 6, 1983Área coberta
Rosengarth, PaulSMSNOct 1981 &ndash Nov 1982OCFirst ship. What a sobering experience to be on a ship older than I was at the time. I was on the last West Pac and was part of the decommissioning team. Was a sad day when we lowered the colors. Hearing about the museum brought was "joy"fu
Hudock, JosephHNMar 25, 1982 &ndash Nov 10, 1982NAVWhat a trip working with Stan! TAVO!!

Select the period (starting by the reporting year): precomm &ndash 1967 | 1968 &ndash 1973 | 1974 &ndash 1979 | 1980 &ndash now


Uss Turner Joy

The USS Turner Joy (DD-951), famed Navy destroyer from the Vietnam War, is now maintained and administered by the Bremerton Historic Ships Association. The ship was involved in the Gulf of Tonkin Incident in August 1964 when North Vietnamese naval forces attacked the USS Turner Joy and the USS Maddox. The attacks prompted the US Congress to issue the Gulf of Tonkin Resolution, which provided a legal justification for the escalating conflict in Vietnam.

The museum ship and memorial honors not only the men and women of our modern US Navy, but also recognizes the accomplishments of those who help build and maintain the Navy's ships as well. An active and educational facility makes the USS Turner Joy a unique and lasting legacy to Puget Sound's maritime heritage.

We hope you enjoyed this essay.

Please support this 70-year tradition of trusted historical writing and the volunteers that sustain it with a donation to Herança americana.


Assista o vídeo: USS C Turner Joy DD-951 The Untold Story